tráfico de drogas

Advogadas são presas por participação em esquema de tráfico de droga em Goiás

Por meio de nota, a Ordem dos Advogados do Brasil – seção Goiás (OAB-GO) criticou a ação da Operação realizada pela Polícia Civil

Publicados

Duas advogadas foram presas nesta quarta-feira (16), pela Policia Civil, suspeitas de fazer parte de uma organização criminosa responsável por grande parte do comércio de cocaína no estado de Goiás. Até o final da manhã de hoje, 8 mandados de buscas foram cumpridos por equipes da polícia em endereços vinculados a outros profissionais da Lei.

Investigações iniciadas em 2019 apontaram que advogados, junto a membros de uma facção criminosa, fazem parte de uma associação para trazer droga da Bolívia. Os profissionais da lei atuam em presídios como comparsas dos clientes.

Ainda de acordo com a PC, eles aproveitam o acesso que têm aos detentos para levar e trazer mensagens tratando sobre tráfico de drogas, venda de armas, “batismo” e cadastro de novos membros na facção. As informações repassadas pelos advogados tratam, inclusive, sobre ataques a membros de facções rivais.

153 policiais civis foram mobilizados para cumprir 72 mandados judiciais, sendo 39 de busca e apreensão e 33 de prisão. Além das buscas e prisões, mais de R$ 49 milhões em contas bancárias foram bloqueadas e também sete veículos, sendo dois blindados.

Leia Também:  Com coronhada, assaltante agride vítima para roubar motocicleta

Os investigados também são suspeitos de participarem de uma rede de lavagem de dinheiro com o tráfico de drogas e outros crimes. As investigações apontaram que empresas regulares e de fachada movimentou mais de R$ 150 milhões entre 2017 e 2020, em sua maioria de origem ilícita.

A polícia batizou a operação de Patrocínio Infiel, em referência ao crime previsto no Código Penal, relacionado à conduta do advogado que, no exercício de seu ofício, trai o seu dever profissional.

OAB critica ação

Por meio de nota, a Ordem dos Advogados do Brasil – seção Goiás (OAB-GO) criticou a ação da Operação realizada pela Polícia Civil, na qual eles chamaram de “conduta panfletária da Polícia Civil do Estado de Goiás na divulgação da Operação Patrocínio Infiel. A começar pelo nome, agressivo e desrespeitoso de toda a advocacia goiana e brasileira”.

No texto, assinado pelo presidente Lúcio Flávio Dito, a OBA informa ainda que “acompanha com muita atenção o desenrolar da operação desde sua deflagração” e que “aguarda o desfecho das investigações para adotar as providências cabíveis e necessárias que o caso requer”.

Leia Também:  PC realiza prisão de casal que matou homem e ateou fogo em seu corpo em Niquelândia

JORNAL DO VALE – Muito mais que um jornal, desde 1975 – www.jornaldovale.com

Siga nosso Instagram – @jornaldovale_ceres

Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a redação do JORNAL DO VALE, através do WhatsApp (62) 98504-9192

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

JUSTIÇA

Operação em desfavor de servidores da antiga Agetop cumpre mandados em Goiânia, Aparecida e Senador Canedo

Serão cumpridos 21 mandados de busca e apreensão

Publicados

em

Nesta sexta-feira (30), foi deflagrada a operação Old School, pelo Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO), por intermédio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO). Serão cumpridos 21 mandados de busca e apreensão em Goiânia, Aparecida e Senador Canedo.

A operação tem por finalidade apuração de crimes de corrupção ativa e passiva, falsidade ideológica, organização criminosa e lavagem de dinheiro, praticados por servidores públicos da antiga Agetop e empresários do ramo da construção civil.

O procedimento investigatório guarda ligação com 10 obras públicas executadas por diversas construtoras contratadas pela agência com pagamento da quantia total de R$ 399.070.280,05, em números não atualizados.

JORNAL DO VALE – Muito mais que um jornal, desde 1975 – www.jornaldovale.com

Siga nosso Instagram – @jornaldovale_ceres

Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a redação do JORNAL DO VALE, através do WhatsApp (62) 98504-9192

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Em Jaraguá, rinha de galo fechada pela polícia possuía ave no valor de R$ 10 mil
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA