CMN remaneja recursos de ajuda a cafezais afetados por geadas

Publicados


Um mês depois de destinar R$ 1,32 bilhão para ajudar cafezais afetados por geadas , o Conselho Monetário Nacional (CMN) remanejou cerca de metade dos recursos para outras linhas de crédito do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé). A decisão ocorre porque os recursos não foram contratados pelos agricultores.

Ao todo, foram remanejados R$ 664,1 milhões que sobraram da ajuda. Isso ocorreu após as instituições financeiras processarem todos pedidos dos cafeicultores que recorreram à linha especial de ajuda para recompor os cafezais afetados pelas geadas no último inverno.

A maior parte, R$ 179,8 milhões, foi para linhas de comercialização de café. As linhas de financiamento para a compra do grão receberam reforço de R$ 162,4 milhões. As linhas de custeio ganharam R$ 130,5 milhões e as linhas de capital de giro receberam R$ 101,4 milhões.

Em nota, o Ministério da Economia explicou que o remanejamento ocorreu a pedido do Ministério da Agricultura. A medida teve o objetivo de tornar mais eficiente a utilização dos recursos do Funcafé, destinando o dinheiro para onde a demanda é maior.

Leia Também:  Decisão chinesa é primeiro passo para derrubar veto à carne brasileira

Edição: Fábio Massalli

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ECONOMIA

Procon-SP recebe 703 reclamações sobre a Black Friday

Publicados

em


O Procon-SP recebeu 703 reclamações de consumidores que tiveram problemas nas compras ou contratações na Black Friday até a tarde de ontem (29). A B2W (Americanas.com, Submarino, Shoptime, Sou Barato e Lojas Americanas) teve 107 casos (15% das queixas) e a Via S/A (Casas Bahia, Ponto Frio e Extra.com), teve 96 (14% das queixas). Nas redes sociais, o órgão teve 457 consultas e pedidos de orientação sobre o tema.

As principais reclamações foram atraso ou não entrega da encomenda (174 reclamações, 25% do total); pedido cancelado após a finalização da compra (162 reclamações, 23% do total); mudança de preço ao finalizar a compra (79 ou 11%); maquiagem de desconto – quando o desconto oferecido não é real (77 ou 11%); e produto ou serviço indisponível (75 ou 11%).

Segundo o Procon-SP, na Black Friday do ano passado foram registrados 1.107 atendimentos (726 reclamações e 381 consultas e orientações nas redes sociais). De acordo com o diretor executivo do Procon-SP, Fernando Capez, neste ano, o número de reclamações manteve-se estável, com leve aumento de 3%.

Leia Também:  Confiança da indústria cai pelo terceiro mês consecutivo, diz FGV

“Muitos consumidores consultaram o Procon-SP, o que demonstra que as pessoas estão mais cautelosas antes de fechar suas compras e se precavendo de eventuais golpes. Com o consumidor fazendo mais pesquisa, consultando a credibilidade do site, a reputação da empresa, prestando atenção ao preço total oferecido, acrescido à cobrança de frete, de encargos etc. as reclamações se reduzem aos problemas mais corriqueiros, como atraso e cancelamento do pedido. O balanço geral é positivo”, afirmou.

Edição: Maria Claudia

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA