Covid-19: 2 milhões de pessoas no Rio de Janeiro não se vacinaram

Publicados

No estado do Rio de Janeiro, cerca de 2 milhões de pessoas que fazem parte do público alvo da campanha de vacinação contra a covid-19, ou seja, a partir dos 5 anos de idade, não tomaram nenhuma dose do imunizante. Outras 1,5 milhão receberam a primeira dose e não retornaram aos postos para completar o esquema básico.

Quanto ao reforço, um total de 6 milhões de pessoas aptas não garantiram o prolongamento da imunização, ou seja, metade das 12 milhões com 18 anos ou mais que completaram o esquema básico de duas doses ou dose única.

Os dados foram divulgados hoje (23) pela Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro (SES). O secretário, Alexandre Chieppe, lembra que apenas a imunização completa evita as formas graves da doença e os óbitos.

“A principal forma de evitarmos internações e óbitos pela covid-19 é a vacinação. Estudos mostram que, desde o início da campanha, houve uma redução significativa das formas graves da covid-19. Por isso, fazemos um apelo para que a população procure os postos de saúde para receber o imunizante o quanto antes”.

O levantamento reuniu dados lançados no Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI) até esta terça-feira (21).

Leia Também:  Saúde diz ter enviado 100% de doses para trabalhadores da educação

Internações

A secretaria ressalta que 59% das internações por covid-19 são de pessoas que não completaram o esquema vacinal, segundo os dados do Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (Cievs).

“O monitoramento mostrou que no período analisado 56 pessoas estavam hospitalizadas, sendo 36 em unidades de terapia intensiva (UTI) e 20 em enfermaria. Do total, apenas 41% estavam como o esquema vacinal completo e uma dose de reforço”, diz a nota da secretaria.

A análise do perfil dos internados com covid-19 nas unidades da rede estadual de saúde foi feita entre os dias 9 e 10 de junho. A SES destaca também que a idade e as comorbidades contribuem para a evolução da doença para as formas graves.

“Das pessoas entrevistadas pelo Cievs, a maior parte era de idosos, sendo a mediana de idade de 69 anos. Além disso, 16% dos internados apresentavam alguma comorbidade”, explica a secretaria.

O levantamento envolveu pacientes internados no Hospital Estadual Dr. Ricardo Cruz (HERCruz), Hospital Regional do Médio Paraíba Dra. Zilda Arns Neumann (HERZA) e no Hospital Universitário Pedro Ernesto (HUPE), unidades de referência no estado para o tratamento da doença.

Leia Também:  Anvisa: eventos adversos das vacinas estão dentro do previsto

Reforço

A dose de reforço contra a covid-19 foi estendida aos adolescentes de 12 a 17 anos no dia 30 de maio e, nesta semana, começou a aplicação da segunda dose de reforço no público a partir dos 40 anos.

Os idosos começaram a receber o reforço extra no dia 24 de março, que teve início pela faixa acima de 80 anos e desceu gradativamente. Também devem receber a quarta dose os trabalhadores da saúde e imunossuprimidos. O intervalo mínimo entre um reforço e outro é de 4 meses.

No Rio de Janeiro, já foram aplicadas mais de 34 milhões de doses em todo o estado, sendo que 80% da população acima dos 5 anos completou o esquema básico.

A Secretaria de Saúde orienta as secretarias municipais a adotar medidas para ampliar a cobertura, como fazer busca ativa por pessoas não vacinadas e campanhas em locais de grande circulação, fora das unidades básicas de saúde.

Edição: Maria Claudia

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

SAÚDE

Anvisa prorroga importação de imunoglobulina humana

Publicados

em

Diretores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovaram, hoje (30), a extensão do prazo de validade da resolução da própria agência que autoriza a importação e o uso de imunoglobulina humana sem registro no Brasil.

Publicada no fim de setembro de 2021, no contexto de crise sanitária decorrente da pandemia da covid-19 e do consequente risco de falta do produto, a resolução da diretoria colegiada (RDC) 563 tinha validade inicial prevista até 31 de dezembro do ano passado.

Em 30 de março, os diretores da agência aprovaram a primeira prorrogação das regras, estendendo a vigência da resolução até hoje. Com esta segunda prorrogação, a importação excepcional e temporária de imunoglobulina humana sem registro no Brasil seguirão em vigor até o próximo dia 31 de julho.

Segundo a Anvisa, a ampliação da possibilidade de importação excepcional por mais 30 dias é uma tentativa de assegurar o abastecimento do produto no mercado nacional, equacionando “distorções do mercado”. A expectativa é que a produção e a distribuição do produto alcance se regulariza a partir do ajuste dos preços, por meio da disponibilização de produtos registrados no país.

Leia Também:  Rio ainda não decidiu sobre liberação de público na Libertadores

Para os diretores da agência, os fatores que geraram o risco de desabastecimento do produto, motivando a edição e as respectivas prorrogações da RDC 563, permanecem inalterados, mas já há perspectivas de restabelecimento da oferta dos produtos registrados, motivada principalmente por uma resolução da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), que, no começo deste mês, liberou os produtores de vários medicamentos com risco de desabastecimento no território nacional da obrigatória observância dos critérios de preço. Ainda assim, a Anvisa acredita que a medida não terá impacto imediato, sendo necessário ampliar a possibilidade de importação excepcional por mais 30 dias.

Durante a reunião extraordinária da diretoria colegiada, nesta manhã, o relator da matéria, Alex Campos, destacou que a importação de medicamentos sem registro não é uma situação desejável, mas um recurso do qual o Poder Público pode lançar mão para reduzir o risco de produtos essenciais.

Edição: Maria Claudia

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA