Covid-19: Anac libera transporte de vacinas em cabine de passageiros

Publicados


A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) autorizou as empresas aéreas a transportarem vacinas refrigeradas com gelo seco na cabine de passageiros de aviões. O transporte só ocorrerá, entretanto, se não houver passageiros durante o voo.

A medida, aprovada ontem (13) pela diretoria da agência reguladora, alterou outra resolução da Anac, de dezembro do ano passado, que estabeleceu diretrizes para permitir, em caráter excepcional, o transporte de carga nos compartimentos de passageiros devido à pandemia do novo coronavírus (covid-19).

De acordo com o regulamento brasileiro para aviação civil, o gelo seco é considerado um artigo perigoso e, por isso, apresenta restrições para ser transportado na cabine de passageiros.

Com a alteração na norma, somente podem ser transportadas no voo pessoas necessárias para a segurança do voo como tripulantes e outros cujas funções a bordo do avião incluam a detecção e combate a incêndios.

A agência disse ainda que as empresas já certificadas para o transporte de artigos perigosos que já tenham obtido a autorização para transporte de carga na cabine de passageiros não precisarão de autorização específica para o transporte de vacinas refrigeradas com gelo seco.

Leia Também:  Covid-19: Brasil tem 173,8 mil mortes e 6,38 milhões de casos

Plano estratégico

Segundo a Anac, a medida vem em antecipação à demanda esperada para o transporte aéreo doméstico e internacional de grandes quantidades de vacinas para as ações previstas no Plano Nacional de Operacionalização da Vacina contra a Covid-19.

“A utilização do transporte aéreo na distribuição de vacinas e insumos para a campanha de vacinação contra a covid-19 é estratégica e necessária para garantir que todos os estados recebam a medicação com segurança e eficiência”, disse a Anac.

No início da tarde desta quinta-feira, está marcada a decolagem de um avião da companhia aérea Azul para a Índia, a fim de buscar dois milhões de doses da vacina britânica da Oxford, produzida em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) no Brasil. As doses importadas são fabricadas pelo Serum Institute da Índia.

A importação foi autorizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), no dia 31 de dezembro de 2020, em caráter excepcional.

A aeronave decola do Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP), às 13h, com destino a Recife, de onde partirá direto para a cidade indiana de Mumbai. O retorno do avião está previsto para o próximo sábado (16), no Aeroporto Internacional do Galeão, no Rio de Janeiro.

Leia Também:  Ministério da Saúde descarta segunda onda de covid-19 em Manaus

Edição: Kleber Sampaio

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

SAÚDE

Municípios do Rio começam a receber vacina Oxford-AstraZeneca/Fiocruz

Publicados

em


A distribuição para os 92 municípios das doses da vacina Oxford/AstraZeneca, em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que o Ministério da Saúde disponibilizou para o Estado do Rio de Janeiro. O trabalho está sendo feito pela Secretaria de Estado de Saúde (SES). As vacinas estão saindo da Coordenação Geral de Armazenagem (CGA) da SES, em Niterói, na Região Metropolitana, e são transportadas por meio de helicópteros e por terra com o uso de pequenos caminhões. O estado tem 92 municípios e, entre eles, a capital já recebeu.

De acordo com a SES, serão disponibilizadas 176.220 doses aos 92 municípios do Estado. “Cerca de 4,8% das 185 mil doses destinadas ao estado ficarão sob a guarda da Secretaria de Estado de Saúde, como reserva estratégica, guardadas na Coordenadoria Geral de Armazenagem (CGA)”, informou a secretaria.

“A SES-RJ, de forma responsável e transparente, informa que fez essa opção de manter uma reserva estratégica mínima para atender aos municípios em casos de eventuais perdas de doses durante a aplicação e realizar as devidas correções tão logo os municípios enviem informações”.

O esquema de transporte usa cinco helicópteros um da Secretaria de Estado de Polícia Civil, duas do Corpo de Bombeiros e duas do governo do Estado, que estão levando as doses para 88 cidades das regiões Norte, Noroeste, Serrana, Baixada Litorânea, Médio Paraíba, Costa Verde, Centro Sul e Metropolitana I. Para os municípios do Rio, Niterói, São Gonçalo e Maricá as vacinas estão sendo levadas por caminhões.

O Estado segue as orientações do Programa Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde e as vacinas serão destinadas ao público prioritário, conforme indicou o ministério nos informes técnicos recebidos pela SES. As recomendações para aplicação da vacina aos municípios, foram encaminhadas por meio de uma nota informativa da Subsecretaria de Vigilância em Saúde da SES que tinha recebido um informe técnico ontem (24).

Leia Também:  São Paulo: simpósio discute humanização no atendimento pediátrico

Os grupos prioritários são pessoas com 60 anos ou mais e maiores de 18 anos com deficiência que vivem em instituições; povos indígenas em terras indígenas; profissionais de Saúde envolvidos na vacinação dos grupos elencados; os trabalhadores das Instituições de Longa Permanência de Idosos e de residências inclusivas (Serviço de Acolhimento Institucional em Residência Inclusiva para jovens e adultos com deficiência); e trabalhadores dos serviços de saúde envolvidos diretamente no atendimento de casos suspeitos e confirmados de covid-19.

A Vigilância em Saúde encaminhou ofício às cidades recomendando que as secretarias municipais de saúde façam uma busca ativa para levantar casos de idosos e deficientes vivendo em instituições que não estejam cadastradas no Ministério da Saúde e, por isso, possam não ter recebido ainda doses da vacina CoronaVac. Essas possíveis divergências devem ser comunicadas pelos gestores municipais à Subsecretaria de Vigilância em Saúde para que possam ser resolvidas.

A Subsecretaria de Vigilância em Saúde informou ainda que todas as doses da vacina de Oxford/AstraZeneca enviadas pelo Ministério da Saúde para o estado do Rio serão distribuídas aos municípios em única remessa para aplicação imediata. A medida, segundo a SES, está em conformidade com as prioridades do PNI. A decisão foi tomada tendo em vista que a aplicação da segunda dose pode ser realizada com intervalo de 90 dias após a primeira.

Leia Também:  ANS torna obrigatória cobertura de testes por planos de saúde para o novo Coronavírus

As primeiras doses da vacina Oxford-AstraZeneca/Fiocruz foram aplicadas no sábado durante a cerimônia na Fundação Oswaldo Cruz para o início da distribuição aos estados dos imunizantes que chegaram da Índia. Receberam a vacina o infectologista do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas da Fundação Oswaldo Cruz (INI/Fiocruz), Estevão Portela e a médica pneumologista do Centro de Referência Professor Helio Fraga, também da Fiocruz, Margareth Dalcolmo. Os dois atuam na linha de frente da assistência a pacientes de covid-19 desde o início da pandemia. A terceira pessoa a receber a dose foi a médica Sarah Ananda Gomes, que é também coordenadora da equipe de Cuidados Paliativos no Hospital Felicio Rocho, onde participou das comissões de crise do covid-19 e na Clínica Oncocentro/ Oncoclinicas em Belo Horizonte. A médica tem origem indiana.

CoronaVac

De acordo com a SES, a remessa da segunda dose da vacina CoronaVac para os municípios está programada para a primeira semana de fevereiro, para serem aplicadas nas mesmas pessoas que receberam a primeira dose, com isso, será respeitado o intervalo de 21 dias entre a primeira e a segunda dose.

Balanço

Segundo a SES, até as 18h de ontem, 86 municípios registraram 92.982 pessoas imunizadas contra a covid-19 no estado. “O balanço foi realizado por meio de busca ativa, a partir da gerência de Imunização da Vigilância Epidemiológica da Subsecretaria de Vigilância em Saúde, junto às coordenações/gerências de imunização dos 92 municípios do Estado”.

Edição: Valéria Aguiar

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA