Crise ética acelera migração para outros países

Publicados


Integrantes de um movimento de emigração que pôde ser percebido por parte da população nos últimos anos, os goianos já representam uma parcela relevante dos brasileiros que estão em algumas das principais cidades do mundo. Para alguns, a mudança significa uma tentativa de se ver livre dos problemas do País e das crises que enxergam haver nele, seja na política, na economia, na segurança e até no que consideram ser valores morais e éticos.

Há menos de um mês em Setúbal, Portugal, o arquiteto Murilo dos Santos, de 30 anos, e a comerciante Amanda Pascoal, de 24, são exemplos de emigrantes que deram adeus à terra natal apostando na chance de uma vida melhor. A opção pelo destino se deu pela facilidade do idioma e pela presença de conhecidos, além da fama da oferta de uma vida melhor em um ambiente familiar.

“Qualquer imigrante sofre até se acostumar com a nova cultura. Mas, pela facilidade da língua, você se adapta mais rápido”, avalia Murilo. “Decidimos sair do Brasil por falta de segurança, saúde, educação e em busca de uma melhor qualidade de vida para nós e, principalmente, para nossas filhas”, explica ele, referindo-se às crianças de 5 e 2 anos de idade que ficaram no Brasil com os avós e devem visitar os pais durante as férias.

Leia Também:  Corpo de Bombeiros salvam criança engasgada com moeda; Assista

Para tomar a decisão, o casal recorreu à internet, a agentes de viagens e a amigos que já viviam no local. Conscientes de que viverão grandes desafios, conseguiram a documentação necessária e partiram. A regularização da documentação e do diploma de Arquitetura obtido no Brasil pelo goiano tem sido um destes. “Demora e não é fácil e nem barato”, resume ele, que, ainda assim, se sente motivado. “Aqui está sendo bem melhor. Embora tenha sido poucos dias, já amamos e viemos para ficar. Nossos amigos também não pensam em voltar”, afirma.

A boa impressão e o fascínio causados pela realidade de um novo país também influenciaram na decisão de outro casal que deixou Goiás. Mesmo trabalhando em uma área diferente daquelas em que se profissionalizaram, a farmacêutica Julia Ferreira, de 33 anos, e o marido Thiago Ferreira se sentem satisfeitos na Nova Zelândia, país em que estão desde setembro de 2016.

 

Permanência

A princípio, o intuito era buscar aperfeiçoamento profissional, praticando o inglês, e viver uma nova experiência. Porém, o dia a dia despertou em ambos a impressão de que, mesmo se deparando com os contrastes de um lugar tão diferente, não compensa fazer o caminho de volta, a não ser a passeio.

Leia Também:  Covid-19 é a pior emergência global de saúde enfrentada pela OMS

“No início, a gente passa por dificuldades. Eu já tinha um mestrado, mas eu fui aberta ao que poderia aprender”, diz Julia, que atua como supervisora de um restaurante na cidade de Queenstown, onde vivem. “Tinha momentos em que eu ficava chateada, mas na maior parte do tempo estava trabalhando, me esforçando e buscando me desenvolver”.

O país da Oceania tem clima temperado e um tempo com padrões distintos dos encontrados em uma região de Cerrado. De acordo com a farmacêutica, o frio foi um obstáculo, assim como a distância e o fuso horário – são 9 horas a menos do que o horário de Brasília. Os aluguéis na cidade, que é turística, são caros. No entanto, diz ela, a qualidade de vida serve como motivação. “É uma sociedade mais justa e mais segura. No Brasil, há corrupção, impostos muito altos e se trabalha muito e ganha pouco. Me sinto mais respeitada lá. O governo respeita as pessoas e elas o respeitam”, define.

O Popular

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

CIDADES

Corpo de Bombeiros em Operação Férias são acionados após ferroada de arraia em Aruanã; Assista

A vítima, que não teve sua identidade revelada, estava acampada na área quando o incidente ocorreu.

Publicados

em

Corpo de Bombeiros em Operação Férias são acionados após ferroada de arraia em Aruanã. Foto: Captura de Vídeo do Corpo de Bombeiros

O Corpo de Bombeiros na Operação Férias, em Aruanã, foram chamados para atender uma emergência na Praia do Cavalo 1, onde uma mulher de 39 anos foi ferida por uma arraia durante um momento de lazer com amigos.

A vítima, que não teve sua identidade revelada, estava acampada na área quando o incidente ocorreu. Após o rápido atendimento da corporação, ela foi prontamente encaminhada ao hospital da cidade para receber tratamento médico especializado. A ferroada de arraia é conhecida por sua dor intensa e requer intervenção médica imediata para evitar complicações.

JORNAL DO VALE – Muito mais que um jornal, desde 1975 – www.jornaldovale.com

Siga nosso Instagram – @jornaldovale_ceres

Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a redação do JORNAL DO VALE, através do WhatsApp (62) 98504-9192

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Menino barrado em bloqueio e que poderia perder a visão passa por cirurgia em Cuiabá
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA