Dólar cai para R$ 5,11 com exterior e Copom

Publicados

O alívio no exterior e o fim do ciclo de alta dos juros no Brasil fizeram o dólar ter forte queda e aproximar-se de R$ 5,10. A bolsa de valores teve forte alta e fechou acima dos 114 mil pontos pela primeira vez desde abril.

O dólar comercial encerrou esta quinta-feira (22) vendido a R$ 5,114, com recuo de R$ 0,059 (-1,14%. A cotação chegou a passar de R$ 5,18 no fim de manhã e o início da tarde, mas caiu em meio à entrada de fluxos externos.

A moeda norte-americana está no menor valor desde o último dia 12, quando tinha fechado a R$ 5,09. A divisa acumula queda de 1,69% em agosto e 8,29% em 2022. No menor nível em 20 anos perante o dólar, o euro comercial fechou a R$ 5,032, em meio às preocupações com a guerra na Ucrânia e a alta da inflação no continente.

No mercado de ações, o dia também foi de otimismo. Embalado pelo fim da alta de juros no Brasil, o índice Ibovespa, da B3, fechou aos 114.070 pontos, com alta de 1,91%. O indicador está no maior nível desde 20 de abril.

Leia Também:  OCDE convida Brasil a aderir a códigos de liberalização financeira

Exceto na zona do euro, o mercado financeiro internacional teve um dia de alívio após o Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) elevar os juros básicos dos Estados Unidos em 0,75 ponto percentual. A confirmação das previsões da maioria dos analistas reduziu as pressões sobre o dólar e fez investidores venderam a moeda para embolsarem os lucros das últimas semanas.

Os países emergentes foram beneficiados pela alta das commodities (bens primários com cotação internacional). Com o agravamento das tensões entre a Rússia e a Ucrânia, o preço de diversas commodities voltou a subir nesta quinta-feira, beneficiando os exportadores de produtos primários.

No Brasil, o fim do ciclo de alta da Selic (juros básicos da economia) favoreceu a bolsa. A manutenção da taxa em 13,75% ao ano estimulou a migração de investimentos em renda fixa, com risco mais baixo, para o mercado de ações, que tem risco maior. Paralelamente, os juros altos, que continuam no maior nível desde 2017, continuam favorecendo a entrada de capitais externos, mesmo tendo parado de subir.

Leia Também:  Treinamento para o autoconhecimento e desenvolvimento

* com informações da Reuters

Edição: Bruna Saniele

Fonte: EBC Economia

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ECONOMIA

Índice da Confiança da Construção cresce 3,5 pontos em setembro

Publicados

em

O Índice de Confiança da Construção (ICST) calculado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV-Ibre) avançou 3,5 pontos em setembro e alcançou 101,7 pontos. É o maior nível desde novembro de 2012, quando ficou em 102,3 pontos. A alta no acumulado do ano atingiu 5 pontos. Já nas médias móveis trimestrais, o índice registrou elevação de 1,4 ponto.

De acordo com o Ibre, a melhora das avaliações sobre o momento atual e das perspectivas para os próximos meses contribuíram para o resultado no mês. O Índice de Situação Atual subiu 1,3 ponto e atingiu 97,7 pontos. Desde janeiro de 2014, quando ficou em 98,3 pontos, não tinha nível tão alto.

Na avaliação dos pesquisadores, a variação resulta, principalmente, de uma percepção mais favorável dos empresários sobre a situação atual dos negócios. Esse indicador subiu 1,8 ponto, passando para 98 pontos. Outro aumento foi registrado no indicador que mede volume da carteira de contratos (0,9 ponto), que com o desempenho atingiu 97,4 pontos.

O Índice de Expectativas (IE-CST) subiu 5,6 pontos chegando a 105,7 pontos. A alta, segundo o Ibre, teve impacto do otimismo em relação à tendência dos negócios nos próximos 6 meses e da demanda no curto prazo, cujos indicadores avançaram 8,8 ponto e 2,5 pontos para 106,1 pontos e 105,3 pontos, respectivamente.

Leia Também:  Treinamento para o autoconhecimento e desenvolvimento

Capacidade

Com a variação de 0,3 ponto percentual (p.p), atingindo 78%, o Nível de Utilização da Capacidade (Nuci) da Construção ficou relativamente estável, como também o Nuci de Mão de Obra, que se manteve aos 78,9%. Já o Nuci de Máquinas e Equipamento variou 0,5 ponto percentual para 73,2%.

Ainda em setembro, 26,1% dos empresários continuaram apontando o custo da matéria-prima como a principal limitação à melhoria dos negócios. Apesar de ainda ser um patamar muito superior ao período pré-pandemia, já representa uma queda expressiva após alcançar um recorde 40% de citações em 2021, o que reflete o movimento de desaceleração de alta nos preços dos materiais no período. Se comparado a setembro de 2021, a queda é de 11,5 pontos percentuais.

A coordenadora de Projetos da Construção do FGV-Ibre, Ana Maria Castelo, considerou bastante significativa a indicação de melhora do ambiente de negócios da construção em setembro.

Para ela, o índice de confiança ultrapassou a marca de neutralidade, revelando a prevalência de um sentimento de otimismo. A coordenadora ressaltou que nem todos os segmentos setoriais avançaram na mesma direção, mas no segmento de Edificações houve uma recuperação importante, que mostra um sentimento de confiança semelhante ao alcançado no início de 2014.

Leia Também:  OCDE convida Brasil a aderir a códigos de liberalização financeira

“O resultado da sondagem de setembro fortalece as projeções de um crescimento vigoroso para a construção em 2022, impulsionado pelo ciclo de negócios das empresas. No entanto, os desafios para a continuidade desse crescimento permanecem ante as fragilidades fiscais, que devem comprometer os investimentos públicos e a perspectiva da manutenção das taxas de juros elevadas por muito mais tempo”, disse.

Edição: Fernando Fraga

Fonte: EBC Economia

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA