Justiça

Em Goiânia, júri condena dois dos três réus acusados de matar advogados

Nei Castelli e Cosme Lompa Tavares a 21 anos, 10 meses e 15 dias de reclusão – sem direito de recorrer da decisão em liberdade.

Publicados

Em Goiânia, júri condena dois dos três réus acusados de matar advogados. Foto: Reprodução

Chegou ao fim na noite desta quarta-feira (31) o julgamento dos três acusados de matar os advogados Marcus Aprígio Chaves e Frank Alessandro Carvalhães de Assis em Goiânia. Na decisão, a 1ª Vara Criminal dos Crimes Dolosos contra a Vida e Tribunal do Júri condenou Nei Castelli e Cosme Lompa Tavares a 21 anos, 10 meses e 15 dias de reclusão – sem direito de recorrer da decisão em liberdade.

Já Hélica Ribeiro Gomes, namorada de Pedro Henrique Martins Soares (autor do crime e já condenado a mais de 45 anos de prisão, em maio do ano passado, pelo duplo homicídio), foi absolvida. Quem conduziu os trabalhos foi o juiz Eduardo Pios Mascarenhas da Silva.

Relembre

O crime foi registrado dentro do escritório dos dois advogados, em outubro de 2020, no Setor Aeroporto. Nei Castelli foi o mandante do crime, e Cosme Lampa Tavares, o intermediário. O outro executor, Jaberson Gomes, foi morto pela Polícia Militar ainda em outubro de 2020.

Leia Também:  Acidente envolvendo três veículos deixa pessoas feridas na BR-153 entre Uruaçu e Campinorte

O crime foi motivado por uma ação de reintegração de posse que os advogados venceram contra Nei Castelli. Ele teria que pagar às vítimas R$ 4,6 milhões. O mandante, porém, prometeu aos jagunços R$ 100 mil caso saíssem impunes e R$ 500 mil caso fossem presos.

JORNAL DO VALE – Muito mais que um jornal, desde 1975 – www.jornaldovale.com

Siga nosso Instagram – @jornaldovale_ceres

Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a redação do JORNAL DO VALE, através do WhatsApp (62) 98504-9192

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

JUDICIÁRIO

Homem que matou ex-mulher encontrada em caixa-d’água em Minaçu é condenado a 18 anos de prisão

O crime que ocorreu em 2022 no assentamento rural Dom Roriz, na zona rural de Minaçu.

Publicados

em

Sidronio Alves de Lima, foi condenado a 18 anos de prisão. Foto: PC

Sidronio Alves de Lima, foi condenado a 18 anos de prisão pelo feminicídio de sua ex-mulher Neurice Araujo Torres Lima. O crime que ocorreu em 2022 no assentamento rural Dom Roriz, na zona rural de Minaçu e Sidronio foi denunciado pelo Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO).

A vítima foi Neurice Araujo Torres Lima.

Na acusação atuou o promotor de Justiça Daniel Venuto Pereira, em sessão presidida pela juíza Isabella Bitencourt. O réu foi sentenciado por homicídio qualificado, além de reconhecida a qualificadora do feminicídio. Na sentença, foi mantida sua prisão, sendo negado o direito de recorrer em liberdade.

Relembre o crime

De acordo com a denúncia, na madrugada de 11 de setembro de 2022, Sidronio foi até a casa da vítima, e, após chamá-la, entrou em luta corporal com ela, dando-lhe diversos golpes em seu rosto e braços. Por fim, mergulhou a cabeça da vítima em uma caixa d’água, fugindo em seguida.

Leia Também:  Caso Henry: prisão de Monique é mantida em audiência de custódia

Na manhã do dia 11, um mototaxista que havia combinado de buscar a vítima se deparou com o corpo seminu, deitado de bruços, com a cabeça submersa na caixa d’água.

Conforme o MP-GO, a vítima vivia aterrorizada e já vinha sofrendo ataques há algum tempo, havendo, inclusive, histórico de violência praticado pelo criminoso em relação à ex-mulher.

JORNAL DO VALE – Muito mais que um jornal, desde 1975 – www.jornaldovale.com

Siga nosso Instagram – @jornaldovale_ceres

Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a redação do JORNAL DO VALE, através do WhatsApp (62) 98504-9192

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA