Em projeto especial, vacinação em Serrana atingiu 23% do público

Publicados


A vacinação contra a covid-19 em Serrana, no interior paulista, atingiu neste domingo (21) 6.568 pessoas, ou 23,1% do público-alvo, de 28,4 mil habitantes. A imunização no município, iniciada no último dia 17, faz parte do Projeto S, liderado pelo Instituto Butantan, que pretende estudar o comportamento da pandemia de coronavírus em uma população inteira vacinada.

O município de Serrana foi escolhido para o projeto por apresentar alto índice de casos de covid-19 e ter população reduzida. A vacina aplicada é a CoronaVac, produzida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Butantan. A iniciativa é inédita no mundo.

A vacina será aplicada somente em moradores voluntários, com intervalo de quatro semanas entre as duas doses. Os resultados da pesquisa clínica deverão ser divulgados em maio.

Somente moradores de Serrana devidamente cadastrados participam da pesquisa. Menores de 18 anos, mulheres grávidas, ou que estejam amamentando, e pessoas que tiveram febre nas 72 horas anteriores não irão receber a vacina.

 

Edição: Nádia Franco

Leia Também:  Estudo mostra que mais de 90% da população desconhecem a psoríase
Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

SAÚDE

Consórcio para compra de vacinas tem adesão de 649 prefeituras

Publicados

em


O consórcio de municípios para compra de vacinas contra a covid-19 já teve manifestação de interesse de 649 prefeituras, segundo a lista divulgada hoje (3) pela Federação Nacional de Prefeitos (FNP). A iniciativa foi lançada na segunda-feira (1º) em uma reunião com cerca de 300 prefeitos.

As administrações municipais podem assinar o termo de intenção do consórcio até sexta-feira (5). A previsão é que a associação seja efetivamente instalada até o dia 22 de março. Deve ser ainda elaborado um modelo de projeto de lei para ser enviado às câmaras municipais para que as cidades participem das compras. 

A ideia é que as prefeituras possam comprar as vacinas caso o Plano Nacional de Imunização (PNI), coordenado pelo Ministério da Saúde, não seja capaz de suprir toda a demanda. “O consórcio não é para comprar imediatamente, mas para termos segurança jurídica no caso de o PNI não dar conta de suprir toda a população. Nesse caso, os prefeitos já teriam alternativa para isso”, explicou o presidente da FNP, Jonas Donizette, durante a reunião de lançamento da iniciativa. 

Leia Também:  Sete milhões de brasileiros são afetados por doença silenciosa ligada ao tabagismo

Estão sendo avaliadas formas de financiar a aquisição dos imunizantes. Há três possibilidades principais: recursos do governo federal; financiamento por organismos internacionais e doações de investidores privados brasileiros.

A lista de prefeituras que demonstraram intenção de aderir ao consórcio está disponível na página da FNP.

Edição: Fernando Fraga

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA