Em reunião do G20, Guedes diz que recuperação do Brasil surpreende

Publicados


A recuperação da economia brasileira desde o impacto inicial da pandemia do novo coronavírus surpreende e tem superado as expectativas internacionais, disse hoje (20) o ministro da Economia, Paulo Guedes. Ele participou da reunião dos ministros de Finanças do G20 – grupo que reúne as 20 maiores economias do planeta.

Em discurso, Guedes ressaltou as medidas de emergência aplicadas pelo governo para enfrentar a crise econômica provocada pela pandemia. Segundo ele, ações como o auxílio emergencial para as populações mais vulneráveis e o programa de suspensão de contratos de trabalho e de redução de jornada contribuíram com a preservação de milhões de vagas de emprego e com a retomada da produção.

O ministro reiterou o compromisso com a defesa das reformas estruturais após o fim da pandemia. Para Guedes, a retomada dessa agenda viabiliza a recuperação econômica sustentada com a participação plena do setor privado. Em linha com os demais países, o ministro defendeu a promoção de uma agenda que amplie os investimentos em economia digital e em infraestrutura sustentável.

Reunião de cúpula

Amanhã (21) e domingo (22), Guedes acompanhará o presidente Jair Bolsonaro na Reunião de Cúpula do G20, sob a presidência da Arábia Saudita.

Leia Também:  Confiança de serviços volta a cair depois de cinco altas, diz FGV

Os chefes de Estado e de Governo assinarão uma declaração de líderes com diversas ações do grupo. Entre as principais iniciativas, estão o Plano de Ação do G20 para apoiar a economia internacional durante a pandemia de covid-19, a suspensão do serviço da dívida externa de países mais pobres, o apoio à tecnologia no setor de infraestrutura e a tributação da economia digital.

Segundo o Ministério da Economia, as medidas ajudarão economias em desenvolvimento em situação financeira mais vulnerável por causa da pandemia. A participação de Guedes nos dois dias de encontro será fechada à imprensa.

No próximo ano, a Itália assumirá a presidência do G20, sob o lema “Pessoas, Planeta e Prosperidade”.

Edição: Fábio Massalli

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ECONOMIA

Agropecuária cai no trimestre, mas mantém influência positiva no PIB

Publicados

em


A agropecuária, que registrou queda de 0,5% no Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre, apresentou também taxas interanuais positivas, e a expectativa é de crescimento da atividade neste ano, como ocorreu no ano passado e em 2018.

Segundo a coordenadora de Contas Nacionais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Rebeca Palis, entre as três grandes atividades da economia brasileira, a agropecuária é a menos prejudicada pela pandemia de covid-19.

Para o resultado do ano, espera-se crescimento de 7,1% da soja, principal lavoura do país. O que ocorreu no terceiro trimestre é que o desempenho da agropecuária foi influenciado pela safra do produto, que é concentrada no primeiro e segundo trimestres do ano.

Se for considerada a taxa interanual, a agropecuária cresceu mais no primeiro e segundo trimestres do ano do que cresceu agora. “Esse 0,5% de queda, que também não é muito entre o terceiro e o segundo, e se explica pela saída da safra da soja, que fez com que a agropecuária caísse um pouquinho no terceiro em relação ao segundo, mas, no acumulado do ano, é a única das três atividades econômicas [agropecuária, indústria e serviços], que tem crescimento neste ano em relação ao ano passado”, observou Rebeca.

Recuperação

De acordo com Rebeca, no resultado geral, o crescimento de 7,7% do PIB no terceiro trimestre não cobriu as perdas provocadas pela pandemia no segundo trimestre deste ano, por causa do desempenho dos serviços, que, apesar de terem avançado 6,3% de julho a setembro, ainda não tiveram recomposição do impacto da pandemia.

A economista lembrou que a atividade agropecuária colabora com três quartos da economia brasileira e destacou que, mesmo que tenham acabado as restrições em quase todo o país, nem a oferta, nem a procura voltaram aos patamares pré-pandemia, porque as pessoas continuam receosas. Como serviços têm peso e impacto muito grandes nos gastos e no consumo das famílias, “a gente e vai ver tudo encadeado na economia”, disse Rebeca.

Leia Também:  2015 teve 1.047 concessionárias fechadas e 32.000 demitidos

De acordo com a economista, esse movimento provocou impacto também no aumento da poupança, porque as pessoas com mais renda estão conseguindo poupar mais. As de renda mais baixa estão no grupo que foi o principal beneficiado pelo auxílio direto do governo às famílias. “O consumo delas não é tanto de serviços, mas, nas de renda mais alta, é bastante de serviço. Como nesses serviços, a oferta e a demanda caíram bastante no período e não voltaram aos patamares anteriores, isso afetou também poupança. Dá para ver o efeito encadeado na economia. Este é um dos motivos pelos quais ainda não voltamos ao patamar pré-pandemia, principalmente, pelos serviços, até pelo peso relevante, que tem na economia brasileira”, completou.

Rebeca Palis ressaltou que, além de não recuperar o patamar do fim de 2019, quando estava em crescimento, mesmo com o avanço de 7,7% no terceiro trimestre, o desempenho da economia brasileira ainda está 4,1% abaixo do registrado no mesmo trimestre do ano passado. “Em relação à série histórica, estamos no mesmo patamar de 2017, ou então, olhando para o patamar antes da crise de 2015 e 2016, ainda estamos em 2010. No patamar de 2012, a gente estava antes de começar a pandemia.”

Um dos destaques positivos do último trimestre foi o crescimento de 14,8% da indústria, especialmente a de transformação, que recuperou o patamar do primeiro trimestre. Indústria e comércio foram as duas atividades que votaram ao patamar dos primeiros três meses deste ano. “Aí influenciadas pela indústria de alimentos e bebidas, e também a farmacêutica, que influenciou positivamente nos dois casos. No terceiro trimestre, houve recuperação também na parte de bens duráveis, eletrodomésticose móveis, tanto na produção como no comércio.

Leia Também:  Pesquisa revela melhora na sinalização de rodovias no Brasil

Por outro lado, as atividades econômicas mais afetadas pela pandemia também cresceram de julho a setembro, mas não voltaram ao nível pré-pandemia o que é até totalmente explicado, porque são atividades de serviços e que requerem presença. Aí, a demanda caiu muito. Mesmo com funcionamento permitido, existe uma queda natural pelas restrições em época da pandemia, em atividades como, por exemplo, o transporte de passageiros, de serviços, com foco nas famílias, como alojamento, alimentação, salão de beleza, cinema, academia e etc, disse Rebeca.

Setor externo

As exportações de bens e serviços caíram 2,1%, e as importações de bens e serviços recuaram 9,6% em relação ao segundo trimestre.

Segundo Rebeca Palis, um dos fatores é o câmbio. “A importação cai devido à baixa atividade econômica e ao câmbio desvalorizado. Por outro lado, a exportação não cresceu devido aos problemas de parceiros comerciais. Além da queda na importação e exportação de serviços como viagens internacionais, que despencaram, assim como transporte aéreo de passageiros”, afirmou a economista, destacando que o setor externo está contribuindo positivamente para a economia brasileira, apesar da demanda interna.

Edição: Nádia Franco

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA