Exposição da fotógrafa chilena Paz Errázuriz pode ser vista em SP

Publicados


O Instituto Moreira Salles (IMS) reabriu na Avenida Paulista, região central da capital, com uma exposição da fotógrafa chilena Paz Errázuriz. O espaço estava fechado há quase sete meses, desde o início da pandemia, e voltou a funcionar nesta semana, com a flexibilização da quarentena na cidade de São Paulo. A mostra traz 150 imagens e faz uma retrospectiva da trajetória da artista.

Autodidata, Errázuriz começou a trabalhar com fotografia na década de 1970, após abandonar a carreira de professora primária devido a ascensão da ditadura de Augusto Pinochet. Em 1981, fundou a Associação de Fotógrafos Independentes que documentou as manifestações e outras expressões de resistência contra o regime.

Manicômio e transexuais

Exposição da fotógrafa chilena Paz Errázuriz em reabertura do Instituto Moreira Salles - IMS, na Avenida Paulista.Exposição da fotógrafa chilena Paz Errázuriz em reabertura do Instituto Moreira Salles - IMS, na Avenida Paulista.

Exposição da fotógrafa chilena Paz Errázuriz em reabertura do Instituto Moreira Salles – IMS, na Avenida Paulista. – Rovena Rosa/Agência Brasil

Apesar da importância da cobertura desses fatos, Errázuriz voltou sua produção a trabalhos autorais em que estabelece relações com comunidades muitas vezes estigmatizadas. Frequentou por um longo período o hospital psiquiátrico Philippe Pinel de Putaendo, a 200 quilômetros da capital chilena, Santiago.

Leia Também:  PF investiga fraudes em certificados de fiscais e gestores do Ibama

Na década de 1990, após estabelecer vínculos afetivos com as pessoas internadas, produziu O infarto da alma, ensaio em que retrata os casais que se formam ao longo dos anos no manicômio. Algum tempo depois, publicou Antessala da nudez, em que os pacientes são retratados no espaço para banho, mostrando a violência das instituições psiquiátricas que amontoavam pessoas apartadas da sociedade sob o estigma da loucura.

Em O pomo de adão, a fotógrafa registrou o cotidiano de transexuais que trabalhavam em bordeis de Santiano e Talca. Os registros mostram um pouco do dia a dia: se preparando para o trabalho, caminhando pelas ruas e os locais onde dormiam.

Visitação e segurança

Exposição da fotógrafa chilena Paz Errázuriz em reabertura do Instituto Moreira Salles - IMS, na Avenida Paulista.Exposição da fotógrafa chilena Paz Errázuriz em reabertura do Instituto Moreira Salles - IMS, na Avenida Paulista.

Exposição da fotógrafa chilena Paz Errázuriz em reabertura do Instituto Moreira Salles – IMS, na Avenida Paulista. – Rovena Rosa/Agência Brasil

A exposição é gratuita e vai até o dia 3 de janeiro. É preciso agendar a visita pela página do instituto

“A gente ainda está vivendo a pandemia e a gente fez adaptações para seguir os protocolos e fazer uma experiência segura para todos, funcionários e visitantes”, enfatiza a coordenadora do IMS Paulista, Joana Reiss Fernandes. 

Leia Também:  Motorista descarrega 5,5 mil tijolos com ajudante e deixa caminhão “preso”; Veja vídeo

Além dos horários marcados, os visitantes precisam usar máscara e foram feitas adaptações para a circulação dentro do prédio. “Para que as pessoas circulem pelo prédio sem se cruzar muitas vezes, garantir o distanciamento adequado. Então, a gente criou um percurso único”, acrescenta.

Mesmo com as mudanças, ainda é possível aproveitar a vista da Avenida Paulista na varanda do edifício, ponto onde grande parte do público aproveita para tirar fotos. “As pessoas podem tirar selfie de máscara. A gente pede que as pessoas façam isso na saída. Com o agendamento de horário, a gente consegue garantir poucas pessoas circulando pelo prédio ao mesmo tempo”, diz Joana.

Ela também pede para que o público evite levar mochilas e bolsas grandes, porque, devido aos protocolos de segurança, o guarda-volumes está fechado.

Edição: Lílian Beraldo

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

GERAL

Lava Jato: Polícia Federal cumpre mandados por fraudes na Petrobras

Publicados

em


Policiais federais cumprem hoje (20) sete mandados de busca e apreensão na 77ª fase da operação Lava Jato, no Rio de Janeiro e em Niterói. Chamada de operação Sem Limites IV, a ação investiga fraudes na gerência executiva de marketing e comercialização da antiga diretoria de abastecimento da Petrobras.

Segundo informações da Polícia Federal (PF), as fraudes ocorriam em negociações de óleos combustíveis e derivados de petróleo entre a empresa brasileira e companhias estrangeiras.

Ainda segundo a PF, um funcionário da Petrobras gerava artificialmente demandas que justificassem novas operações de compra e venda desses produtos. Nessas negociações, eram pagas comissões a intermediários envolvidos, que repassavam aos funcionários da Petrobras por meio de propinas.

As investigações são um desdobramento de colaborações premiadas de investigados na 57ª fase da Lava Jato, desencadeada em dezembro de 2018. Pelo menos seis novos agentes públicos foram identificados como participantes do esquema ilegal.

Edição: Kleber Sampaio

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Aulas presenciais do ensino fundamental só em novembro, diz Doria
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA