Medida Provisória 1175 promete impulsionar vendas de veículos 0km

Publicados


Serão R$ 500 milhões para veículos leves, R$ 700 milhões para caminhões e R$ 300 milhões para ônibus e vans
Divulgação

Serão R$ 500 milhões para veículos leves, R$ 700 milhões para caminhões e R$ 300 milhões para ônibus e vans

Em meio ao cenário de insegurança e vendas em baixa, a tão aguardada Medida Provisória 1175 – que tem como objetivo principal incentivar o mercado de veículos em geral e que passa a valer a partir de hoje (6) – vem numa boa hora para a indústria.

O texto que foi assinado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi publicado no Diário Oficial da União desta terça-feira (6) e vai estabelecer descontos nos preços, patrocinado pelo governo, para facilitar a compra de veículos mais sustentáveis por pessoas físicas e jurídicas.

Durante a coletiva de imprensa da Anfavea , o presidente Marcio de Lima Leite anunciou a bonificação de R$ 2 a R$ 8 mil por veículo leve, de R$ 33,6 mil a R$ 80,3 mil nos caminhões e de R$ 38 mil a R$ 99,4 mil nos ônibus e vans , dependendo da pontuação alcançada com critérios qualificadores.

Leia Também:  Pesquisa aponta: 70% dos veículos a GNV nunca passaram por inspeção

Entre estes parâmetros para darem direito aos descontos, serão levados em consideração pontos como a eficiência energética do veículo, o preço do bem e o conteúdo nacional dos componentes. Com relação aos caminhões e ônibus, o comprador precisará se desfazer de um veículo licenciado com mais de 20 anos de fabricação . Ele leva até a loja ou concessionária onde ele for pegar o modelo novo e o estabelecimento se encarregará de fazer o descarte do veículo velho.

Ainda segundo o executivo, serão R$ 500 milhões para veículos leves, R$ 700 milhões para caminhões e R$ 300 milhões para ônibus e vans , recursos que virão do governo para as montadoras bancarem os descontos, abatidos diretamente no valor final dos veículos.

“Estamos muito otimistas com as respostas dos consumidores, com a preservação do emprego e com o fortalecimento da indústria. É um programa inteligente porque inclui veículos leves levando em consideração três fatores: social ou descontos para o consumidor conforme o tipo de veículo, ambiental e densidade industrial , ou seja, a maior parte de componentes nacional”, explicou o Vice-Presidente da República Geraldo Alckmin que também esteve presente na coletiva virtual.

Leia Também:  Suzuki revela Katana com base na moto de corrida GSX-R1000 WSB

De acordo com o presidente da Anfavea , o programa é temporário e deve durar até 120 dias sendo que nos primeiros 15 dias a contar com hoje (6), o benefício dos descontos dos automóveis valerá apenas às pessoas físicas.

A bonificação de R$ 2 a R$ 8 mil será para a categoria de veículos leves
Divulgação

A bonificação de R$ 2 a R$ 8 mil será para a categoria de veículos leves

“É um grande desafio que estes R$ 500 milhões para automóveis leves, por exemplo, não vão ser suficientes para este período . Tomando como exemplo a nossa simulação de uma média de R$ 4,5 mil a R$ 5 mil por veículo para 100 mil a 110 mil unidades beneficiadas , este volume de recurso não será suficiente para 120 dias”, pondera Leite.

Ainda de acordo com o executivo, na prática, ou o programa durará bem menos que 120 dias para estes veículos leves ou o governo colocará mais recursos no programa.

“Na legislação do programa da Medida Provisória 1175 são 120 dias, mas, na prática, nós não teremos, certamente, 120 dias , talvez um mês ou um pouco mais de 1 mês”, finaliza Leite.

Fonte: Carros

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

CARROS E MOTOS

Fomos à Serra Gaúcha conferir um Rally de motonetas clássicas

Publicados

em

Ainda bem cedo, os competidores se dirigem à largada. A temperatura esteve próxima do zero
Divulgação

Ainda bem cedo, os competidores se dirigem à largada. A temperatura esteve próxima do zero

Neste último fim de semana fui até o Rio Grande do Sul acompanhar a terceira etapa do Campeonato Brasileiro de Rally de Regularidade Histórica , promovido pela Federação Brasileira de Veículos Antigos – FBVA. A etapa chama-se Rally dos Vinhedos e é organizada pelo Veteran Car Club dos Vinhedos , sediado no município de Bento Gonçalves , na Serra Gaúcha.

Só o fato de estar em uma região tão bela, tão bem dotada pela natureza, já vale qualquer dificuldade em chegar, visto que fica no extremo sul do país, região que é bem conhecida pelas baixas temperaturas , especialmente no inverno. Mas é justamente isso que faz do lugar um destino tão desejado.

O Rally dos Vinhedos está comemorando sua décima edição, reunindo 129 veículos antigos e clássicos para um passeio cronometrado pelas estradas da região, passando por municípios como Bento Gonçalves, Garibaldi, Carlos Barbosa, Pinto Bandeira e Santa Tereza. O mais interessante foi a participação de 13 intrépidos pilotos de motonetas clássicas , que enfrentaram a temperatura de quase zero grau no momento da largada.

As motonetas cruzaram alguns centros urbanos durante o percurso
Divulgação

As motonetas cruzaram alguns centros urbanos durante o percurso

Leia Também:  Salão Veículo Elétrico  Latino-Americano é aberto em SP com novidades

E mais, diferentemente dos automóveis, que têm um piloto e um navegador, que além de lhe fornecer a velocidade ideal para cada trecho também indica o caminho a ser seguido, no scooter o piloto faz sozinho todos os trabalhos.

Claro, sendo um rally de veículos antigos , essas motonetas, que atualmente são conhecidas por scooters , são de época, de um tempo quando ainda não tinham esse apelido.

Dos 13 participantes, 11 deles pilotavam Vespa nacionais dos anos 80, que eram fabricadas em Manaus, AM, pela Piaggio . Os outros dois pilotavam Lambretta Li 150 , fabricadas nos anos 60. Vespa e Lambretta eram (e são) eternos rivais nesse segmento dos veículos de duas rodas.

Um rally de regularidade , que também pode ser chamado de passeio cronometrado, avalia a capacidade do piloto em manter as médias de velocidade pré-estabelecidas, que figuram na planilha com o roteiro. Quanto mais próximo o tempo de passagem pelos vários pontos de controle distribuídos pelo percurso, menos pontos o participante perde. No final, quem perder menos pontos, de acordo com um regulamento complexo, vence a prova.

Leia Também:  Great Wall apresenta SUV cupê híbrido Haval H6 GT no Brasil

Entre as motonetas, o vencedor foi André Sain, de Bento Gonçalves, pilotando (e navegando) a Vespa PX 200 1986 de número 21. André teve 78 pontos perdidos nessa etapa.

O vencedor André Sain, com sua Vespa PX 200 1986
Divulgação

O vencedor André Sain, com sua Vespa PX 200 1986

Em segundo lugar chegou Daniel Orso, também de Bento Gonçalves, com a Vespa PX 200 Elestart 1987 de número 24, com 84 pontos perdidos. Em terceiro lugar ficou Rodrigo Nenini, de Garibaldi, com a Vespa PX 200 1986 de número 22, com 123 pontos perdidos.

Fonte: Carros

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA