Mustang Shelby GT350 1965 parado por décadas é achado em casa nos EUA

Publicados


source


Mustang Shelby GT350 1965: raridade encontrada em celeiro logo será restaurada e vendida por uma pequena fortuna nos EUA
Reprodução

Mustang Shelby GT350 1965: raridade encontrada em celeiro logo será restaurada e vendida por uma pequena fortuna nos EUA

Um carro antigo abandonado em um celeiro não é lá muita novidade nos EUA, ainda mais por se tratar do Ford Mustang, um dos pony-cars mais populares daquele país, porém se for um Shelby GT350 de 1965, considerado um dos mais raros do mercado, a ‘coisa muda de figura’.

Contabilizando só 562 unidades feitas, o Shelby GT350 de 1965 aponta surpreendentes 46.671 km e foi descoberto em um celeiro abandonado no final de 2021 e só tirado neste ano com a aparência até que condizente,levando em conta o tempo que ficou ‘hibernado’.

Pelas imagens, é possível ver que o Shelby parece estar em boas condições. A pintura descascou e há ferrugem na superfície da maioria dos painéis da carroceria, mas o carro está inteiro e parece estar completo.

Mustang Shelby GT350 1965 . Foto: Reprodução

Leia Também:  Mini Countryman SE Hybrid All4 Top 1.5: um exemplo de eficiência

Mustang Shelby GT350 1965 . Foto: Reprodução

Mustang Shelby GT350 1965 . Foto: Reprodução

Mustang Shelby GT350 1965 . Foto: Reprodução

Mustang Shelby GT350 1965 . Foto: Reprodução

Mustang Shelby GT350 1965 . Foto: Reprodução

Mustang Shelby GT350 1965 . Foto: Reprodução

Mustang Shelby GT350 1965 . Foto: Reprodução

O bom e velho motor V8 289 parece que “já falou mais alto’, mas em breve deve passar por uma completa revisão para reanimar os 306 cv, mas com uma equipe profissional e experiente, espera-se que logo esta lenda volte a brilhar pelas estradas norte-americanas.

Segundo o site norte-americano Autoevolution , “não há informações de como este GT350 acabou passando décadas nesta garagem. Da mesma forma, não há nada sobre quando e por que esta casa foi abandonada com um carro tão valioso dentro”.

Leia Também

Leia Também

Leia Também

Leia Também

Seja como for, trata-se de um modelo original conforme o canal “American Mustangs” do YouTube e seu novo dono levou cerca de dois meses para fechar um acordo para o GT350. Veja um vídeo do carro já em pleno funcionamento.

O Shelby GT 350

Ford Mustang Shelby: esportivo americano é um dos mais cobiçados dos EUA até os dias atuais
Divulgação

Ford Mustang Shelby: esportivo americano é um dos mais cobiçados dos EUA até os dias atuais

O GT350 de 1965 foi a primeira colaboração da Ford com Carroll Shelby . Essencialmente um Ford Mustang preparado para pista, o GT350 de 1965 veio com um 289 V8 reforçado bom para 306 cv de potência .

Leia Também:  Conheça detalhes da clássica Triumph Tiger T100 1947

Todos os carros foram acabados em Wimbledon White com listras Guardsman Blue e a maioria apresentava saídas de escape laterais. Shelby montou 562 carros, 37 dos quais eram carros de corrida GT350R completos.

Hoje um Ford Mustang Shelby GT 350 1965 está avaliado, em aproximadamente, US$ 300.000, ou cerca de R$ 1.660.290 . Já no caso de modelos de concurso, o valor pode ultrapassar os US$ 600.000 , ou a quantia de, incríveis R$ 3.320.580 .

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

CARROS E MOTOS

Conheça a história da Chevrolet Caravan

Publicados

em

source


Chevrolet Caravan: teve versão esportiva logo nos primeiros anos de produção, em meados doa anos 70
Divulgação

Chevrolet Caravan: teve versão esportiva logo nos primeiros anos de produção, em meados doa anos 70

Baseado no Chevrolet Opala, a Caravan também se tornou um dos grandes sucessos da General Motors Corporation . Na Europa, a perua foi fabricada pela alemã Opel como Rekord Caravan, nas versões de duas e quatro portas.

O ano era 1966 quando as primeiras unidades começaram a ser entregues aos proprietários. Denominado de Rekord C , tanto a configuração sedã (duas e quatro portas) quanto a perua substituíam o modelo B de 1965 de 1,9 litro, de quatro cilindros, utilizado mais tarde no esportivo  Opel GT.

Aliás, a série C é bem popular no Brasil. Por aqui, o Opala foi lançado pela General Motors em 1968, durante uma apresentação feita no VI Salão do Automóvel de São Paulo.

O sucesso foi tanto que logo nos primeiros anos, o carro já era o mais novo sonho de consumo do brasileiro . Até o final de sua produção em 1992, foram vendidas mais de um milhão de exemplares.

A durabilidade de seus componentes mecânicos, o conforto e a inconfundível e elegante carroceria fizeram da linha Opala um dos veículos mais cobiçados até os dias atuais.

Propaganda da dupla Opala e Caravan modelos mais sofisticados que a GM podia oferecer no Brasil
Divulgação

Propaganda da dupla Opala e Caravan modelos mais sofisticados que a GM podia oferecer no Brasil

Para o ano de 1975, surgia a maior revolução da linha Opala/Caravan coincidindo com os 50 anos da GM. A nova linha recebia uma nova frente e traseira, de estilo mais atualizado, capô com vincos acentuados, setas localizadas agora nas extremidades dos para-lamas dianteiros, nova grade, e lanternas redondas duplas, de estilo semelhante as do esportivo  Corvette.

Leia Também:  Mercedes-Benz Actros é mais equipado que carros de luxo

Junto com o Opala , a sua variante perua  também estreava a linha 1975. Denominada de Caravan , a perua só tinha a opção de três portas ao contrário da Opel Rekord Caravan , além dos motores de quatro e seis cilindros.

Assim como o Opala , a Caravan era idêntica aos seus precursores Opel Rekord, com exceção das quatro portas neste último, é claro. Para-choques, grade e adereços também eram diferentes.

A Chevrolet Caravan , assim como o Opala, eram oferecidos em duas versões, a de 2,5 litros e a de 4,1 litros, Standard e Comodoro, respectivamente.

Por fora, o desenho era bastante harmonioso. Atrás, as lanternas traseiras eram as mesmas do Opala e a placa de licença era posicionada no para-choque, causando uma linha mais limpa na tampa traseira.

De tão esquecida, chega a ser difícil encontrar conteúdo sobre a Chevrolet Caravan Silverstar na internet
Divulgação

De tão esquecida, chega a ser difícil encontrar conteúdo sobre a Chevrolet Caravan Silverstar na internet

O espaço para bagagens era o ponto forte da Caravan , comportava bons 380 litros. Em 1977, tanto o Opala quanto a Caravan , na versão Comodoro contava com o motor de quatro cilindros, além da opção do antigo de seis cilindros, oferecido opcionalmente.

Três anos após o lançamento da Caravan , a GM completava 500 mil unidades produzidas, a linha Comodoro 78 passava a contar com o interior monocromático nas opções de cores, marrom, preta e vinho.

Além do aconchegante interior, o painel ficou mais requintado , contando com um conta-giros, dois pares de faróis de neblina (um posicionado na grade e o outro embaixo do para-choque) e um relógio analógico.

A vitaminada versão SS contava com o motor 250-S de 148 cv , alimentado por um carburador de corpo duplo. Esteticamente, a SS era diferenciada pelas rodas de seis polegadas, faixa preta decorativa nas laterais e no capô, faróis auxiliares e espelhos retrovisores esportivos pintados na cor do veículo.

Leia Também:  Mini Countryman SE Hybrid All4 Top 1.5: um exemplo de eficiência

Linha 1980 recebia um desenho mais limpo e harmônico

Precisava de espaço para as malas? Queria viajar? Nada superava a Caravan nesses quesitos
Divulgação

Precisava de espaço para as malas? Queria viajar? Nada superava a Caravan nesses quesitos

Para 1980, a linha Opala ganhava uma reestilização. Na perua Caravan , a grande modificação era notada pelas lanternas de formato trapezoidal. A frente recebia faróis retangulares, grade mais atual e limpa, além de um capô mais acentuado.

Os para-choques, por sua vez, tornavam-se maiores e ganhavam uma faixa de borracha, sendo que na versão SS estes eram pintados na cor da carroceria. Em outras palavras, um carro mais atual. No mesmo ano, a GM disponibilizava a versão topo de linha Diplomata que contava com um acabamento mais primoroso e rodas de alumínio de série.

Em 1985, a linha contava com algumas mudanças, desta vez mais sutis. No conjunto mecânico não houveram alterações. No ano seguinte, a Caravan Diplomata recebia a opção de pintura de dois tons, a saia e blusa e algumas alterações irrelevantes.

Novas mudanças só viriam na linha 1988. Os faróis e grade criavam uma linha mais harmônica ao conjunto. A versão SL estreava na linha como modelo de entrada e, além dela, havia a Comodoro SL/E e a luxuosa Diplomata SE que contavam com saídas do ar condicionado no túnel traseiro, ajuste de coluna de direção, alarme sonoro dos faróis ligados, trio elétrico, temporizador do facho dos faróis, entre outros mimos.

Chevrolet Caravan tem bom espaço interno, principalmente no porta-malas, como uma boa perua
Divulgação

Chevrolet Caravan tem bom espaço interno, principalmente no porta-malas, como uma boa perua

Internamente, o painel era o mesmo das linhas anteriores. Apenas o volante, novos grafismos, e padronagem dos tecidos compunham a nova linha.

Em 1991, a Caravan recebia uma nova cara, considerada por muitos aficionados como a melhor série de todos os tempos de produção. Para-choques envolventes e janelas sem quebra-vento, rodas de aro 15 com pneus 195/65. No conjunto mecânico, os freios a disco nas quatro rodas e direção hidráulica (ZF Servotronic) passavam a contar como um item de série na Diplomata SE

Com um sucesso acompanhado do Opala , a Caravan se despedia da sua linha de montagem em São José dos Campos (SP) em 1992, mais precisamente no dia 16 de abril de 1992, sendo que a última delas, foi uma Caravan ambulância.

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA