Saúde

OMS recomenda mudança do nome de varíola dos macacos para mpox

Publicados

A Organização Mundial de Saúde (OMS) divulgou hoje (28) um comunicado recomendando a adoção do nome mpox para a varíola dos macacos. Segundo a entidade, a alteração é importante para evitar o uso de linguagem racista e estigmatizante. Determinadas comunidades têm reclamado do uso do nome da doença de maneira depreciativa e racista.

“Em vários encontros, públicos e privados, um número de indivíduos e países aumentaram suas preocupações e pediram à OMS para propor uma maneira de mudar o nome”, disse a organização, em nota. A proposta é que, por um período de 1 ano os dois nomes sejam usados até que varíola dos macacos seja abandonado.

A escolha por mpox se deu por poder ser usado em vários idiomas. “A OMS adotará o termo mpox em suas comunicações e encorajará outros a seguirem essas recomendações, para minimizar os atuais impactos negativos do atual nome e para adoção do novo nome”, acrescentou a entidade.

O atual nome da doença foi criado após o vírus ser descoberto em macacos, em 1970. Os sintomas mais comuns da varíola dos macacos são erupção cutânea ou lesões espalhadas pela pele; adenomegalia/linfonodos inchados, também conhecidos como ínguas; dor de cabeça; calafrios e fraqueza.

Leia Também:  Covid-19: País receberá este mês 35 milhões de doses a mais de vacina

Edição: Fernando Fraga

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

SAÚDE

Ministério da Saúde recebe 1,8 milhão de doses da CoronaVac

Publicados

em

Mais 1,8 milhão de doses da CoronaVac foram entregues hoje (3) ao Ministério da Saúde pelo Instituto Butantan. O imunizante integra o Programa Nacional de Imunizações (PNI) para a vacinação do público pediátrico no país contra a covid-19. A produção é feita a partir do Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) importado da farmacêutica Sinovac, na China.

Segundo o instituto, essas doses fazem parte do quarto contrato de compra de 10 milhões de doses, feito no início de 2022. A estimativa é que, para a imunização com as duas doses previstas no esquema vacinal primário de CoronaVac para crianças da faixa etária de 3 a 5 anos, são necessárias cerca de 12 milhões de vacinas contra a doença.

No primeiro contrato do Ministério da Saúde com o Butantan, em setembro do ano passado, foram entregues 1 milhão de doses para o público infantil, após a aprovação do uso da CoronaVac pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O segundo acordo ocorreu em novembro, com a entrega de mais 1 milhão de doses. Nesse momento, foi registrada a suspensão de vacinação pediátrica em alguns estados por falta de imunizante.

Leia Também:  Outubro Rosa: Cai número de mamografias realizadas pelo SUS

No terceiro contrato, foram enviadas 750 mil doses no início de janeiro de 2023, já sob nova gestão no Ministério da Saúde.

Em janeiro de 2022, a CoronaVac foi aprovada pela Anvisa para a população menor de 18 anos, de 6 a 17 anos; e, em julho, o imunizante foi liberado para crianças com idade entre 3 e 5 anos.

Edição: Valéria Aguiar

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA