Orquestra Sinfônica Brasileira apresenta obra feita para redes sociais

Publicados


A Orquestra Sinfônica Brasileira (OSB) apresenta hoje (22), em concerto virtual, uma obra inédita de Antônio Ribeiro composta para ser executada nas redes sociais. Cantilena para ensemble de violoncelos fará parte do programa do terceiro concerto online da Série Clássica Brasileira, que contará também com obras de Villa-Lobos, Chiquinha Gonzaga, além de composições de autores estrangeiros.

“É uma estreia mundial”, diz o coordenador Artístico da OSB, Nikolay Sapoundjiev, sobre a obra do compositor brasileiro Antônio Ribeiro, escrita especialmente para este período de pandemia e de isolamento social. “A maior peculiaridade é que ela foi pensada para ser tocada nesse formato virtual, de gravação a distância. Eu acho que nunca antes os compositores pensaram que precisam escrever peças pensando nesse processo, que é bastante desafiador do ponto de vista logístico e tecnológico”. 

De acordo com Sapoundjiev, a obra contempla não apenas questões técnicas, mas as angústias desse período. O nome Cantilena foi escolhido por ser este um canto um pouco nostálgico e um pouco triste em certos momentos, refletindo a situação que estamos vivendo. O autor participou de uma conversa ao vivo na última terça-feira (20), onde explica a obra.

Leia Também:  Governo do Rio determina volta de servidores vacinados ao trabalho

Ocupar os palcos virtuais não é tarefa simples. A OSB tomou essa decisão devido às limitações a aglomerações impostas pela pandemia do novo coronavírus. Transferir as apresentações para as telas foi uma forma de manter o trabalho da orquestra. 

Sapoundjiev explica que são 18 etapas até chegar à gravação final. “É muito diferente da dinâmica do ensaio e do concerto [presencial], sem falar que todos os músicos gravam sozinhos, dentro das próprias casas, ouvindo, no fone, um áudio guia, com metrônomo. Todo o material é, depois, juntado, analisado, editado, mixado, masterizado e enviado para o vídeo. O processo em si é muito desafiador”, diz. 

O programa contará ainda com a execução de Trumpet voluntary, do inglês Jeremiah Clarke, interpretado por um quinteto de metais. A obra é tocada em grandes eventos, como casamentos da família real britânica. Além de Quarteto para cordas nº 11, de Heitor Villa-Lobos; e Atraente, de Chiquinha Gonzaga, entre outros. 

A apresentação será às 19h, no horário de Brasília, com transmissão pelos canais da OSB no Facebook  e no Youtube.  

Leia Também:  Brasileiro sem carro acha mais seguro usar bicicleta durante pandemia

OSB

A OSB foi fundada em 1940 e é reconhecida como um dos conjuntos sinfônicos mais importantes do país. É responsável por revelar talentos como Nelson Freire, Arnaldo Cohen e Antônio Menezes e é pioneira na criação de projetos de democratização da música de concerto, como o Aquarius e os Concertos da Juventude. Atualmente, é composta por mais de 70 músicos brasileiros e estrangeiros e tem uma programação regular de concertos, apresentações especiais e ações educativas.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

GERAL

MPF: preocupação é com prevenção de novos prejuízos na Cinemateca

Publicados

em


O Ministério Público Federal (MPF), que acompanha as consequências do incêndio ocorrido na noite de ontem (29) em um dos depósitos da Cinemateca Brasileira, informou que os prejuízos ainda estão sendo constatados e que a prioridade, no momento, é prevenir uma nova tragédia. O fogo atingiu o galpão da instituição localizado na Vila Leopoldina, na zona oeste de São Paulo.

“No atual momento devem ser priorizados o salvamento do material restante e a prevenção de nova tragédia. Só depois de finalmente implantada uma nova entidade gestora para a Cinemateca se deverá pensar na apuração de responsabilidades individuais, embora a Polícia Federal já esteja, cautelarmente, cuidando da perícia criminal no local, para ser investigada a causa do incêndio”, divulgou o órgão nesta tarde (30).

Em 15 de julho do ano passado, o MPF ajuizou ação civil pública com requerimento de medidas liminares emergenciais para a Cinemateca, então negadas pela Justiça Federal de primeira instância. No mês seguinte, a procuradoria entrou com recurso junto ao Tribunal Regional Federal da 3ª Região e, em dezembro do mesmo ano, parte das medidas emergenciais solicitadas foi deferida, em atendimento ao recurso. Segundo o MPF, diante disso, a União diminuiu sua postura litigiosa sobre o tema e se colocou mais disponível à conciliação.

Na ação, o MPF sustenta que houve um problema de má transição na gestão da Cinemateca, de 2019 para 2020, quando se encerrou o contrato com a Associação de Comunicação Educativa Roquette Pinto (Acerp), sem que a União desse continuidade aos trabalhos técnicos internos da instituição. “Tal transição está sendo finalmente implementada pela União, dentro de procedimento judicial de conciliação, com prazos e diretrizes estabelecidos por consenso e coordenados pelo juiz da causa”, acrescentou o órgão.

Leia Também:  Missão japonesa fará imagens em 8K de Marte e de suas duas luas

Manifesto

Uma rede de ex-funcionários da Cinemateca Brasileira afirmou, em manifesto divulgado hoje (30), que o incêndio no galpão da instituição foi “um crime anunciado” que resultou na perda de inúmeras obras e documentos da história do cinema brasileiro.

“Há mais de um ano denunciamos publicamente a possibilidade de incêndio nas dependências da Cinemateca pela ausência de quaisquer trabalhadores de documentação, preservação e difusão”, diz o documento. Os trabalhadores avaliam que muitas perdas poderiam ter sido evitadas se os trabalhadores estivessem contratados e participado da rotina da instituição.

O grupo fez um primeiro inventário do acervo armazenado no depósito incendiado que pode ter sido destruído ou danificado pelo incêndio que atingiu o galpão na última quinta-feira. Apesar de a maior parte do acervo estar guardada na sede da Cinemateca, localizada na zona sul da cidade, os trabalhadores avaliam que o material da Vila Leopoldina tinha igual relevância e importância.

Do acervo documental, o levantamento inclui grande parte dos arquivos de órgãos extintos do audiovisual, como parte do Arquivo Embrafilme – Empresa Brasileira de Filmes S.A. (1969 – 1990), parte do Arquivo do Instituto Nacional do Cinema – INC (1966 – 1975) e Concine – Conselho Nacional de Cinema (1976 – 1990), além de documentos de arquivo ainda em processo de incorporação. Parte do acervo de documentos oriundos do arquivo Tempo Glauber, do Rio de Janeiro, inclusive duplicatas da biblioteca de Glauber Rocha e documentos da própria instituição.

Leia Também:  Governo do Rio determina volta de servidores vacinados ao trabalho

Em relação ao acervo audiovisual, a potencial perda inclui parte do acervo da distribuidora Pandora Filmes, de cópias de filmes brasileiros e estrangeiros em 35mm; matrizes e cópias de cinejornais únicos, trailers, publicidade, filmes documentais, filmes de ficção, filmes domésticos, além de elementos complementares de matrizes de longas-metragens, todos estes potencialmente únicos; parte do acervo da ECA/USP – Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo da produção discente em 16mm e 35mm; parte do acervo de vídeo do jornalista Goulart de Andrade.

Do acervo de equipamentos e mobiliário de cinema, fotografia e processamento laboratorial, os trabalhadores afirmam que, além do seu valor museológico, muitos desses objetos eram fundamentais para consertos de equipamentos em uso corrente. Eles explicam que, para exibir ou duplicar materiais em película ou vídeo, é necessário maquinário já obsoleto e sem reposição no mercado.

Governo federal

A Secretaria Especial da Cultura disse que “lamenta profundamente” e acompanha de perto o incêndio que atinge o galpão da Cinemateca Brasileira. “Cabe registrar que todo o sistema de climatização do espaço passou por manutenção há cerca de um mês como parte do esforço do governo federal para manter o acervo da instituição”, disse em nota divulgada ontem..

A secretaria solicitou apoio à Polícia Federal para investigação das causas do incêndio.

A Agência Brasil solicitou à Secretaria de Cultura posicionamento sobre as possíveis perdas apontadas no manifesto dos trabalhadores, mas não teve retorno até a conclusão da reportagem

Edição: Lílian Beraldo

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA