RJ: prefeitura vai demolir dois andares de prédio em Rio das Pedras

Publicados


Técnicos da Secretaria Municipal de Conservação (Seconserva) iniciaram na manhã de hoje (11) o trabalho de escoramento de um prédio em Rio das Pedras, na zona oeste do Rio de Janeiro, para fazer a demolição manual de dois pavimentos do imóvel ainda nesta sexta-feira. No último dia 3, um prédio na mesma comunidade desabou matando duas pessoas e deixando outras quatro feridas.

“As equipes da conservação estão escorando o prédio de baixo para cima para aliviar o peso para poder começar a demolição dos últimos andares. O prédio está muito danificado. Então precisamos escorar para segurança de todos”, disse a secretária de Conservação, Anna Laura Secco.

A Subsecretaria de Proteção e Defesa Civil, ligada à Secretaria de Ordem Pública, foi acionada após moradores da Rua Estrela Dalva, nº 185, em Rio das Pedras, terem ouvido estalos no imóvel de quatro pavimentos.

Após a realização de vistoria, os técnicos constataram que o 3° e o 4° andares do prédio têm que ser demolidos, pois causam sobrecarga nos andares inferiores, podendo ocasionar risco de desabamento de toda a estrutura.

Leia Também:  Ação do DF e de Goiás mobiliza 200 agentes na busca de foragido

Os agentes da Defesa Civil também interditaram de forma preventiva o prédio de quatro pavimentos que fica ao lado. Não foram constatados danos à estrutura deste imóvel, que tem previsão de liberação após a conclusão do trabalho das equipes nesta sexta-feira.

A Secretaria de Assistência Social está fazendo o cadastramento das famílias impactadas pelas interdições e avaliando suas necessidades.

Vítimas

Na semana passada, um prédio na Rua das Uvas, em Rio das Pedras, desabou matando Natan Gomes, de 30 anos, e a filha, Maitê Gomes Abreu, de 2 anos e 8 meses de idade. A esposa de Gomes, Kiara Abreu, de 26 anos, foi retirada dos escombros e permanece hospitalizada. Outras três vítimas também foram retiradas com vida dos escombros.

A Polícia Civil montou uma força-tarefa para investigar o caso, integrada pelas delegacias distritais e especializadas 16ª DP (Barra da Tijuca), 32ª DP (Taquara), Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA) e Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas e Inquéritos Especiais (Draco).

A corporação informou que o dono do imóvel já foi identificado, localizado e levado a prestar depoimento. O imóvel foi construído entre 2006 a 2014 por Genivan Gomes, pai de Natan, e tinha situação irregular.

Leia Também:  Operação Covid-19 mobilizou quase 30 mil militares em seis meses

Edição: Maria Claudia

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

GERAL

Relator pede cassação do mandato do vereador Dr. Jairinho

Publicados

em


O vereador Luiz Ramos Filho (PMN), relator no Conselho de Ética da Câmara Municipal do Rio de Janeiro  do processo contra o vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho (sem partido), apresentou hoje (18) o seu relatório final pela procedência da denúncia, indicando a cassação do mandato do parlamentar por quebra de decoro.

A partir de agora, a defesa de Jairinho terá  cinco dias para apresentar suas alegações finais. Após esse prazo, o conselho voltará a se reunir para deliberar sobre o processo. Se for aprovado, ele é remetido ao plenário para a votação definitiva.

Prisão

O vereador  está preso desde 8 de abril último  junto com a namorada Monique Medeiros, mãe do menino Henry Borel, de 4 anos de idade, que, segundo as investigações, teria sido morto por Dr. Jairinho, após sofrer espancamento no apartamento onde morava com o casal, no Rio de Janeiro. Dias depois,  a justiça transformou a prisão temporária de 30 dias do casal em prisão preventiva. 

Relatório

No relatório, que teve como base o inquérito policial sobre a morte do menino Henry Borel e o depoimento por escrito do executivo da rede d’Or [hospital], Pablo Menezes, o vereador Ramos Filho entende que há elementos para a cassação do mandato. 

Leia Também:  Governo anuncia operação de combate a crimes contra idosos

“A ligação do Dr. Jairinho para o executivo do hospital para evitar que o corpo do menino Henry fosse periciado pelo Instituto Médico Legal caracteriza quebra de decoro a ser punido com a perda do mandato”, explicou.

O vereador Alexandre Isquierdo (DEM), presidente do Conselho de Ética, afirmou que a Câmara do Rio agiu de forma célere, com responsabilidade, respeitando todos os prazos e o direito à ampla defesa do acusado. 

De acordo com  Isquierdo, a expectativa é que a votação definitiva em plenário ocorra no dia 29 de junho. “O parlamento agiu desde o primeiro dia em que veio à tona o diálogo da professora Monique Medeiros [mãe de Henry] com a babá, que deixou todos nós estarrecidos e chocados. Com certeza esse parlamento dará uma resposta à sociedade”, disse.

Próximos passos

Após a entrega das alegações finais, em até cinco dias úteis, o parecer do relator é submetido à deliberação do Conselho de Ética, considerando-se aprovado se obtiver a maioria absoluta dos votos dos seus integrantes.

Leia Também:  PF prende responsável por automóvel que invadiu Ministério da Justiça

Caso o conselho vote favorável à denúncia, o processo é transformado em Projeto de Resolução e encaminhado à Mesa Diretora, para ser incluído na ordem do dia.

A perda de mandato é deliberada em votação aberta no plenário, com direito ao pronunciamento dos parlamentares e da defesa durante a sessão, decidida por dois terços dos 51 vereadores, num total de 34 votos. A sessão está prevista  para o dia 29 deste mês.

Edição: Kleber Sampaio

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA