São Paulo tem mais de 66 mil pessoas que vivem em situação de rua

Publicados


O Movimento Estadual da População em Situação de Rua de São Paulo estima que, atualmente, 66 mil pessoas vivem sem teto na capital paulista. Segundo o presidente do movimento, Robson Mendonça, houve um grande crescimento do número de pessoas que dormem nas calçadas durante o período da pandemia de covid-19.

“Mudou o perfil dessa população, que passou a ser mães com crianças. A cidade passou a ser um acampamento a céu aberto. Para onde você olha tem barraca”, disse.

A estimativa do movimento é feita, de acordo com Mendonça, a partir dos atendimentos oferecidos na sede da entidade, no centro de São Paulo. Além de alimentação, é oferecido apoio para tirar documentos, procurar emprego e buscar atendimento em saúde.

Lançado em janeiro de 2020 a partir de dados coletados em 2019, o último Censo da População em Situação de Rua identificou 24,3 mil pessoas sem teto na cidade de São Paulo. A maioria era negra (69,3%) e 85% eram homens.

Falência e desemprego

Mendonça diz que a crise econômica e algumas medidas para conter a disseminação do  novo coronavírus desestabilizaram microempreendedores e trabalhadores do comércio informal. “Muitos micro e pequenos empresários, nessa pandemia, vieram a ficar em situação de calçada”, explicou.

Leia Também:  PF prende ex-deputado do Amapá em operação contra o tráfico de drogas

Além do crescimento da população que não tem teto, Mendonça diz que o censo feito pela prefeitura subestimou a quantidade de pessoas sem ter onde morar. De acordo com ele, integrantes do movimento da população em situação de rua participaram do trabalho do censo e perceberam problemas na metodologia.

Segundo Mendonça, não foram contadas pessoas que estavam internadas para tratamento de uso abusivo de álcool e drogas e parte das pessoas acampadas ou com barracos em via pública, entre outros pontos. “Todos esses dados fizeram com que a contagem não fosse a real”, afirma.

Antecipação do censo

Devido aos impactos crise sanitária, a prefeitura de São Paulo antecipou a realização do novo censo da população em situação de rua. Em agosto, foi aberto um pregão eletrônico e, em setembro, foi assinado o contrato com a empresa Qualitest com prazo de nove meses.

Na ocasião do anúncio da antecipação do estudo, a então secretária municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, Berenice Giannella, confirmou que havia uma percepção de aumento e mudança de perfil das pessoas dormindo nas calçadas da cidade. “Não só aumentou, mas diversificou. Hoje, você tem mais famílias na rua por conta do desemprego e da perda de moradia”, disse.

Leia Também:  SP: Parada do Orgulho LGBT tem shows e conscientização sobre HIV/Aids

A Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social informou, por nota, que, no último censo, foram considerados sim como população em situação de rua as pessoas vivendo em barracos, ainda que de madeira. “Esses barracos são chamados de mocós na literatura sobre população em situação de rua e se encaixam dentro da definição do conceito operacional adotado na pesquisa”, destaca o texto.

Ainda de acordo com a pasta, a definição das pessoas em situação de rua usada na pesquisa considera uma série de fatores como pobreza extrema, vínculos familiares fragilizados ou interrompidos e a inexistência de moradia regular.

Edição: Valéria Aguiar

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

GERAL

Casamento comunitário será neste domingo no Distrito Federal

Publicados

em


A terceira edição do Casamento Comunitário 2021, promovido pela Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus) do Distrito Federal ocorre neste domingo (28) com previsão de celebração do matrimônio de 43 casais. O evento será realizado às 17h no Museu da República.

Na última quarta-feira ocorreu um ensaio geral para a cerimônia. Os noivos receberam orientações sobre horários, posicionamento, vestimentas, fotografias, convidados e dicas de segurança contra a covid-19.

Segundo a Sejus, o programa de casamento comunitário “tem como objetivo estimular o direito à convivência familiar, garantir os direitos civis da família como núcleo social básico de acolhimento, convívio, autonomia, sustentabilidade e protagonismo social”.

Para a secretária Marcela Passamani, a emoção pelas bodas ultrapassa os noivos e chega até os organizadores. “Quando a gente pensa em Casamento Comunitário, a nossa responsabilidade é servir a população do Distrito Federal. São tantos meses de preparação e agora, vendo o ensaio geral, a gente pensa ‘tá chegando o dia’ e a emoção é ainda maior. Por isso, seguimos trabalhando com compromisso e responsabilidade para proporcionar o grande dia a todos os casais”, destaca.

Leia Também:  Governo quer atrair investimentos para recuperar bacias hidrográficas

Na segunda edição do programa 35 casais se casaram por meio do programa. Na primeira edição, realizada em abril, foram abertas 40 vagas.

Edição: Valéria Aguiar

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA