Sofia Manzano defende política de combate à opressão

Publicados

A candidata do PCB à Presidência da República, Sofia Manzano, defendeu hoje (22), em suas redes sociais, a implementação de uma política de combate à opressão, como o machismo, racismo e a LGBTfobia. De acordo com a candidata, a medida deverá garantir direitos e condições dignas de vida dos grupos oprimidos. 

Sofia Manzano disse também que, se eleita, irá ampliar a licença maternidade e paternidade, legalizar o aborto e garantir o atendimento na rede pública de saúde, e implementar políticas públicas que possibilitem a emancipação da mulher dos trabalhos domésticos, como a criação de creches, refeitórios e lavanderias públicas.

A candidata do PCB afirmou ainda que irá manter a atual política de cotas raciais, a liberdade de culto religioso, e combaterá os ataques às religiões de matriz africana. Ela defendeu ainda o fim do genocídio dos povos indígenas e do povo negro.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Política Nacional

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Senado aprova projeto de renegociação de dívidas dos estados
Propaganda

POLÍTICA NACIONAL

Sem consenso no Senado, MP que aumenta conta de luz perde a validade

Publicados

em

A Medida Provisória (MP) 1.118/2022, que dá subsídios a energias renováveis (eólica e fotovoltaica) e concede créditos tributários para o setor de combustíveis perdeu a validade nesta terça-feira (27).

O texto acabou sem consenso para votação depois que, de última hora, durante a votação na Câmara dos Deputados, o relator da matéria, deputado Danilo Forte (União-CE), incluiu no texto um trecho que aumenta o preço da conta de luz.

A novidade foi mal recebida pelos senadores, que acabaram deixando a MP caducar. A sessão para votação do texto chegou a ser convocada para ontem (26) pelo presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), mas depois foi cancelada.

A próxima sessão para votação de MPs no Senado será na próxima terça-feira, 4 de outubro. De acordo com presidência da Casa, a sessão vai analisar, entre outras propostas, a MP 1.119/2022, que estende até 30 de novembro o prazo para a migração de servidores públicos federais para o regime de previdência complementar.

Edição: Denise Griesinger

Fonte: EBC Política Nacional

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Governo deve enviar medida para reduzir valor da gasolina ao Congresso
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA