Artigo

SCD-1: meu testemunho

Comecemos pelo fim, o lançamento, já que ele ainda funciona. Aconteceu em 9 de fevereiro de 1993, o primeiro satélite projetado e construído pelo Brasil, o SCD-1, Satélite de Coleta de Dados 1, um marco para a Tecnologia Espacial do Brasil, pois fora projetado por cientistas e tecnologistas do INPE.

Publicados

Jovens da Pátria Brasilis, eu fui, eu vi, testemunhei e participei do maior feito da História Espacial do nosso país, 30 anos agora e, acreditem, está no espaço e ainda funciona. Refiro-me ao espetacular SCD-1. Mas, ao contrário do super-herói, nosso satélite é sempre esquecido, como quase todo herói (de verdade) de nossa História.

Quando trabalhei na INVAP, em Bariloche, Argentina, em 2009 e 2010, fiquei impressionado com o investimento do governo na área espacial e em como eles comemoravam suas conquistas. Eles já construíram entre muitos, dois satélites de comunicação e dois satélites radar de banda L (não esse que as Forças Armadas Brasileiras compraram do estrangeiro), radar que a Aeronáutica sonha para mapear geologicamente o Brasil.

Há uns anos, parei de ver o site da NASA, todo dia eles comemoravam um feito, não esperam múltiplos de cinco, todo ano lembram cada feito. No INPE e na Agência Espacial Brasileira não lembram nem as datas cheias, o SCD-1 fez 20 anos e ninguém fez nem uma linha até que eu lembrasse os diretores…

Comecemos pelo fim, o lançamento, já que ele ainda funciona. Aconteceu em 9 de fevereiro de 1993, o primeiro satélite projetado e construído pelo Brasil, o SCD-1, Satélite de Coleta de Dados 1, um marco para a Tecnologia Espacial do Brasil, pois fora projetado por cientistas e tecnologistas do INPE. E, ao contrário do que muita gente imagina, é um satélite sofisticado, tinha dois computadores de bordo, que também foram projetados e fabricados no INPE, pela equipe de computação espacial que eu integrava. Todo o software foi feito pelos meus colegas e por mim, desde o sistema operacional até o dos equipamentos de testes.

Leia Também:  Afinidade e disciplina

E isso acontecia durante o maior arrocho salarial da história do INPE, perda de 75% do valor do salário. E trabalhamos noite e dia para montar o satélite e entregar à empresa norte-americana dentro do prazo estipulado no contrato. E essa não fora a primeira vez, o governo não paga hora-extra, anos antes, eu mesmo passei várias madrugadas testando os computadores no Laboratório de Integração e Testes – LIT, nos testes de vácuo que duravam uma semana, sem parar. Trabalhávamos porque acreditávamos que estávamos construindo uma nação poderosa, que as crises seriam passageiras, que nossos políticos entenderiam e trabalhariam para um Brasil gigante.

Em julho de 1992, acertaram contratar o foguete Pégasus, aquele que é lançado de um avião. Um novo equipamento de testes do satélite precisaria ser desenvolvido, eu estava de férias e o gerente da missão telefonou na casa de meus pais e convocou-me para a tarefa. Dois engenheiros fizeram um projeto simples e brilhante de placas a serem inseridas em um PC e eu fiz todo o software. Tínhamos quatro meses, em apenas dois tudo estava pronto.

Leia Também:  Contabilidade e a pandemia

Fomos à Base de Edwards em novembro, instalar o satélite no foguete que teve uns problemas, voltamos em dezembro. Em janeiro de 1993, achei que seria mais útil em Âlcantara na antena do INPE, voluntariei-me quando soube que não queriam ir, era um fim de mundo. Por isso, tive a honra de ser o primeiro brasileiro a controlar o SCD-1.

Mario Eugenio Saturno (cientecfan.blogspot.com) é Tecnologista Sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e congregado mariano.

JORNAL DO VALE – Muito mais que um jornal, desde 1975 – www.jornaldovale.com

Siga nosso Instagram – @jornaldovale_ceres

Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a redação do JORNAL DO VALE, através do WhatsApp (62) 98504-9192

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ARTIGO

Motivos que fazem os negócios fracassarem

Lembre-se: quando algo dá errado, você nunca começa do zero. Você já sabe e adquire experiência para tomar melhores decisões e, com isso, evita cometer erros futuros. Tudo é aprendizado. Cuide do seu negócio, dedique-se, cerque-se de pessoas competentes e comprometidas e tudo dará certo. 

Publicados

em

Quem é empreendedor sabe que não existe cartilha ou fórmula mágica para um negócio dar certo. Porém, quando as práticas administrativas são inadequadas e existe falta de habilidades de gestão, há grande chance de fracasso.

Um dos erros mais frequentes que percebo é a falta de planejamento. Muitos empreendedores não pensam a longo prazo e, com isso, levam seu negócio ao fracasso. Quando você não entende em que situação se encontra, fica mais difícil saber o que tem que mudar para evoluir e alcançar resultados. Planejamento é essencial. Concilie visão de longo prazo com metas concretas. Tenha planejamento de um dia, uma semana e um ano.

Outro equívoco é quando se tem um time ruim. Ter a confiança de uma equipe é importante para a empresa, mas a escolha da equipe certa é crucial. Avalie honestamente as competências e identifique as falhas dentro do seu time. Encontre membros que acreditem em sua missão e complementem seus conhecimentos. Se sua empresa não tiver um bom líder, não tem como ser boa. Seja um bom líder e lidere a equipe para ter resultados extraordinários.

Leia Também:  Guerra, a diferença entre neutralidade e indiferença!

Outro erro comum é quando envolve sociedade. Seu sócio precisa estar com os mesmos pensamentos que você, caso contrário, não dará certo. Escolha bem com quem vai ter uma parceria. Lembre-se que é algo enérgico. Deve existir sintonia e as cabeças devem pensar parecido. Caso contrário, o fracasso baterá na sua porta.

Também é importante estar atento ao atendimento ao cliente e feedback. Se os clientes não tiveram perguntas respondidas ou se estas forem feitas de qualquer jeito ou ainda se eles forem mal atendidos, eles irão buscar a concorrência e ainda vão falar mal do seu negócio com outras pessoas. Nunca ignore seus clientes. Sempre compartilhe o feedback deles com sua equipe e trabalhe para resolver os problemas deles ou os problemas que foram encontrados por eles.

Outro erro grave e que leva ao fracasso é não ter controle financeiro. Não existe empresa que resista a uma gestão ineficiente. É imprescindível colocar todos os gastos e compras em planilhas. Saiba a respeito de movimentações diárias, como valor a pagar e a receber, preços cobrados por fornecedores, estoque, diferenças entre valores fixos e variáveis. Assim, você pode planejar investimentos e fazer planejamentos para o futuro da sua empresa. Fique atento à saúde financeira do seu negócio.

Leia Também:  Afinidade e disciplina

Lembre-se: quando algo dá errado, você nunca começa do zero. Você já sabe e adquire experiência para tomar melhores decisões e, com isso, evita cometer erros futuros. Tudo é aprendizado. Cuide do seu negócio, dedique-se, cerque-se de pessoas competentes e comprometidas e tudo dará certo.

Leonardo Chucrute é Gestor em Educação

JORNAL DO VALE – Muito mais que um jornal, desde 1975 – www.jornaldovale.com

Siga nosso Instagram – @jornaldovale_ceres

Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a redação do JORNAL DO VALE, através do WhatsApp (62) 98504-9192

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA