plantão policial

Em Iporá, paciente é preso suspeito de xingar de “preta nojenta” médica que foi socorrê-lo

O suspeito vai responder em liberdade, por injúria racial e desacato. Médica, funcionária do SAMU, Kássia Barcelos prestava atendimento ao detido.

Publicados

Um homem de 43 anos foi preso em flagrante suspeito de cometer injúria racial contra uma médica que prestava atendimento a ele, em Iporá. A médica, funcionária do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) Kássia Barcelos de 27 anos, disse que ele a chamou de “preta, nojenta e feia” e disse que tinha vontade de “dar um tiro na cara” dela.

“Chorei muito, a gente passa por isso a vida inteira, as pessoas falam do cabelo, da pele. Me senti na obrigação de denunciar, por outras pessoas e pelos meus filhos que terei, que serão negros e podem passar por isso”, disse a médica.

Kássia Barcelos, vítima de injúria racial, faz denúncia. Foto: Arquivo Pessoal

A defesa de Jean Cleber Fernandes Costa afirmou que não vai se pronunciar sobre o assunto para não interferir no processo. O delegado da Polícia Civil (PC), responsável pelo caso, Eric de Meneses, informou que o homem negou ter ofendido a médica.

O caso aconteceu na segunda-feira (19). O suspeito passou por audiência de custódia e foi liberado nesta terça-feira (20). Meneses explicou que o homem deve responder, em liberdade, por injúria racial e desacato.

Leia Também:  Jataí: Família procura por idoso desaparecido há mais de 20 dias

“Apesar de ter dito que tinha bebido, ele não apresentava sinais de orientação. Como a médica é uma servidora pública, as ofensas se enquadram como desacato. Se ele for condenado, pode pegar até 3 anos de reclusão por crime de injúria racial 2 anos de detenção por desacato”, explicou.

Atendimento médico

A médica disse que a equipe do SAMU foi acionada, por volta das 6h, para prestar atendimento ao homem no terminal rodoviário da cidade. “Disseram que ele estava inconsciente e fomos ajudá-lo. Quando chegamos lá, ele estava sentado e conversando. Perguntei o que ele estava sentindo, e, desde o início, ele foi ríspido, respondeu ‘vontade de dar um tiro na sua cara’. Continuei o atendimento e ele continuou com essas respostas, como ‘não estou sentindo nada preta feia’. Disse também que eu tenho cabelo ruim”, relembrou.

Kássia explicou que, mesmo após as ofensas, ela continuou o atendimento. “Pedi para checar os sinais vitais dele e estava tudo normal. Eu orientei a mulher do guichê, que chamou o SAMU, que se ele precisasse de atendimento novamente ela poderia nos chamar que retornaríamos” contou.

Leia Também:  Homem de Campinorte que estava desaparecido é encontrado em Rianápolis

De acordo com a médica, ela só se deu conta do ocorrido quando chegou em casa. “Eu me senti ofendida, triste. Fiquei sem chão. Socorremos muitas vítimas em surto, tem certas coisas que a gente ouve e a gente sabe que as pessoas não estão conscientes. Mas ele estava consciente. Eu sou médica, estava prestando atendimento. Imagina o que ele não faz com pessoas que não estão prestando ajuda”, desabafou.

“Na hora foi tão conturbado. Atendi como deveria atendê-lo. Em casa, conversando com o meu namorado, percebi que não era só falta de educação. Então fui até a delegacia e denunciei”, mencionou.

O Conselho Regional de Medicina do Estado de Goiás (Cremego) se pronunciou sobre o assunto e afirmou que espera que o caso seja apurado “com rigor” e que “a lei seja cumprida, com a punição do responsável”. O conselho orientou ainda que os médicos vítimas de violência entrem em contato com o conselho e também denunciem o caso à PC.

JORNAL DO VALE – Muito mais que um jornal, desde 1975 – www.jornaldovale.com

Siga nosso Instagram – @jornaldovale_ceres

Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a redação do JORNAL DO VALE,

através do WhatsApp (62) 98504-9192

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

PLANTÃO POLICIAL

Em Goiás, motorista de aplicativo é preso suspeito de assediar sexualmente passageiras

A programação prevista para os quatro dias inclui diversos painéis com palestras técnicas a serem proferidas por especialistas do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e de outras instituições públicas e privadas do Brasil e do exterior; e ainda realização de minicursos, além da apresentação dos trabalhos científicos.
Nas palestras técnicas serão abordados temas como Inovação Tecnológica Aplicada à Qualidade do Leite; Desafios e Perspectivas das Fazendas Leiteiras para Produção de Leite com Qualidade; Biosseguridade: Inovação Tecnológica e Novos Produtos Lácteos; Desafios da Produção com Qualidade em Pequenas Propriedades Rurais nas Diferentes Regiões do País; Resíduos de Produtos de Uso Veterinário; Mercado Externo do Leite e muitos outros.

Publicados

em

Um motorista de aplicativo foi preso em Aparecida de Goiânia na tarde desta segunda-feira (26) suspeito de agredir e importunar sexualmente passageiras. O suspeito começou a ser procurado pela Polícia Civil (PC) na quinta-feira (22), após denúncia de uma vítima, que alegou que o motorista, que tem 28 anos, passou as mãos nas pernas dela durante uma corrida.

Em seguida, após reclamar da atitude do rapaz, a vítima teria sido agredida com murros. A mulher ainda relatou aos policiais que, com muito custo, conseguiu fugir do motorista e foi acolhida por uma senhora que a colocou dentro do carro.

Já no dia seguinte, conforme investigação da PC, o homem teria repetido a ação criminosa após aceitar a corrida de outra mulher. Ele teria a elogiado de maneira invasiva e também teria seguindo, sem autorização da passageira, trajeto diferente do apontado pelo aplicativo. Ele teria levado a passageira até uma rua escura, parado o carro e pedido um beijo à vítima.

Ainda de acordo com relato da mulher à polícia, o homem, que também teria tocado a perna da segunda vítima, teria afirmado que a levaria para um motel. A passageira, no entanto, conseguiu descer do veículo e correr até um estabelecimento comercial, onde pediu socorro.

Leia Também:  Goiás tem alta recorde no valor da produção agrícola em 2021

A PC informou que achou por bem divulgar a imagem do suspeito, conforme os termos da Lei nº 13.869/2019 e da Portaria nº 547/2021 – PC, com o objetivo de identificar possíveis novas vítimas e testemunhas que façam o reconhecimento do homem, além de provas.

JORNAL DO VALE – Muito mais que um jornal, desde 1975 – www.jornaldovale.com

Siga nosso Instagram – @jornaldovale_ceres

Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a redação do JORNAL DO VALE,

através do WhatsApp (62) 98504-9192

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA