Artigo

Voto auditável? Sim!

Publicados

Estamos a assistir a mais um assunto polêmico da nossa vida sócio política brasileira que é o fato de, se devemos ter o voto, depositado nas urnas eletrônicas, impressos ou não e, com isso auditáveis. Ou

seja, capazes de serem conferidos posteriormente ao seu deposito na urna, caso dúvidas venham a surgir sobre a equivalência entre a ação da escolha de um candidato, por um eleitor, e o resultado auferido por esse, após o democrático ato da escolha, no processo eletivo, disposto a todos os representados pelos candidatos brasileiros.

O simples fato de as urnas serem eletrônicas nos impele, objetivamente, à necessidade de que os votos devam, necessariamente, ser recontáveis, da forma primitiva, ou seja manual, caso dúvidas venham a surgir, persistir em decorrência da falta de relação entre a capacidade elegível do candidato e a sua performance no resultado do processo eleitoral.

O universo dos computadores é, completamente, dominado por “programadores” que preparam um combinado das ações conhecidas por uma expressão, chamada de “algoritmos”, ou seja, isso quer dizer, que os responsáveis pelos programas de computadores, que vão gerir o processo eleitoral, podem instruir as máquinas a fazerem os que eles querem que elas respondam. Para que isso aconteça, eles vão prepará-las com uma sequência de códigos capazes de fazer com que o objetivo seja atingido de forma inequívoca do resultado apresentado e este seja indiscutível.

Leia Também:  Matérias da vida

Um exemplo simples de ser apreciado, nesse caso, é a disposição de que um determinado candidato venha a se sagrar vencedor em uma determinada competição que poderá ser política ou não.

Os programas serão preparados da seguinte forma: A cada voto concedido ao eleito que deverá se sagrar vencedor, a máquina computará, acrescerá, um determinado número de votos a mais do que os recebidos por outros candidatos e, com isso, o sucesso estará garantido.

Em uma recente eleição à Presidência da República, as 19h:40min, aproximadamente, um dos candidatos já se preparava para as suas primeiras palavras como eleito quando veio a notícia de que o seu concorrente, em apenas vinte minutos, virou o placar e ganhou a eleição.

Nesse caso só Deus e os programadores dos computadores do TSE, sabem o que aconteceu!

Foi acaso? Destino ou a politização dos brasileiros que se transformou repentinamente?

Em se tratando de computadores, tudo é possível!

Cícero Carlos Maia é professor

JORNAL DO VALE – Muito mais que um jornal, desde 1975 – www.jornaldovale.com

Siga nosso Instagram – @jornaldovale_ceres

Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a redação do JORNAL DO VALE, através do WhatsApp (62) 98504-9192

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ARTIGO

O grande erro da oposição

Publicados

em

A oposição ao presidente Bolsonaro está dividida pela mesma visão errada que tiveram os opositores de Lula em 2005. A rejeição atual de Bolsonaro é muito grande, tanto quanto era no primeiro turno de 2018, não me refiro aos números, mas à percepção individual. Se a facada e a necessidade de remover a quadrilha instalada foi o que determinou a vontade popular, é um grande erro crer que esses fatores não se repetirão de outra forma.

Sonham os pensadores oposicionistas que o próprio presidente e suas hostes foram acuados pelo STF, Supremo Tribunal Federal, mas esquecem dos deputados federais e senadores fieis. Tudo bem que seja uma fidelidade bem paga pelo orçamento, o que não é uma ilegalidade, mas o custo para a nação é gigantesco, devem morrer 800 mil por Covid-19 (mortes evitáveis), o que faz esse ganho pessoal quase um ato despatriótico.

Os atos das esquerdas contra Bolsonaro no dia 7 de setembro pelo Brasil, teve um número pequeno de participantes. Os atos da centro-esquerda à direita contra Bolsonaro do dia 12 de setembro seguiram também com pouquíssima adesão e com um agravante em São Paulo, havia um boneco enorme debochando de Lula, ou seja, espantando os simpatizantes do ex-presidente.

Leia Também:  Um dia para refletir

Em suma, não existe uma causa contra o presidente, o expurgo não é a meta e, outrossim, não existe uma união, mas um grande número de facções que se digladiarão para chegar ao segundo turno nas eleições do próximo ano. Dificilmente, Bolsonaro não estará no segundo turno, o Brasil está mal, mas basta olhar o orçamento federal para ver a capacidade de influenciar. E apesar da péssima gestão comandada por Paulo Guedes, o desastre que estamos vivendo hoje está longe do que aconteceu ao país em 2015 e 2016 por conta da presidente Dilma.

Parece que estamos repetindo 2005, quando explodiu o Escândalo do Mensalão, técnica política criada no governo do presidente Lula para comprar votos dos deputados federais. O mensalão era o nome da mensalidade conforme dito pelo deputado Roberto Jefferson que denunciou a prática em 6 de junho de 2005, o Partido dos Trabalhadores (PT) pagava a vários deputados 30 mil reais por mês por fora, sem registro. Esse dinheiro viria de desvio dos gastos com publicidade das empresas estatais através da agência de publicidade de Marcos Valério. Jefferson acusou José Dirceu de ser o mentor intelectual do esquema.

Leia Também:  A importância da saúde física, mental e alimentação

Esse Roberto Jefferson que se mostrou grande amigo de Lula é o mesmo que liderou a tropa de choque do presidente Collor contra o impeachment deste. Curiosamente, esse mesmo personagem foi preso agora por estar na linha de frente da defesa de Bolsonaro. Coincidentemente, é o amigão do presidente da ocasião.

Em 2005, as oposições criam que Lula continuaria sangrando até as eleições, mas Lula é um grande político e superou, reelegeu-se e elegeu o poste Dilma e por duas vezes. Bolsonaro não tem a competência política de Lula, mas as oposições atuais não são assim tão geniais, tanto que creem que Bolsonaro está liquidado. Um erro grotesco que não passará impune!

Mario Eugenio Saturno (cientecfan. blogspot.com) é Tecnologista Sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e congregado mariano.

JORNAL DO VALE – Muito mais que um jornal, desde 1975 – www.jornaldovale.com

Siga nosso Instagram – @jornaldovale_ceres

Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a redação do JORNAL DO VALE, através do WhatsApp (62) 98504-9192

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA