50 anos da Volkswagen Brasilia: veja 13 curiosidades

Publicados


A Brasilia é um hatch, mas a VW o classificou como perua para pagar menos impostos
Divulgação

A Brasilia é um hatch, mas a VW o classificou como perua para pagar menos impostos

De olho no Chevrolet Chevette e Dodge 1800 , ambos também lançados em 1973, a Volkswagen não perderia a oportunidade de entrar no segmento com a Brasilia. Com a mesma confiabilidade mecânica do VW Fusca , mas com chassi próprio, o hatch colecionou várias façanhas em seu currículo com direito até tiros antes de ser lançado no Brasil. Confira.

Confusão antes de ser lançada

Quando a Brasilia estava sendo testada nos arredores da fábrica da Volkswagen, em São Bernardo do Campo (SP), o fotógrafo Claudio Laranjeira, da Quatro Rodas , fez algumas fotos do segredo, provocando a ira dos seguranças. Frustrados, começaram a atirar contra o carro de Laranjeira. O caso causou bastante comoção, o que levou a própria fabricante a pedir desculpas publicamente.

A Brasilia

Apesar de ser considerado um hatchback , o veículo ficou conhecido por “a” Brasilia. A VW optou por classificá-la como perua, a despeito do modelo ser um hatch de três portas (duas portas, mais a tampa do porta-malas). O motivo? As peruas pagavam menos impostos.

Apesar de menor 17 cm em relação ao Fusca, a Brasilia tem melhor aproveitamento de espaço interno
Divulgação

Apesar de menor 17 cm em relação ao Fusca, a Brasilia tem melhor aproveitamento de espaço interno

Aniversário de lançamento

No dia 8 de junho de 1973, a Volkswagen lançava a Brasilia. O modelo é genuinamente brasileiro, contando com a assinatura dos designers José Vicente Martins e Márcio Piancastelli , e apresentava aos consumidores o moderno conceito de carroceria hatchback . Apesar de menor em relação ao Fusca em 17 cm no comprimento , o espaço interno era muito melhor aproveitado.

VW Brasilia da linha 1978 recebeu novos para-choques com polainas integradas, capô com dois vincos e lanternas frisadas
Reginaldo Ricardo

VW Brasilia da linha 1978 recebeu novos para-choques com polainas integradas, capô com dois vincos e lanternas frisadas




Porta-malas pequeno e alto ruído

Além do porta-malas dianteiro, havia o nicho traseiro, acima do motor, que poderia ser usado como um complemento extra para compras ou demais objetos. No entanto, não chegava a ser um porta-malas. O formato do motor não permitiu que o compartimento fosse profundo. Para complicar ainda mais, o ruído interno era insuportável.

Leia Também:  Mercedes roda 1200 km com apenas uma carga em conceito elétrico

Melhorias na linha 1978

A inspiração das lanternas frisadas da VW Brasilia 1978 veio dos Mercedes da época. Os frisos permitiam que as lanternas mantivessem parte da visibilidade mesmo ao ficarem sujas de terra ou poeira. Até 1977, elas eram menores e lisas. Fora este detalhe, a linha 1978 incorporava para-choques de aço com polainas de plástico, capô com dois vincos, entre outros pontos. Por dentro, a principal diferença era a oferta do desembaçador elétrico do vidro traseiro, um opcional.

Versão quatro portas

Ainda em 1978, de olho no mercado externo, a VW lançou a versão com quatro portas , considerada o primeiro hatchback nacional com essa configuração. Visualmente, apenas as laterais eram diferentes. Além de ter sido bem recebida em países como Filipinas, Nigéria, Venezuela, Bolívia, Chile e Portugal , a Brasilia quatro portas agradou os taxistas brasileiros, uma vez que a facilidade de acesso dos ocupantes era bem superior. Vale lembrar que o mercado brasileiro de então preferia os carros duas portas – ninguém queria um modelo que parecesse um táxi.

Antes de 1978, a VW Brasilia com quatro portas era exportada para outros mercados
Divulgação

Antes de 1978, a VW Brasilia com quatro portas era exportada para outros mercados

Aparições nas telinhas

Quem assistia ao seriado mexicano Chaves, certamente se lembra de uma unidade na cor bege que pertencia ao Senhor Barriga. Em uma das cenas mais hilárias, Chaves e Quico resolvem lavar o carro do dono da vila, enquanto que, em outra parte, a Chiquinha esconde o carrinho do Quico no motor da Brasilia. Aliás, além do Brasil, o México foi o único país a produzi-la, mas só na versão de duas portas. Esteticamente, as mudanças se resumiam ao desenho das rodas e aos acabamentos internos diferentes.

Aparição na música

“Pelados em Santos” é uma música da extinta banda Mamonas Assassinas , canção que tinha como tema a VW Brasilia amarela. Mantido como está até hoje, o carro se destaca pelas rodas gauchas , para-choque de Fiat Uno , aerofólio, teto solar, entre outros acessórios nada discretos.

Leia Também:  Nova scooter ADV160 da Honda é revelada na Indonésia

Motores de Fusca

Inicialmente, a Brasília vinha com o clássico motor 1.6 boxer do Fusca . O quatro cilindros refrigerado a ar usava apenas gasolina e tinha opções com um carburador ( 60 cv ) e dois carburadores (65 cv) . O modelo chegou a ser equipado com um motor 1.3 a etanol, em 1980 . Com dupla carburação e apenas 49 cv , rendia pouco e consumia muito, o que acabou a tornando um fracasso de vendas. No mesmo ano, este motor foi usado no estreante Gol.

A Dacon incorporava inúmeras adaptações mecânicas e estilísticas à Brasilia nos anos 1970 e 1980
Divulgação

A Dacon incorporava inúmeras adaptações mecânicas e estilísticas à Brasilia nos anos 1970 e 1980



Modelos especiais

A concessionária paulistana de veículos da VW Dacon , além de importadora independente de veículos Porsche, BMW, Jaguar, entre outros, também fez alguns projetos bem legais com a Brasilia. Entre os pontos mais interessantes, estavam a adoção de carburadores duplos maiores, comandos de válvulas especiais e até a inclusão de motor 2.0 de 90 cv de quatro cilindros, que equipava os Porsche 912 E da época.

Sucesso de vendas

Nos quase dez anos que a VW Brasilia foi fabricada – entre junho de 1973 e março de 1982 -, o carro acabou se tornando um sucesso de vendas, com mais de um milhão de unidades produzidas . E poderia ter atingido números maiores, se não fosse a decisão de tirá-la de circulação. A atitude, inclusive, gerou polêmica, considerando que o Fusca , outro modelo cotado para ser descontinuado, era um projeto mais antigo. A introdução do Gol foi uma das razões.

A VW Variant II foi desenvolvida com base nas mesmas linhas básicas da Brasilia
Divulgação

A VW Variant II foi desenvolvida com base nas mesmas linhas básicas da Brasilia

“Musa” inspiradora

O desenho da Brasilia remete ao de uma perua, apesar de ser um hatch, o que motivou o departamento de design da Volkswagen a criar a segunda geração da Variant, esta sim uma autêntica station wagon. Assim, surgia a Variant II , ou Brasilhão , ou ainda, Variantão , como ficou conhecida. Apesar de contar com projeto mais avançado, a perua durou menos tempo, tendo sido fabricada entre 1977 e 1981.

Nas pistas

O piloto brasileiro Ingo Hoffmann chegou a correr com a Brasilia da equipe Creditum, na extinta Divisão 3 e ganhou o campeonato paulista de 1974 na Classe A, que tinha como regra veículos equipados com motores de até 1.600 cm3. O carro também participou do World Cup Rally nas mãos de Cláudio Mueller e Carlos Weck , também em 1974. A partida, considerada complexa devido à alta resistência exigida, iniciou em Londres, passou por diversos outros países e terminou em Munique, na Alemanha.

Fonte: Carros

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

CARROS E MOTOS

Fomos à Serra Gaúcha conferir um Rally de motonetas clássicas

Publicados

em

Ainda bem cedo, os competidores se dirigem à largada. A temperatura esteve próxima do zero
Divulgação

Ainda bem cedo, os competidores se dirigem à largada. A temperatura esteve próxima do zero

Neste último fim de semana fui até o Rio Grande do Sul acompanhar a terceira etapa do Campeonato Brasileiro de Rally de Regularidade Histórica , promovido pela Federação Brasileira de Veículos Antigos – FBVA. A etapa chama-se Rally dos Vinhedos e é organizada pelo Veteran Car Club dos Vinhedos , sediado no município de Bento Gonçalves , na Serra Gaúcha.

Só o fato de estar em uma região tão bela, tão bem dotada pela natureza, já vale qualquer dificuldade em chegar, visto que fica no extremo sul do país, região que é bem conhecida pelas baixas temperaturas , especialmente no inverno. Mas é justamente isso que faz do lugar um destino tão desejado.

O Rally dos Vinhedos está comemorando sua décima edição, reunindo 129 veículos antigos e clássicos para um passeio cronometrado pelas estradas da região, passando por municípios como Bento Gonçalves, Garibaldi, Carlos Barbosa, Pinto Bandeira e Santa Tereza. O mais interessante foi a participação de 13 intrépidos pilotos de motonetas clássicas , que enfrentaram a temperatura de quase zero grau no momento da largada.

As motonetas cruzaram alguns centros urbanos durante o percurso
Divulgação

As motonetas cruzaram alguns centros urbanos durante o percurso

Leia Também:  Honda confirma que vai deixar de fabricar Civic no Brasil

E mais, diferentemente dos automóveis, que têm um piloto e um navegador, que além de lhe fornecer a velocidade ideal para cada trecho também indica o caminho a ser seguido, no scooter o piloto faz sozinho todos os trabalhos.

Claro, sendo um rally de veículos antigos , essas motonetas, que atualmente são conhecidas por scooters , são de época, de um tempo quando ainda não tinham esse apelido.

Dos 13 participantes, 11 deles pilotavam Vespa nacionais dos anos 80, que eram fabricadas em Manaus, AM, pela Piaggio . Os outros dois pilotavam Lambretta Li 150 , fabricadas nos anos 60. Vespa e Lambretta eram (e são) eternos rivais nesse segmento dos veículos de duas rodas.

Um rally de regularidade , que também pode ser chamado de passeio cronometrado, avalia a capacidade do piloto em manter as médias de velocidade pré-estabelecidas, que figuram na planilha com o roteiro. Quanto mais próximo o tempo de passagem pelos vários pontos de controle distribuídos pelo percurso, menos pontos o participante perde. No final, quem perder menos pontos, de acordo com um regulamento complexo, vence a prova.

Leia Também:  Brasília Dacon: um ícone do bom gosto

Entre as motonetas, o vencedor foi André Sain, de Bento Gonçalves, pilotando (e navegando) a Vespa PX 200 1986 de número 21. André teve 78 pontos perdidos nessa etapa.

O vencedor André Sain, com sua Vespa PX 200 1986
Divulgação

O vencedor André Sain, com sua Vespa PX 200 1986

Em segundo lugar chegou Daniel Orso, também de Bento Gonçalves, com a Vespa PX 200 Elestart 1987 de número 24, com 84 pontos perdidos. Em terceiro lugar ficou Rodrigo Nenini, de Garibaldi, com a Vespa PX 200 1986 de número 22, com 123 pontos perdidos.

Fonte: Carros

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA