Opinião

600 mil mortes evitáveis

Publicados

Estamos atingindo mais um número inacreditável de mortes nesta pandemia, são 600 mil mortes por Covid-19, que precisa ser frisado, mortes evitáveis! Evitáveis como foi feito por China Itália, Espanha, Alemanha, Israel, Nova Zelândia… Através de “lockdown”, distanciamento, medidas de higiene, como uso do álcool em gel.

Em janeiro, a vacinação começou mesmo no Brasil, com a CoronaVac e, a partir de abril, com a AstraZeneca. O pico de mortes aconteceu em 12 de abril, com 3.124 mortes na média de sete dias, a partir daí, o número de mortes começou a cair até 10 de setembro último com 454 mortes na média. Neste período, a cepa dominante era a de Manaus, chamada de p1 e, posteriormente, Gama.

Há pouco mais de dois meses, a mutante Delta chegou ao Brasil, dominando no Rio de Janeiro e invertendo a queda de mortes ali no dia 17 de agosto. Agora precisamos interpretar os dados: as vacinas protegem contra a variante Gama e já sabemos que a Pfizer e a AstraZeneca tem menor eficiência contra a mutante Delta, o que provavelmente está acontecendo é que as vacinas estão vencendo a Gama, mas perdendo da Delta. No Estado de São Paulo, a inversão aconteceu no dia 8 de setembro.

Leia Também:  Lázaro Barbosa – serial killer ou psicopata?

No dia 23 de setembro último, foi divulgado que a variante Delta já causou 95,2% dos casos de covid-19 na cidade de São Paulo e 4,06% pela variante Gama, segundo estudo feito pelo Instituto de Medicina Tropical e pelo Instituto Adolfo Lutz. A análise foi feita a partir do sequenciamento do vírus em novos casos, durante a última semana de setembro, quando foram detectados 573 infectados com a variante delta.

Em São Paulo, são 5.438 casos do coronavírus, sendo que 55,6% (3.027 casos confirmados) são da variante Delta, 43,4% (2.362 casos) são da variante gama, restando ainda as variantes Beta (3 casos) e Alfa (46 casos).

Vemos nos EUA que a Delta mata os que não estão completamente vacinados, ou seja, apenas uma dose de Pfizer não protege adequadamente. Tem a mesma proteção que a CoronaVac observada no Brasil (é um grave erro comparar CoronaVac com AstraZeneca no Brasil, pois esta só começou a vacinar mesmo em abril, assim devemos comparar vacinas no mesmo efeito temporal).

Os senadores da CPI da Covid-19 receberam o documento “Orientações do Ministério da Saúde para manuseio medicamentoso precoce de pacientes com diagnóstico da Covid-19”, que revela o uso de cloroquina e outras drogas ineficazes no tratamento de infectados pela Covid-19, inclusindo crianças.

Leia Também:  Presidente e Paulo Freire

Além deste absurdo, a passagem do general Pazuello no Ministério da Saúde ainda foi marcada por desperdício de medicamentos, foram mais de 25 toneladas de vacina pentavalente e quase 4 toneladas de vacina tríplice vencidas, ou R$ 21 milhões desperdiçados. E ainda 66 doses de um medicamento de alto custo desapareceram que custa mais de R$ 12 mil a dose. Não acabou, também sumiram 336 respiradores, que custaram mais de R$ 18 milhões.

Esses são os exemplos da lisura do governo autodeclarado honestíssimo e da negligência por mortes evitáveis deste governo antipatriota e homicida.

Mario Eugenio Saturno (cientecfan.blogspot.com) é Tecnologista Sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e congregado mariano.

JORNAL DO VALE – Muito mais que um jornal, desde 1975 – www.jornaldovale.com

Siga nosso Instagram – @jornaldovale_ceres

Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a redação do JORNAL DO VALE, através do WhatsApp (62) 98504-9192

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ARTIGO

Amor ao trabalho

Em todas as profissões demora-se anos para obter a maestria e a expertise como níveis de conhecimento intrínseco da consciência do ser. Como regra genérica, foi popularizada por Malcolm Gladwell as 10 mil horas necessárias para que se tenha esta condição.

Publicados

em

Trabalho é desenvolvimento, obra e construção. Com o ofício há o aperfeiçoamento do ser tanto no nível profissional quanto pessoal. O indivíduo que aprende desde cedo o valor da labuta consegue ser útil a ele e a sociedade de forma prestativa. Amar o trabalho é se amar e ter a certeza de ter feito a escolha correta na vida.

Todavia, para isso não ser mera sorte é essencial reflexão e autoconhecimento. Apenas por meio de se conhecer e saber de seus talentos e vocação que se alinha de modo planejado o trabalho. O ofício não deve vir por acaso, mas fruto desta conversa íntima consigo mesmo. Sem olhar cargo, status, facilidades ou renda, mas gostos, preferências, aptidões.

Não há exercício fácil ou com facilidades que perdurem para sempre. É vital este saber, pois muitos atalhos iniciais podem significar atrasos posteriores. Busque ser o melhor, de se esforçar e de aprender em qualquer situação. De exercitar sem esperar retornos imediatos, pois apenas com persistência e força de vontade que se alcança patamares superiores. Invista em você.

Leia Também:  Lázaro Barbosa – serial killer ou psicopata?

Em todas as profissões demora-se anos para obter a maestria e a expertise como níveis de conhecimento intrínseco da consciência do ser. Como regra genérica, foi popularizada por Malcolm Gladwell as 10 mil horas necessárias para que se tenha esta condição. Assim, mais que ansiedade e afobação, autoconhecimento e disciplina para realizar bem feito desde o início. Através do trabalho progride o indivíduo, a sociedade e o mundo.

Paulo Hayashi Jr. é Doutor em Administração pela UFRGS. Professor e pesquisador da Unicamp. 

JORNAL DO VALE – Muito mais que um jornal, desde 1975 – www.jornaldovale.com

Siga nosso Instagram – @jornaldovale_ceres

Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a redação do JORNAL DO VALE, através do WhatsApp (62) 98504-9192

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA