Comemoração

Acqua Bronze comemora 14 anos de história

Para comemorar e agradecer a população, sejam elas direto ou indiretamente clientes Acqua Bronze, a equipe saiu nas ruas de Ceres e Rialma para distribuir mimos agradecendo a todos por fazerem parte da história dessa marca, honrando sempre o seu lema de estar presente em seus melhores momentos.

Publicados

Acqua Bronze está comemorando 14 anos de história. Fotos: Acqua Bronze.

Nesta semana a Acqua Bronze está comemorando 14 anos de história. Criada desde 2009 pela empresária Vanessa Costa, uma mulher filha de Ceres no Vale do São Patrício e que desde o início quis ver a empresa crescer e juntamente com a cidade. Hoje a empresa produz suas peças nas categorias moda praia, fitness e casual, emprega quinze pessoas internamente e mais dez pessoas de maneira indireta. Uma marca composta não apenas por roupas, mas também por pessoas incríveis! Cada uma com sua singularidade, colaborando para alcançar voos mais altos.

Para comemorar e agradecer a população, sejam elas direto ou indiretamente clientes Acqua Bronze, a equipe saiu nas ruas de Ceres e Rialma para distribuir mimos agradecendo a todos por fazerem parte da história dessa marca, honrando sempre o seu lema de estar presente em seus melhores momentos. Além do rebranding que a marca acaba de fazer, mudando seu visual, ela entende cada dia melhor seu público: além da linha Premium que hoje ela já trabalha, ela está lançando a linha Basic, essa linha busca ter um produto com menos detalhes e com um valor reduzido, mantendo sempre a mesma qualidade Acqua Bronze que é sempre primordial para marca, abrangendo assim ainda um público maior.

Leia Também:  O Governo de Goiás traz até Ceres, a carreta de prevenção ao câncer de mama e de colo uterino

Com a palavra da empresária Vanessa Costa: “Tenho muito orgulho da empresa que construímos, a construção não é somente minha, mas de todo nosso público e de todos nossos colaboradores! E hoje nós só queremos agradecer. Que nossa missão ‘Fazer parte dos melhores momentos da vida de nossos clientes e colaboradores’ seja concretizada a cada dia”.

JORNAL DO VALE – Muito mais que um jornal, desde 1975 – www.jornaldovale.com

Siga nosso Instagram – @jornaldovale_ceres

Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a redação do JORNAL DO VALE, através do WhatsApp (62) 98504-9192

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ECONOMIA

Petrobras pagará à ANP R$ 830 milhões em royalties e PE atrasados

Publicados

em

A Justiça do Rio de Janeiro homologou o acordo entre a Petrobras e a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) para encerrar um processo judicial que envolve o recálculo do valor a ser pago a título de participações governamentais – royalties e participação especial (PE) – pela produção de petróleo no Campo de Jubarte, na costa do Espírito Santo. A estatal terá que desembolsar R$ 830 milhões. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (4) pela Petrobras.

De acordo com a ANP, as participações governamentais deixaram de ser recolhidas porque a Petrobras não atualizou a curva de PEV de Jubarte, ou seja, um instrumento que analisa as condições físico-químicas do petróleo extraído, as quais, por sua vez, definem o preço de referência do petróleo.

Os períodos em discussão foram de agosto de 2009 a fevereiro de 2011 e dezembro de 2012 a fevereiro de 2015.

Com o acordo, a Petrobras vai pagar cerca de R$ 830 milhões em valores atualizados até dezembro de 2023. Desse total, 35% serão pagos à vista; e o restante, parcelado em 48 vezes. Tanto a primeira parcela quanto as demais serão corrigidas pela taxa básica de juros (Selic).

Leia Também:  Recadastramento anual de aposentados e pensionistas é adiado

O primeiro pagamento será feito em até 30 dias depois da homologação, feita pela 23ª Vara Federal da Seção Judiciária do Rio de Janeiro.

Segundo a Petrobras, os valores estão provisionados (reservados) nas demonstrações financeiras da companhia.

Participações governamentais

Os royalties são um percentual da receita bruta com o petróleo extraído pela empresa que é pago à União, estados e municípios produtores, todos os meses, e funcionam como uma remuneração à sociedade pela exploração desses recursos não renováveis.

Já a participação especial é uma compensação financeira que as empresas devem pagar por explorar campos de grande volume de produção ou grande rentabilidade. A arrecadação e distribuição das participações governamentais cabem à ANP.

Fonte: EBC Economia

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA