Baixa de 10,3%: maio foi o pior mês desde 2016 em vendas de carros 0km

Publicados


Retração pode ser atribuída à restrição de crédito e à queda no poder de compra do consumidor
Guilherme Menezes/ iG Carros

Retração pode ser atribuída à restrição de crédito e à queda no poder de compra do consumidor

Mesmo com quatro dias úteis a mais comparado com o mês de abril, maio foi o pior mês na média de vendas de automóveis e comerciais leves desde 2016 .

Pelo menos é o que aponta a Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotor), que registrou queda de 10,3% nas vendas diárias de automóveis e comerciais leves em comparação com o mês anterior, mesmo com maio contando com quatro dias úteis a mais do que abril.

“O resultado reflete o cenário conjuntural, que temos vivido desde o ano passado, que inclui seletividade de crédito, endividamento das famílias e juros altos”, afirma o Presidente da Fenabrave, Andreta Jr..

Leia Também:  Ford Ka lidera desvalorização entre os mais vendidos em 2020

De acordo com Jr., essa retração pode estar atribuída à restrição de crédito e à queda no poder de compra do consumidor . Ainda segundo o executivo, apesar da queda nas vendas, o mercado ainda não teve tempo para sentir o efeito “espera” dos consumidores para adquirirem os veículos. Com a nova proposta do Governo Federal para o impulso nas vendas de automóveis comerciais leves , muitos potenciais compradores devem optar por aguardar pela implementação das medidas de incentivo.

“Ainda não houve tempo para sentirmos o efeito dos cancelamentos de compras de consumidores, que estão à espera da redução de impostos sobre o preço dos carros, pois o anúncio do Governo foi feito no dia 25 de maio, portanto, a poucos dias do encerramento do mês. Como há um certo intervalo entre a data da compra do carro e seu registro pela Senatran, devemos sentir uma maior retração nos emplacamentos apenas nos primeiros dias de junho”, revela.

Conforme relatório da entidade, as vendas de automóveis e comerciais leves somaram 166.361 unidades, ou seja, uma alta de 9,65% em maio na comparação com abril. Em contrapartida, comparado com maio de 2022, houve uma queda de 4,9% e alta de 10% nos cinco primeiros meses de 2023 ante o mesmo período de 2022.

Foram vendidas 161.433 motos em maio, uma alta de 33,5% sobre abril
Divulgação

Foram vendidas 161.433 motos em maio, uma alta de 33,5% sobre abril

Leia Também:  Veja 5 versões do Chevrolet Monza que não tivemos no Brasil

Indo na contramão do segmento de automóveis e comerciais leves, o de motos vem tendo resultados satisfatórios . Foram 161.433 unidades em maio, ou um saldo positivo de 33,5% sobre abril e de 21,4% comparado com o mesmo mês de 2022 . Já nos cinco primeiros meses de 2023, a venda de motos teve alta de 23,9%, segundo a Fenabrave.

“A queda setorial, em 2023, é amenizada por conta do bom volume de motocicletas emplacadas. Esse é um segmento que vem apresentando crescimento real, tanto que está 42% acima do registrado nos cinco primeiros meses de 2019, último ano antes da pandemia. Mas, ao analisarmos automóveis e comerciais leves, a queda em relação a 2019 é de 27,1% no acumulado do ano”, reforça o Presidente da Fenabrave.

Fonte: Carros

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

CARROS E MOTOS

Fomos à Serra Gaúcha conferir um Rally de motonetas clássicas

Publicados

em

Ainda bem cedo, os competidores se dirigem à largada. A temperatura esteve próxima do zero
Divulgação

Ainda bem cedo, os competidores se dirigem à largada. A temperatura esteve próxima do zero

Neste último fim de semana fui até o Rio Grande do Sul acompanhar a terceira etapa do Campeonato Brasileiro de Rally de Regularidade Histórica , promovido pela Federação Brasileira de Veículos Antigos – FBVA. A etapa chama-se Rally dos Vinhedos e é organizada pelo Veteran Car Club dos Vinhedos , sediado no município de Bento Gonçalves , na Serra Gaúcha.

Só o fato de estar em uma região tão bela, tão bem dotada pela natureza, já vale qualquer dificuldade em chegar, visto que fica no extremo sul do país, região que é bem conhecida pelas baixas temperaturas , especialmente no inverno. Mas é justamente isso que faz do lugar um destino tão desejado.

O Rally dos Vinhedos está comemorando sua décima edição, reunindo 129 veículos antigos e clássicos para um passeio cronometrado pelas estradas da região, passando por municípios como Bento Gonçalves, Garibaldi, Carlos Barbosa, Pinto Bandeira e Santa Tereza. O mais interessante foi a participação de 13 intrépidos pilotos de motonetas clássicas , que enfrentaram a temperatura de quase zero grau no momento da largada.

As motonetas cruzaram alguns centros urbanos durante o percurso
Divulgação

As motonetas cruzaram alguns centros urbanos durante o percurso

Leia Também:  BMW 320i M Sport: um sedã premium de bom gosto

E mais, diferentemente dos automóveis, que têm um piloto e um navegador, que além de lhe fornecer a velocidade ideal para cada trecho também indica o caminho a ser seguido, no scooter o piloto faz sozinho todos os trabalhos.

Claro, sendo um rally de veículos antigos , essas motonetas, que atualmente são conhecidas por scooters , são de época, de um tempo quando ainda não tinham esse apelido.

Dos 13 participantes, 11 deles pilotavam Vespa nacionais dos anos 80, que eram fabricadas em Manaus, AM, pela Piaggio . Os outros dois pilotavam Lambretta Li 150 , fabricadas nos anos 60. Vespa e Lambretta eram (e são) eternos rivais nesse segmento dos veículos de duas rodas.

Um rally de regularidade , que também pode ser chamado de passeio cronometrado, avalia a capacidade do piloto em manter as médias de velocidade pré-estabelecidas, que figuram na planilha com o roteiro. Quanto mais próximo o tempo de passagem pelos vários pontos de controle distribuídos pelo percurso, menos pontos o participante perde. No final, quem perder menos pontos, de acordo com um regulamento complexo, vence a prova.

Leia Também:  Great Wall apresenta SUV cupê híbrido Haval H6 GT no Brasil

Entre as motonetas, o vencedor foi André Sain, de Bento Gonçalves, pilotando (e navegando) a Vespa PX 200 1986 de número 21. André teve 78 pontos perdidos nessa etapa.

O vencedor André Sain, com sua Vespa PX 200 1986
Divulgação

O vencedor André Sain, com sua Vespa PX 200 1986

Em segundo lugar chegou Daniel Orso, também de Bento Gonçalves, com a Vespa PX 200 Elestart 1987 de número 24, com 84 pontos perdidos. Em terceiro lugar ficou Rodrigo Nenini, de Garibaldi, com a Vespa PX 200 1986 de número 22, com 123 pontos perdidos.

Fonte: Carros

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA