Dicas de Saúde por Dr. Fabiano Moura

Dr. Fabiano Moura

Publicados

Tempo seco e ressecamento nasal

Estamos passando por um período de temperaturas altas, umidade do ar muito baixa, somando -se as queimadas e ventos com poeira. Esse clima seco e quente pode trazer alguns problemas de saúde, principalmente respiratórios. Uma queixa comum no meu consultório nesse mês é o ressecamento do nariz.  O nariz ressecado pode estar relacionado com gripes e resfriados, tabagismo (hábito de fumar) e locais quentes e secos.

Abaixo listamos 5 dicas para evitar/solucionar o ressecamento:
1 – Evite o uso de ar-condicionado em excesso. Eles diminuem ainda mais a umidade do ar.
2 – Utilize umidificadores de ar ou pelo menos uma vasilha com água no ambiente. Não é a mesma coisa, mas já ajuda.
3 – Faça inalações. A água quente do banho, vapor do chá ou mesmo os aparelhos inaladores auxiliam no ressecamento do nariz.
4 – Não se esqueça de se hidratar. Beba no mínimo 2 litros de água por dia.
5 – Faça lavagem nasal. A lavagem nasal pode ser feita com soro fisiológico 0,9% (o soro normal da farmácia, o mesmo que é usado para fazer aerossol). Existem os frascos de soro fisiológico jato contínuo nasal que também podem ser usados.

Leia Também:  Waldir Marques

Essa inflamação no nariz que ocorre devido ao tempo também pode causar obstrução nasal. Uma dica importante é: não assoar o nariz e não “cutucar o nariz” pois isso pode causar sangramento nasal.

O uso do soro fisiológico nasal deve ser contínuo, ou seja, diário.  Assim como é importante usar hidratante para a pele, é importante hidratar as narinas com soro.
Não sabe como fazer lavagem nasal? Procure um otorrinolaringologista que irá te orientar.

Essas são as dicas do Dr. Fabiano Santana Moura. Otorrinolaringologista. Atende no Centro Clínico e Diagnóstico São Pio X. Fone: 3307 1505 Whatsapp (62) 9 9962 6052.

JORNAL DO VALE – Muito mais que um jornal, desde 1975 – www.jornaldovale.com

Siga nosso Instagram – @jornaldovale_ceres

Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a redação do JORNAL DO VALE, através do WhatsApp (62) 98504-9192

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Colunistas

Dr. Fabiano Moura

Publicados

em

Covid-19 e as suas variantes

Os sintomas da Covid-19 foram mudando à medida que novas variantes do vírus SARS-CoV-2 surgiram desde o início da pandemia, em março de 2020. Atualmente, circulam pelo mundo pelo menos cinco variantes de preocupação, consideradas mais transmissíveis e com maior risco de levar a casos de gravidade: alfa, beta, gama, delta e ômicron.

 

Vírus original

Desde o surgimento da versão original do vírus, a cepa de Wuhan, os sintomas da Covid-19 considerados mais comuns são: febre, tosse seca, cansaço e perda do paladar ou do olfato. Os menos comuns, mas também relatados, são dor de cabeça, garganta inflamada, olhos vermelhos ou irritados, diarreia, erupção na pele ou descoloração dos dedos das mãos ou dos pés. Já os sintomas mais graves envolvem dificuldade de respirar ou falta de ar, perda de fala ou mobilidade, confusão mental e dor no peito.

Na maioria dos casos de Covid-19, apenas alguns destes sintomas aparecem entre cinco a 14 dias após a infecção.

A boa notícia é que algumas vacinas contra Covid-19 já confirmaram serem capazes de neutralizar as variantes de preocupação.

Veja os sintomas mais comuns de cada variante de preocupação:

 

Ômicron

A variante designada ômicron pela OMS foi detectada e anunciada pelo Instituto Nacional de Doenças Transmissíveis da África do Sul (NICD) em 25/11.

Segundo a OMA, já se sabe que a Ômicron é uma variante altamente transmissível e com grande número de mutações.

Leia Também:  Luiz Cláudio

Sintomas mais comuns: cansaço extremo, dores pelo corpo, dor de cabeça e dor de garganta.

 

Delta

À medida que a variante delta, descoberta na Índia em outubro de 2020, se espalhava pelo planeta, os sintomas mais comuns da doença passaram a ser febre, tosse persistente, coriza, espirros e dor de cabeça e garganta. A perda de paladar e de olfato deixou de ser relatada.

A delta, por sua vez, se mostrou mais transmissível que as variantes alfa, beta e gama, com adoecimento mais rápido e alto risco de hospitalização, sobretudo entre os não vacinados.

Sintomas mais comuns: coriza, dor de cabeça, espirros, dor de garganta, tosse persistente e febre.

 

Gama 

A variante gama foi identificada pela primeira vez em quatro viajantes que vinham de Manaus (AM) e foram testados durante triagem de rotina do aeroporto de Haneda, no Japão, em novembro de 2020. Em janeiro de 2021 ela já atingia os Estados Unidos e foi decretada como uma variante de preocupação pela OMS.

A variante que se tornou predominante na capital amazonense foi responsável pelo aumento abrupto de hospitalizações e mortes pela Covid-19 no estado, que entrou em colapso.

Sintomas mais comuns: febre, tosse, dor de garganta, falta de ar, diarreia, vômito, dor no corpo, cansaço e fadiga.

Leia Também:  Coluna Social

 

Alfa

A variante de preocupação alfa surgiu com grande número de mutações e foi detectada pela primeira vez no Reino Unido em setembro de 2020. Em dezembro de 2020, já tinha se espalhado para vários países, incluindo os Estados Unidos.

A alfa foi associada a um risco aumentado de morte em comparação ao vírus original.

Sintomas mais comuns: perda ou alteração do olfato, perda ou alteração do paladar, febre, tosse persistente, calafrios, perda de apetite e dores musculares.

 

Beta

A variante beta, uma mutação da alfa, foi detectada na África do Sul em outubro de 2020 e rapidamente se espalhou para mais de 40 países. Seus sintomas não mudaram em relação à alfa, mas a variante foi associada a um aumento de 20% das hospitalizações e mortes por Covid-19 na África do Sul.

Sintomas mais comuns: febre, tosse, dor de garganta, falta de ar, diarreia, vômito, dor no corpo, cansaço e fadiga.

Essas são as dicas do Dr. Fabiano Santana Moura. Otorrinolaringologista. Atende no Centro Clínico e Diagnóstico São Pio X. Fone: 3307-1505 Whatsapp (62) 9962 6052

JORNAL DO VALE – Muito mais que um jornal, desde 1975 – www.jornaldovale.com

Siga nosso Instagram – @jornaldovale_ceres

Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a redação do JORNAL DO VALE, através do WhatsApp (62) 98504-9192

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA