DICAS DE SAÚDE POR DR. FABIANO MOURA

Dr. Fabiano Moura

Quem ronca e tem apneia do sono, dificilmente consegue atingir o sono REM e consequentemente, acaba tendo um sono não reparador. Nem todos percebem, mas o ronco tende a atrapalhar o sono não só de quem ouve, mas também de quem ronca.

Publicados

O ronco

O ronco, embora comum e, muitas vezes, até alvo de brincadeiras, é considerado um dos sintomas do distúrbio do sono. E se não for tratado corretamente, pode ocasionar problemas de saúde mais sérios.

O ronco é o som da vibração das vias aéreas (nariz e garganta) causado pela dificuldade de passagem do ar. Apesar de atingir todos os tipos de pessoas, das mais variadas idades, costuma ser mais comum nos homens do que nas mulheres. Por uma questão hormonal, enquanto os homens começam a roncar por volta dos 40 anos de idade, as mulheres normalmente começam depois dos 50 anos, quando aumentam as oscilações dos hormônios.

Crianças e adolescentes também podem roncar, embora nessa fase seja menos comum. Nesses casos, ocorre principalmente por fatores físicos, como amígdalas e adenoides grandes, além de congestionamento nasal.

O que causa o ronco? Envelhecimento, obesidade, consumo de bebidas alcoólicas (principalmente próximo ao horário de dormir), medicamentos com efeito relaxante muscular (podem relaxar a musculatura da garganta durante o uso), queixo retro posicionado (para trás), dormir de barriga para cima.

O sono é composto por um conjunto de fases que começam a partir do momento em que a pessoa adormece, vai se progredindo e tornando-se cada vez mais profundo, até o corpo atingir o sono REM (Rapid Eye Moviment), que é o mais difícil de ser alcançado, e é justamente nessa fase que o corpo consegue realmente relaxar.

Leia Também:  Dr. Fabiano Moura

Quem ronca e tem apneia do sono, dificilmente consegue atingir o sono REM e consequentemente, acaba tendo um sono não reparador. Nem todos percebem, mas o ronco tende a atrapalhar o sono não só de quem ouve, mas também de quem ronca. E uma noite mal dormida traz consequências durante o dia, como: cansaço, sonolência diurna, irritação, dificuldade de raciocínio, perda de reflexo.

Além disso, uma noite de sono ruim também interfere na leptina (hormônio responsável pela regulação da saciedade) e pode fazer com que a pessoa passe a comer mais e, consequentemente, seja um potencial obeso.

Ronco: um sinal de alerta para a apneia do sono Essa é uma condição que faz o paciente não respirar direito, fazendo com que o sono fique fragmentado, inclusive pode associar-se à queda de oxigênio durante a noite. A apneia do sono consiste no fechamento total das vias aéreas durante o sono, fazendo com que a pessoa tenha pausas respiratórias enquanto dorme. Tem duração de pelo menos dez segundos, e pode causar problemas mais sérios como distúrbios no coração, no metabolismo, alterações de humor, memória e sonolência excessiva diurna, aumentando as chances de acidentes automobilísticos. A falta de ar, característica da apneia do sono, impulsiona o organismo a lançar mais adrenalina no sangue, o que provoca um aumento da pressão arterial e resistência à insulina. Ou seja, pacientes com apneia do sono têm maior tendência a desenvolver hipertensão arterial e diabetes, condições que aumentam a incidência de doenças cardiovasculares, como infarto e acidente vascular cerebral (AVC).

Leia Também:  Luiz Claudio

Se você ronca, procure ajuda médica!

Pode ser que o médico indique apenas algumas mudanças de hábito ou, em casos mais graves, utilização de CPAP (máscara que gera pressão de ar para manter a via aérea superior aberta durante a noite), ou até uma intervenção cirúrgica. O especialista indicado para tratar os distúrbios do sono, principalmente a Apneia Obstrutiva do Sono, é o otorrinolaringologista.

Essas são as dicas do Dr. Fabiano Santana Moura. Otorrinolaringologista. Atende no Centro Clínico e Diagnóstico São Pio X. Fone: 3307-1505 / WhatsApp (62) 9962 6052

JORNAL DO VALE – Muito mais que um jornal, desde 1975 – www.jornaldovale.com

Siga nosso Instagram – @jornaldovale_ceres

Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a redação do JORNAL DO VALE, através do WhatsApp (62) 98504-9192

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Colunistas

Dr. Fabiano Moura

O colesterol é um conjunto de gorduras necessárias para o organismo exercer determinadas funções, como a produção de alguns hormônios.

Publicados

em

O colesterol é um conjunto de gorduras necessárias para o organismo exercer determinadas funções, como a produção de alguns hormônios. Ele é, portanto, importante e precisa ser ingerido de forma equilibrada para que seus níveis se mantenham regulares.

Há dois tipos de colesterol: o HDL, considerado “colesterol bom” e o LDL, denominado “colesterol ruim. Quando em desequilíbrio no organismo, o colesterol torna-se fator de risco para doenças cardiovasculares, aumentando a incidência de Acidente Vascular Cerebral (AVC ou derrame) e de doença coronariana (IAM ou Infarto).

As doenças cardiovasculares são as principais responsáveis pelos óbitos registrados anualmente no Brasil. O desenvolvimento dessas doenças está associado a diversos fatores de risco, tais como: obesidade, aumento do colesterol, pressão alta, diabetes e tabagismo, que podem ser controlados com alimentação saudável e prática de atividades físicas.

Além desses fatores, a hereditariedade pode determinar um colesterol alto mesmo em pessoas que tenham hábitos saudáveis, por isso, além da prática de atividade física e da alimentação equilibrada é importante verificar regularmente as taxas de gordura no sangue e, se necessário, utilizar medicamentos sob prescrição e acompanhamento médico.

Leia Também:  Waldir Marques

A aterosclerose é o estreitamento e endurecimento das artérias, provocado pelo acúmulo de placas de gordura em seu interior. O tratamento poderá ser realizado através da mudança de estilo de vida, prática de exercícios físicos, controle da alimentação e o uso de medicamentos específicos. Em casos mais graves, o médico poderá indicar uma cirurgia de desobstrução dos vasos sanguíneos, que poderá ser feita por cateterismo e angioplastia ou por cirurgia.

Corrigir os fatores de risco clássicos – hipertensão, sedentarismo, tabagismo, obesidade, diabetes, deixar de fumar, fazer exercício físico, adotar uma dieta adequada – melhora muito a evolução da doença.

Essas são as dicas do Dr. Fabiano Santana Moura. Otorrinolaringologista. Atende no Centro Clínico e Diagnóstico São Pio X. Fone: 3307-1505 / WhatsApp (62) 9962 6052

JORNAL DO VALE – Muito mais que um jornal, desde 1975 – www.jornaldovale.com

Siga nosso Instagram – @jornaldovale_ceres

Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a redação do JORNAL DO VALE, através do WhatsApp (62) 98504-9192

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA