Plantão Policial

Em Jaraguá, GPT realiza prisão de suspeito de tráfico de drogas

Publicados

A Polícia Militar (PM), através do Grupo de Patrulhamento Tático (GPT), durante o patrulhamento na noite desta sexta-feira (20), obteve informações de intenso tráfico de drogas nas imediações da Rua 10, no setor Goiás Rural em Jaraguá. Assim, o patrulhamento foi intensificado e realizada a abordagem de três indivíduos em atitude suspeita parados na porta de uma residência.

A casa é conhecida como ponto de consumo e venda de drogas, os abordados foram questionados o que estavam fazendo no local. Dois dos abordados, ambos estavam com a quantia de R$ 30,00 e R$ 20,00 em suas mãos, e informaram que eram usuários de drogas e estavam com intuito de comprar “pedras de crack” do proprietário e residente no local.

O proprietário da residência ao ser questionado se havia drogas consigo, ele disse que sim e retirou uma porção grande de crack – aproximadamente 6 gramas de suas vestes. Foi ainda questionado se havia drogas ou algo ilícito em sua residência, o mesmo informou a equipe que não havia e que poderia entrar em sua residência e conferir.

Leia Também:  PC realiza prisão de suspeitos de operar laboratório de placas veiculares falsas

Após permissão de entrada, houve o início das buscas e no quarto do indivíduo, foi encontrado em cima da cama um tabuleiro contendo em sua superfície 8 porções menores também embaladas em papel alumínio pesando aproximadamente 3 gramas preparadas para venda e alguns farelos da mesma substância contendo aproximadamente 1 grama, além de pedaços de papel alumínio que estava sendo usado para embalar o entorpecente e duas facas com vestígios de crack que estavam sendo utilizadas para fracionar a droga.

Desta forma, foi dada então voz de prisão ao proprietário da residência, que foi conduzido ao HEJA, juntamente com os outros dois abordados para confecção do relatório médico e posteriormente foram apresentados na Delegacia da Polícia Civil de Jaraguá para os procedimentos de praxe.

Quem compara lê o JORNAL DO VALE – Um jornal a serviço da nossa região, desde 1975 – www.jornaldovale.com

Siga nosso Instagram – @jornaldovale_ceres

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

PLANTÃO POLICIAL

PC indicia quatro envolvidos em mortes de advogados em Goiânia; Vídeo

De acordo com a PC, os suspeitos exerceram papéis de executor, intermediários e de mandante no crime

Publicados

em

A Polícia Civil (PC), através da Delegacia de Investigações de Homicídios (DIH) indiciou quatro pessoas pelos assassinatos dos advogados Marcus Aprigio Chaves, de 41 anos e Frank Alessandro Carvalhaes de Assis, de 47, no dia 28 de outubro, mortos em escritório no Setor Aeroporto em Goiânia. Conforme a PC, os indiciados, de acordo com as investigações exerceram papeis de executor, intermediários e de mandante; este último identificado como Nei Castelli.

A PC diz que “todas as circunstâncias do crime foram devidamente elucidadas e não há mais diligências a serem produzidas”. O inquérito já foi remetido ao Ministério Público de Goiás (MP-GO) na última terça-feira (1°) e, agora, fica a este a incumbência de oferecer ou não denúncia aos envolvidos.

 

Relembre o crime

O crime ocorreu no dia 28 de outubro, no escritório dos advogados localizado no Setor Aeroporto, em Goiânia. De acordo com as investigações, Nei Castelli teria contratado dois pistoleiros por R$ 100 mil para cometerem os homicídios.

As investigações apontam que o crime foi cometido porque as vítimas conquistaram em novembro do ano passado, na justiça, ação de reintegração de posse de uma propriedade rural em São Domingos, no Nordeste Goiano, atualmente ocupada por familiares do fazendeiro. Propriedade está avaliada em quase R$ 50 milhões.

Leia Também:  Madrasta é suspeita de oferecer cerveja para enteada de 6 anos em Goiás

Nei Castelli foi o último suspeito de envolvimento no crime a ser detido. Outras três pessoas já haviam sido presas por participação no duplo homicídio. Um dos quatro suspeitos morreu em confronto com a Polícia Militar do Tocantins (PM-TO).

Na última segunda-feira (30), o Superior Tribunal de Justiça (STJ) indeferiu liminarmente o Habeas Corpus impetrado em favor de Nei Castelli. A decisão foi do ministro Humberto Martins. Essa foi a segunda negativa da Justiça para a soltura do fazendeiro. No último dia 20 de novembro, foi a vez do Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO) negar a liberdade do suspeito. Veja o vídeo quando Castelli chegou, após ser preso, na Delegacia da PC em Goiânia:

Quem compara lê o JORNAL DO VALE – Um jornal a serviço da nossa região, desde 1975 – www.jornaldovale.com

Siga nosso Instagram – @jornaldovale_ceres

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA