Junho Laranja

Hugol promove imersão sobre atendimento a pacientes queimados para profissionais da saúde

O evento reúne diversos especialistas na área para compartilhar todo o conhecimento aplicado no hospital, que é referência nacional nos cuidados de pacientes queimados. A programação acontece entre os dias 5 e 7 de junho, voltada à comunidade da área de saúde.

Publicados

Fabiano Calixto Fortes de Arruda, Cirurgião Plástico, Supervisor Médico da Unidade de Queimados do Hugol. Foto: Divulgação/Hugol

O mês de junho é tradicionalmente marcado pelas festas juninas. Entre as danças e comidas típicas, as fogueiras compõem a lista de itens básicos da comemoração. Não por acaso, o mês também é marcado pelo Junho Laranja, em referência à prevenção de queimaduras.

Aproveitando o simbolismo da data, o Hospital de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol) promove a Semana de Imersão Multidisciplinar no Atendimento ao Paciente Queimado.

O evento reúne diversos especialistas na área para compartilhar todo o conhecimento aplicado no hospital, que é referência nacional nos cuidados de pacientes queimados. A programação acontece entre os dias 5 e 7 de junho, voltada à comunidade da área de saúde.

Segundo Fabiano Calixto Fortes de Arruda, Cirurgião Plástico, Supervisor Médico da Unidade de Queimados, o Hugol está preparado para tratar pacientes que necessitam de atendimentos com alto nível de complexibilidade, como vítimas de queimaduras de segundo e terceiro grau, que necessitam de internação. “Queimaduras de segundo grau, formam uma bolha e, frequentemente, são causadas por líquidos inflamáveis, como álcool ou gasolina, ou até mesmo líquidos quentes, como café, sopa e óleo. Queimaduras de terceiro grau, normalmente, atingem áreas maiores da pele, causam danos mais profundos que precisam de cuidados sofisticados, como enxertos. São esses tratamentos que realizamos aqui Hugol”, destacou.

Leia Também:  Prevenir é amar a vida

Os casos menos graves, como as queimaduras de primeiro grau, podem ser tratadas em unidades ambulatoriais ou em Unidades Básicas de Saúde (UBS). De toda forma, as vítimas devem ir primeiro a essas unidades para passarem por uma avaliação e, se for o caso, serão encaminhadas para o Hugol.

JORNAL DO VALE – Muito mais que um jornal, desde 1975 – www.jornaldovale.com

Siga nosso Instagram – @jornaldovale_ceres

Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a redação do JORNAL DO VALE, através do WhatsApp (62) 98504-9192

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ESTADO

Mais de 670 armas de fogo são apreendidas por órgãos federais no estado de Goiás em 16 meses

Considerando somente 2023, foram 581 apreensões no estado goiano, aumento de 89,25% em relação a 2022. Em todo o país, 13.340 armas foram apreendidas por PF, PRF e Senasp entre janeiro de 2023 e abril de 2024.

Publicados

em

Mais de 670 armas de fogo são apreendidas por órgãos federais no estado de Goiás em 16 meses. Foto: PF

Goiás é uma das Unidades da Federação em que os órgãos federais de segurança pública apreenderam mais armas de fogo ilegais desde o início do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. De janeiro do ano passado a abril de 2024, 90 itens foram retirados de circulação no estado goiano pela Polícia Federal (PF), Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Secretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP). Considerando somente 2023, foram 581 apreensões em Goiás, um aumento de 89,25% em relação a 2022, quando 307 armas foram retiradas de circulação pelas forças federais. Os dados estão disponíveis no ComunicaBR, plataforma de transparência ativa do Governo Federal.

Em todo o país, 13.340 armas de fogo foram apreendidas por PF, PRF e SENASP entre janeiro de 2023 e abril de 2024. Somente no ano passado, foram 10.935 apreensões, um incremento de 28% em relação a 2022 (8.466). E, nos quatro primeiros meses deste ano, mais 2.405.

Leia Também:  Em Jaraguá, leitos de enfermaria Covid-19 no HEJA tem redução de 20% de ocupação

O diretor de Operações Integradas e de Inteligência da Senasp (DIOP/SENASP), Rodney Silva, explica que os números registrados em 2023 e 2024 decorrem do aumento da fiscalização e das ações operacionais da PF, da PRF e das polícias militares e civis dos estados.

“O foco tem sido a prevenção das ocorrências de crimes mais graves, como mortes violentas intencionais, crimes passionais e o crime organizado, que se aproveita desse comércio ilegal de armas e, consequentemente, fortalece o tráfico de drogas, o tráfico de armas propriamente dito, tomadas de cidade e outros crimes violentos”, afirma Silva.

Ações como o Programa Nacional de Enfrentamento às Organizações Criminosas (ENFOC), que conta com aporte federal de R$ 900 milhões até 2026, e expansão dos Grupos de Investigações Sensíveis (GISE) e das Forças Integradas de Combate ao Crime Organizado (FICCO), ligados à Polícia Federal, impactaram diretamente os números de apreensões de armas de fogo no Brasil.

Os GISE foram expandidos em 2023 e passaram a operar em 21 estados. As FICCO estão em todo o país. O Ministério da Justiça e Segurança Pública destinou R$ 85 milhões para o funcionamento das unidades, especialmente para pagamento de diárias, aquisição de viaturas, materiais de apoio e equipamentos tecnológicos e de inteligência.

Leia Também:  Prevenir é amar a vida

“O desafio da segurança pública no combate ao uso ilegal de arma de fogo perpassa pelo fortalecimento da atividade de inteligência de segurança pública, a integração das forças de segurança e também a participação da sociedade na construção coletiva de soluções alternativas em busca do entendimento sobre a resolução de conflitos”, finaliza Silva.

JORNAL DO VALE – Muito mais que um jornal, desde 1975 – www.jornaldovale.com

Siga nosso Instagram – @jornaldovale_ceres

Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a redação do JORNAL DO VALE, através do WhatsApp (62) 98504-9192

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA