Internação por doenças respiratórias cai em municípios com mais verde

Publicados

Estudo feito por pesquisadores da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) identificou que municípios com mais áreas verdes têm menos internações hospitalares por doenças respiratórias. A pesquisa envolveu ciência de dados.

Foram usadas bases de dados públicos como o Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde do Brasil (Datasus), Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a Secretaria Nacional de Trânsito (Senatran) e o Instituto Água e Terra (IAT) do Paraná. O objetivo do trabalho foi avaliar como a infraestrutura verde urbana (IVU), composta por praças, parques, jardins planejados, fragmentos florestais, reservas florestais urbanas, bosques e arborização, impacta na saúde da população.

“Nós combinamos várias informações e fizemos um estudo que envolve aplicação de ciências de dados, realizando, primeiro, uma análise multivariada desses dados e, depois, análise de padrão. Chegamos à conclusão com base nesses estudos”, disse à Agência Brasil a engenheira civil Luciene Pimentel, professora do Programa de Pós-Graduação em Gestão Urbana (PPGTU) da PUCPR e uma das autoras da pesquisa.

O trabalho usou também dados censitários, porque o estudo, além de envolver somente a questão das internações por doenças respiratórias, fez ainda análise de indicadores de pobreza. “Nós encontramos também resultados interessantes nesse sentido. Na verdade, os municípios que têm índices de pobreza mais altos também apresentam mais internações hospitalares em relação a outros onde esses índices são menores”.

A pesquisa envolveu 397 dos 399 municípios paranaenses, porque dois deles apresentavam falhas de dados. As informações foram coletadas em 2021 e 2022, sendo os resultados divulgados agora. Um artigo referente ao estudo – Ecosystems services and green infrastructure for respiratory health protection: a data science approach for Paraná, Brazil (Serviços ecossistêmicos e infraestrutura verde para a proteção da saúde respiratória: Uma abordagem de ciência de dados para o Paraná, Brasil, em tradução livre) – foi publicado na liga internacional de revistas científicas MDPI e pode ser acessado na íntegra. O artigo é assinado por Luciene Pimentel e pelos professores Edilberto Nunes de Moura e Fábio Teodoro de Souza, da PUCPR, e pelo doutorando do PPGTU Murilo Noli da Fonseca.

Leia Também:  Desfile no Sambódromo está mantido por enquanto, diz governo do Rio

Importância

Luciene destacou a importância do resultado, porque a Organização Mundial da Saúde (OMS) notifica 4 milhões de mortes/ano por doenças respiratórias, das quais 40% são por doenças pulmonares obstrutivas crônicas (DPOC). “O mundo inteiro está muito preocupado com essa situação”.

Ainda de acordo com a OMS, 99% da população mundial respiram ar que excede os limites de qualidade recomendados pela entidade. Além de inúmeros problemas de saúde, a poluição atmosférica causa 7 milhões de mortes anuais em todo o mundo.

A professora da PUCPR relatou a existência de uma dúvida na literatura científica sobre até que ponto a vegetação realmente contribui para diminuir a poluição do ar, tendo em vista que as doenças respiratórias são fortemente conectadas à questão da poluição do ar nas áreas urbanas, ou se a forma como se dispõe a vegetação urbana pode até piorar a saúde respiratória pela dispersão de pólen.

Luciene acredita que os resultados do estudo podem subsidiar políticas públicas voltadas para a sustentabilidade ambiental e a gestão da saúde urbana. A redução das taxas de internações por doenças respiratórias traz acoplada a redução dos custos com hospitalizações por agravos de saúde e outras infecções, podendo contribuir ainda para a redução do absenteísmo escolar e no trabalho.

Leia Também:  Covid-19: Brasil registra 20,3 mil casos e 57 mortes em 24 horas

Continuidade

A equipe de pesquisadores pretende dar continuidade agora ao estudo envolvendo a capital do estado, Curitiba, em escala intraurbana e não mais municipal, com participação da rede Novos Arranjos de Pesquisa e Inovação (NAPIs), financiada pela Fundação Araucária, no âmbito de emergências climáticas. Será medida, por exemplo, a distribuição de pólen na cidade. A ideia, com essas medições, disse Luciene Pimentel, é analisar dados em uma escala mais detalhada.

“O que a gente está querendo fazer agora é começar a olhar por tipologia de doenças respiratórias, como a asma, por exemplo, que tem aumentado muito no mundo. A asma é uma doença que preocupa muito. Na faixa de crianças, que interessa à nossa pesquisa, ela vai comprometer a vida adulta e a asma não tem cura. É uma doença crônica. A pessoa vai depender de remédios o tempo todo. Enquanto crianças, elas faltam à escola por causa da doença; os pais faltam ao trabalho”, disse Luciene.

As doenças respiratórias têm sinais diferentes e, por isso, o estudo deve continuar, para esmiuçar os detalhes. A ideia dos pesquisadores, mais adiante, é estender o trabalho a outros estados. “A ideia é termos uma pesquisa nacional”.

Fonte: EBC SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

SAÚDE

Inscrições para primeira etapa do Revalida 2024/2 vão até sexta-feira

Publicados

em

Interessados em participar da primeira etapa do Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituição de Educação Superior Estrangeira (Revalida) 2024/2 devem se inscrever, por meio do Sistema Revalida, até a próxima sexta-feira (28). O prazo também vale para solicitações de atendimento especializado e tratamento por nome social.

Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), nesta edição o diploma de graduação em medicina deverá ser enviado apenas após a inscrição, no período do recurso das versões preliminares, previsto para entre 28 de agosto e 1º de setembro. Caso não possua o diploma, o participante poderá apresentar a declaração ou certificado de conclusão de curso.

“Ambos os documentos deverão ser expedidos por uma instituição de educação superior estrangeira, reconhecida no país de origem pelo Ministério da Educação ou órgão equivalente, e autenticado pela autoridade consular brasileira ou pelo processo da Convenção sobre a Eliminação da Exigência de Legalização de Documentos Públicos Estrangeiros.”

Leia Também:  Lei da telemedicina completa um ano ainda com desafios

Ainda segundo o Inep, a declaração ou o certificado de conclusão de curso deve conter a comprovação de conclusão de todo o componente curricular obrigatório do curso de medicina realizado no exterior, inclusive de eventuais internatos, estágios obrigatórios e/ou provas finais de graduação, além de menção específica quanto à condição de expedição do diploma em trâmite.

A documentação comprobatória de conclusão de curso em idioma diferente da língua portuguesa, inglesa, francesa ou espanhola deverá ser acompanhada de tradução juramentada.

Provas

As provas do Revalida acontecem no dia 25 de agosto em Brasília, Belo Horizonte, Campo Grande, Curitiba, Porto Velho, Recife, Rio Branco, Salvador e São Paulo. Confira o cronograma completo:

– Inscrições: 24 a 28 de junho

– Solicitações de atendimento especializado e tratamento por nome social: 24 a 28 de junho

– Divulgação da nota de corte: 10 de julho

– Divulgação do Cartão de Confirmação da Inscrição: 30 de julho

– Aplicação: 25 de agosto

– Envio da documentação comprobatória de conclusão de curso: 28 de agosto a 1º de setembro

Leia Também:  Covid-19: Brasil registra 20,3 mil casos e 57 mortes em 24 horas

– Divulgação do gabarito e do padrão de resposta (versões definitivas): 1º de outubro

– Resultado final da 1ª etapa: 25 de outubro

Entenda

O Revalida é composto por duas etapas, teórica e prática, que abordam cinco grandes áreas da medicina: clínica médica, cirurgia, ginecologia e obstetrícia, pediatria e medicina da família e comunidade (saúde coletiva). O objetivo é avaliar habilidades, competências e conhecimentos necessários para o exercício profissional adequado aos princípios e necessidades do Sistema Único de Saúde (SUS).

Fonte: EBC SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA