Internação por doenças respiratórias cai em municípios com mais verde

Publicados

Estudo feito por pesquisadores da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) identificou que municípios com mais áreas verdes têm menos internações hospitalares por doenças respiratórias. A pesquisa envolveu ciência de dados.

Foram usadas bases de dados públicos como o Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde do Brasil (Datasus), Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a Secretaria Nacional de Trânsito (Senatran) e o Instituto Água e Terra (IAT) do Paraná. O objetivo do trabalho foi avaliar como a infraestrutura verde urbana (IVU), composta por praças, parques, jardins planejados, fragmentos florestais, reservas florestais urbanas, bosques e arborização, impacta na saúde da população.

“Nós combinamos várias informações e fizemos um estudo que envolve aplicação de ciências de dados, realizando, primeiro, uma análise multivariada desses dados e, depois, análise de padrão. Chegamos à conclusão com base nesses estudos”, disse à Agência Brasil a engenheira civil Luciene Pimentel, professora do Programa de Pós-Graduação em Gestão Urbana (PPGTU) da PUCPR e uma das autoras da pesquisa.

O trabalho usou também dados censitários, porque o estudo, além de envolver somente a questão das internações por doenças respiratórias, fez ainda análise de indicadores de pobreza. “Nós encontramos também resultados interessantes nesse sentido. Na verdade, os municípios que têm índices de pobreza mais altos também apresentam mais internações hospitalares em relação a outros onde esses índices são menores”.

A pesquisa envolveu 397 dos 399 municípios paranaenses, porque dois deles apresentavam falhas de dados. As informações foram coletadas em 2021 e 2022, sendo os resultados divulgados agora. Um artigo referente ao estudo – Ecosystems services and green infrastructure for respiratory health protection: a data science approach for Paraná, Brazil (Serviços ecossistêmicos e infraestrutura verde para a proteção da saúde respiratória: Uma abordagem de ciência de dados para o Paraná, Brasil, em tradução livre) – foi publicado na liga internacional de revistas científicas MDPI e pode ser acessado na íntegra. O artigo é assinado por Luciene Pimentel e pelos professores Edilberto Nunes de Moura e Fábio Teodoro de Souza, da PUCPR, e pelo doutorando do PPGTU Murilo Noli da Fonseca.

Leia Também:  Covid-19: Brasil registra 165 mil mortes e tem 5,84 mi de casos

Importância

Luciene destacou a importância do resultado, porque a Organização Mundial da Saúde (OMS) notifica 4 milhões de mortes/ano por doenças respiratórias, das quais 40% são por doenças pulmonares obstrutivas crônicas (DPOC). “O mundo inteiro está muito preocupado com essa situação”.

Ainda de acordo com a OMS, 99% da população mundial respiram ar que excede os limites de qualidade recomendados pela entidade. Além de inúmeros problemas de saúde, a poluição atmosférica causa 7 milhões de mortes anuais em todo o mundo.

A professora da PUCPR relatou a existência de uma dúvida na literatura científica sobre até que ponto a vegetação realmente contribui para diminuir a poluição do ar, tendo em vista que as doenças respiratórias são fortemente conectadas à questão da poluição do ar nas áreas urbanas, ou se a forma como se dispõe a vegetação urbana pode até piorar a saúde respiratória pela dispersão de pólen.

Luciene acredita que os resultados do estudo podem subsidiar políticas públicas voltadas para a sustentabilidade ambiental e a gestão da saúde urbana. A redução das taxas de internações por doenças respiratórias traz acoplada a redução dos custos com hospitalizações por agravos de saúde e outras infecções, podendo contribuir ainda para a redução do absenteísmo escolar e no trabalho.

Leia Também:  Ministério lança iniciativa para mapear a educação na saúde

Continuidade

A equipe de pesquisadores pretende dar continuidade agora ao estudo envolvendo a capital do estado, Curitiba, em escala intraurbana e não mais municipal, com participação da rede Novos Arranjos de Pesquisa e Inovação (NAPIs), financiada pela Fundação Araucária, no âmbito de emergências climáticas. Será medida, por exemplo, a distribuição de pólen na cidade. A ideia, com essas medições, disse Luciene Pimentel, é analisar dados em uma escala mais detalhada.

“O que a gente está querendo fazer agora é começar a olhar por tipologia de doenças respiratórias, como a asma, por exemplo, que tem aumentado muito no mundo. A asma é uma doença que preocupa muito. Na faixa de crianças, que interessa à nossa pesquisa, ela vai comprometer a vida adulta e a asma não tem cura. É uma doença crônica. A pessoa vai depender de remédios o tempo todo. Enquanto crianças, elas faltam à escola por causa da doença; os pais faltam ao trabalho”, disse Luciene.

As doenças respiratórias têm sinais diferentes e, por isso, o estudo deve continuar, para esmiuçar os detalhes. A ideia dos pesquisadores, mais adiante, é estender o trabalho a outros estados. “A ideia é termos uma pesquisa nacional”.

Fonte: EBC SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

SAÚDE

Governo cria comitê para reduzir casos de tuberculose até 2030

Publicados

em

O governo federal instalou, nesta terça-feira (6), o Comitê Interministerial para Eliminação da Tuberculose e de outras Doenças Socialmente Determinadas. Coordenado pelo Ministério da Saúde, o comitê tem como objetivo eliminar, como problema de saúde pública, as seguintes doenças: malária, hepatites virais, tracoma, oncorcercose, esquistossomose, geo-helmintíases (parasitárias intestinais), filariose e doença de Chagas, que acometem parcela da população mais vulnerável. Representantes de mais oito ministérios irão participar do grupo.

Durante cerimônia de lançamento do comitê interministerial, na sede da Organização Pan-Americana de Saúde, em Brasília, a secretária de Vigilância em Saúde e Ambiente, Ethel Maciel, disse que o comitê irá debater inclusão de novas tecnologias no Sistema Único de Saúde (SUS), enfrentamento do estigma, prevenção, diagnóstico, cuidado, tratamento, educação e assistência social.

“Há pesquisas que dizem que essas doenças deveriam estar no rol de condicionalidades para receber auxílio”, afirmou.

De acordo com o Ministério da Saúde, o comitê ainda vai trabalhar para eliminar a transmissão da Doença de Chagas congênita, sífilis congênita, durante a gestação; hepatite B e HIV.

Leia Também:  Covid-19: Brasil registra 13,4 mil casos e 442 mortes em 24 horas

Além disso, o governo brasileiro se compromete a reduzir a incidência de tuberculose, HIV/Aids e hanseníase, até 2030, conforme metas estabelecidas pela Organização Mundial da Saúde.

A ministra da Saúde, Nísia Trindade, destacou que essas doenças estão intrinsicamente ligadas à falta de acesso às políticas de saúde. “Doenças endêmicas que persistem em nosso país, porque no nosso país persiste a desigualdade”, afirmou.

Metas

O Brasil tem a meta de reduzir a incidência de tuberculose para menos de dez casos por 100 mil habitantes e o número de mortes inferior a 230 por ano, até 2030.

Em relação ao HIV/Aids, estima-se que, atualmente, um milhão de pessoas vivam com o vírus no Brasil. Destas, 900 mil conhecem o diagnóstico. A partir desse cenário, o objetivo é ter 95% das pessoas vivendo com HIV diagnosticadas, 95% em tratamento e, dessas, 95% com carga viral controlada.

>> Ouça a matéria na Radioagência Nacional

Fonte: EBC SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA