Menos careta: VW registra novo Taos com design inspirado em elétricos

Publicados

Novo visual não deve chegar tão cedo ao Brasil, visto que o modelo ainda não completou nem três anos de mercado
Divulgação/Volkswagen

Novo visual não deve chegar tão cedo ao Brasil, visto que o modelo ainda não completou nem três anos de mercado

Completando dois anos do seu lançamento no Brasil, o Volkswagen Taos apareceu nos registros do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) com um novo desenho frontal, inspirado diretamente na versão chinesa do modelo .

Lançado na Ásia em 2018, a atualização marca os cinco anos de mercado do SUV . Por aqui, a novidade deve chegar mais tarde, em meados de 2025.

O novo desenho contempla os para-choques e os faróis dianteiros, que deixam para trás o desenho retilíneo, e assumem formas um pouco mais arredondadas, lembrando até alguns modelos elétricos da marca, como o ID.6 Crozz .

Leia Também:  VW inicia exportação do T-Cross brasileiro para sete países africanos

Os faróis agora estão maiores e mais largos , invadindo o para-lama e com projetores em dois andares, separados por uma faixa de led. A novidade, além do formato mais arredondado, são os três projetores menores na parte do farol que fica mais próximo da grade.

Desenho lateral continua sendo exatamente o mesmo
Divulgação/Volkswagen

Desenho lateral continua sendo exatamente o mesmo

Na traseira as lanternas ganham um acabamento prateado e novos desenhos , e agora são conectadas por uma peça de fundo preto, seguindo a linha já apresentada por Nivus e T-Cross . Entretanto, essa peça preta possuirá iluminação em LED, ao contrário dos SUVs menores.

A base do para-choque também ganha novos detalhes. Seguindo o exemplo da dianteira, o desenho mais retilíneo dá a vez para formas arredondadas, e, dependendo da versão, até traz acabamento cromado.

Entretanto, na China, a maior diferença está no interior do SUV . O modelo recebeu um novo desenho nas saídas de ar laterais , que agora são verticais, e também na central multimídia , que parece um grande tablet integrado ao painel, seguindo o exemplo do Volkswagen ID.7 .

Central multimídia é a principal alteração no interior
Divulgação/Volkswagen

Central multimídia é a principal alteração no interior

Leia Também:  Volkswagen confirma Kombi elétrica com sistema autônomo para 2025

Ainda não há confirmação de que as novas atualizações chegarão para o mercado sul-americano, muito menos um prazo específico. Sobre motorização, o Taos não deve receber nenhuma novidade, mas é cotado para ser um dos primeiros veículos da Volkswagen a receber alguma eletrificação no seu trem de força.

Fonte: Carros

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

CARROS E MOTOS

Fomos à Serra Gaúcha conferir um Rally de motonetas clássicas

Publicados

em

Ainda bem cedo, os competidores se dirigem à largada. A temperatura esteve próxima do zero
Divulgação

Ainda bem cedo, os competidores se dirigem à largada. A temperatura esteve próxima do zero

Neste último fim de semana fui até o Rio Grande do Sul acompanhar a terceira etapa do Campeonato Brasileiro de Rally de Regularidade Histórica , promovido pela Federação Brasileira de Veículos Antigos – FBVA. A etapa chama-se Rally dos Vinhedos e é organizada pelo Veteran Car Club dos Vinhedos , sediado no município de Bento Gonçalves , na Serra Gaúcha.

Só o fato de estar em uma região tão bela, tão bem dotada pela natureza, já vale qualquer dificuldade em chegar, visto que fica no extremo sul do país, região que é bem conhecida pelas baixas temperaturas , especialmente no inverno. Mas é justamente isso que faz do lugar um destino tão desejado.

O Rally dos Vinhedos está comemorando sua décima edição, reunindo 129 veículos antigos e clássicos para um passeio cronometrado pelas estradas da região, passando por municípios como Bento Gonçalves, Garibaldi, Carlos Barbosa, Pinto Bandeira e Santa Tereza. O mais interessante foi a participação de 13 intrépidos pilotos de motonetas clássicas , que enfrentaram a temperatura de quase zero grau no momento da largada.

As motonetas cruzaram alguns centros urbanos durante o percurso
Divulgação

As motonetas cruzaram alguns centros urbanos durante o percurso

Leia Também:  Toyota Corolla híbrido já concentra quase 25% das vendas

E mais, diferentemente dos automóveis, que têm um piloto e um navegador, que além de lhe fornecer a velocidade ideal para cada trecho também indica o caminho a ser seguido, no scooter o piloto faz sozinho todos os trabalhos.

Claro, sendo um rally de veículos antigos , essas motonetas, que atualmente são conhecidas por scooters , são de época, de um tempo quando ainda não tinham esse apelido.

Dos 13 participantes, 11 deles pilotavam Vespa nacionais dos anos 80, que eram fabricadas em Manaus, AM, pela Piaggio . Os outros dois pilotavam Lambretta Li 150 , fabricadas nos anos 60. Vespa e Lambretta eram (e são) eternos rivais nesse segmento dos veículos de duas rodas.

Um rally de regularidade , que também pode ser chamado de passeio cronometrado, avalia a capacidade do piloto em manter as médias de velocidade pré-estabelecidas, que figuram na planilha com o roteiro. Quanto mais próximo o tempo de passagem pelos vários pontos de controle distribuídos pelo percurso, menos pontos o participante perde. No final, quem perder menos pontos, de acordo com um regulamento complexo, vence a prova.

Leia Também:  Volkswagen confirma Kombi elétrica com sistema autônomo para 2025

Entre as motonetas, o vencedor foi André Sain, de Bento Gonçalves, pilotando (e navegando) a Vespa PX 200 1986 de número 21. André teve 78 pontos perdidos nessa etapa.

O vencedor André Sain, com sua Vespa PX 200 1986
Divulgação

O vencedor André Sain, com sua Vespa PX 200 1986

Em segundo lugar chegou Daniel Orso, também de Bento Gonçalves, com a Vespa PX 200 Elestart 1987 de número 24, com 84 pontos perdidos. Em terceiro lugar ficou Rodrigo Nenini, de Garibaldi, com a Vespa PX 200 1986 de número 22, com 123 pontos perdidos.

Fonte: Carros

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA