Vale do São Patrício

Cooper-Rubi prepara solo de instituição beneficente para plantio

Publicados

A Cooper-Rubi, usina localizada em Rubiataba, fez a gradagem de uma área para Sammaar, uma associação beneficente do município. A extensão de 10 hectares será utilizada para a plantação de milho e precisou de duas gradagens para permitir condições de plantio.

A Sammaar existe há 65 anos e cuida de crianças em situação de risco em parceria com o Poder Judiciário, o Ministério Público e as prefeituras, além de desenvolver atividades educacionais com menores da região.

“Sentimos-nos felizes por poder ajudar o próximo e permitir que o bem se propague”, afirma o Geam Carlos, gerente de transportes e mecanização da usina.

“A Sammaar agradece todo o apoio da usina e se coloca à disposição para cooperar com a região e ser instrumento de benção”,  finaliza Josley Soares Guimarães Filho, Reverendo Presbiteriano, pastor da Primeira Igreja Presbiteriana de Rubiataba e Gestor da instituição.

Quem compara lê o JORNAL DO VALE – Um jornal a serviço da nossa região, desde 1975 – www.jornaldovale.com

Siga nosso Instagram – @jornaldovale_ceres

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Jaraguá: Falece o jornalista Semi Gidrão Filho
Propaganda

MEIO AMBIENTE

Ministério Público promove reunião com moradores de Itapaci para tratar sobre acordo de proteção ambiental

Publicados

em

Na última quarta-feira (2), o Ministério Público de Goiás articulou uma reunião com a comunidade de Itapaci, no Povoado de Fazendinha, para tratar do termo de compromisso firmado entre a Usina Agro Rub Ltda. e a Secretaria de Meio Ambiente e Turismo do município (Semmat), que prevê medidas a serem adotadas para monitorar e evitar a degradação ambiental nos distritos de Fazendinha, São José de Caiamar e Águas Claras, ligada principalmente ao uso de defensivos agrícolas.

A interlocução com os moradores ficou a cargo do promotor de Justiça Francisco Borges Milanez, tendo a reunião contado com a participação de representantes do corpo técnico e jurídico da usina, da equipe do MP-GO local e de representantes da Semmat.

A comunidade foi orientada a como proceder nas hipóteses de dano ambiental ocasionado pela atividade de pulverização aérea desenvolvida pela empresa, tendo sido explicados os termos do acordo, como a população local poderá auxiliar na fiscalização e as formas de materialização de provas de eventual dano ambiental.

Entenda
O promotor de Justiça explica que, em março de 2020, foi procurado pela comunidade, a qual levou um abaixo-assinado, relatando que a Usina Agro Rub estava provocando danos ambientais na região durante o processo de pulverização da lavoura de cana-de-açúcar, mediante o uso de aviões.

Leia Também:  Pirenópolis: Médica e engenheiro suspeitos de danificar carro e ameaçar equipe de fiscalização estão cumprindo medidas cautelares

Após receber essa representação, o MP-GO acionou o Pelotão Ambiental da Polícia Militar de Goiás e a Secretaria de Meio Ambiente de Itapaci, que foram até o local e fizeram sugestões para debelar o problema ambiental e monitorar os efeitos ao meio ambiente local por meio da aplicação de defensivos utilizando aviões agrícolas.

Francisco Milanez conta que, no momento da visita, os órgãos de defesa ambiental não tiveram êxito em comprovar que a atividade da usina era a causadora direta dos problemas relatados pela comunidade afetada. No entanto, a Semmat fez sugestões aos representantes do empreendimento para proteger a comunidade local, culminando com a assinatura do Termo de Compromisso n° 2/2020.

Compromisso
O termo de compromisso estabeleceu os procedimentos nas atividades da Usina Agro Rub de aplicação aérea de defensivos agrícolas na região das comunidades Fazendinha e São José do Caiamar.

Em relação à fiscalização, a Semmat deverá intensificá-la, podendo nomear um guarda ambiental para fornecer à comunidade informações sobre a fiscalização na área de competência do município. O órgão deverá, junto com a empresa, realizar palestras sobre educação ambiental, a importância da coexistência do meio ambiente e das atividades agrícolas e da participação da coletividade.

Leia Também:  Em Jaraguá, donos de loteamento irregular tem 5 milhões em bens bloqueados

À Agro Rub caberá realizar a aplicação de defensivos, com estrita observância às normas vigentes, em especial a Lei Estadual n° 19.423/2016, que dispõe sobre a produção, o armazenamento, o comércio, o transporte interno, a utilização, o destino final de resíduos e embalagens, a inspeção e a fiscalização de agrotóxicos, seus componentes e afins, no Estado.

Desta forma, somente poderá usar produtos autorizados e mediante receituário agronômico e fazer a aplicação aérea com distância mínima de 500 metros das comunidades e 250 metros de mananciais, realizando, nestas faixas, a pulverização de forma manual ou mecânica.

A empresa deverá orientar os seus prestadores de serviços a não fazer manobras ou passagens sobre as comunidades, assumindo o compromisso de informar a Semmat, com dez dias de antecedência, a data da pulverização, assim como comunicar qualquer ocorrência técnica durante a aplicação, o que será verificado e apurado pelo órgão ambiental.

A Agro Rub também terá de participar de projetos comunitários, palestras educativas, além de apresentar o projeto de recuperação de área degradada da nascente do Rio São Patricinho, que fica na região.

JORNAL DO VALE – Um jornal a serviço da nossa região, desde 1975 – www.jornaldovale.com

Siga nosso Instagram – @jornaldovale_ceres

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA