Opinião

Corrida pelos sêniores: como solucionar o déficit de profissionais capacitados na área de tecnologia?

Os profissionais vistos como melhores, claro, são em geral sêniores, capazes de se autogerir e, em certa medida, realizarem projetos sem grandes orientações da parte da empresa. Embora muitas companhias, da forma como estruturam-se, precisem de muito mais pessoas sêniores do que têm no momento, há dificuldades significativas em preencher as vagas sênior abertas no país.

Publicados

Não é segredo para nenhum gestor de tecnologia que nos últimos anos tem sido cada vez mais difícil contratar profissionais com alto nível técnico. A “corrida pelos sêniores” tem se tornado um fato inescapável da gestão de tecnologia no Brasil. Levando em conta a competição do exterior e um Real desvalorizado, não há um caminho sustentável para a manutenção da capacidade técnica nas empresas de tecnologia brasileiras que não passe por tornar a educação continuada dos colaboradores um ponto focal da estratégia de negócios.

A pandemia de Covid-19 abriu as porteiras do trabalho remoto, que vinham se desenhando gradualmente, de sopetão, e assim apresentou a toda uma geração de devs brasileiros e brasileiras a ideia de que seu trabalho não precisava estar atrelado a uma localidade específica. Essa transição, associada ao crescimento contínuo da demanda por pessoas capazes de liderar processos cada vez mais necessários de transformação digital, introduziu um grau de competição jamais antes visto entre as empresas para recrutar as “melhores” pessoas.

Os profissionais vistos como melhores, claro, são em geral sêniores, capazes de se autogerir e, em certa medida, realizarem projetos sem grandes orientações da parte da empresa. Embora muitas companhias, da forma como estruturam-se, precisem de muito mais pessoas sêniores do que têm no momento, há dificuldades significativas em preencher as vagas sênior abertas no país. Há uma série de razões para esse fenômeno, dentre as quais se destaca a forte competição que o mercado de desenvolvimento de software brasileiro vem sofrendo de empresas no exterior, especialmente dos Estados Unidos e também da Europa. Desta forma, torna-se inviável para empresas brasileiras acompanharem salários que seus competidores estrangeiros são capazes de oferecer.

Leia Também:  Dever e felicidade

Algumas (mas ainda poucas) recorrem a benefícios como maior flexibilidade de horários e horas mais curtas para atrair devs. Existe, contudo, uma estratégia ainda muito longe de seu máximo potencial: A capacitação de talentos “dentro de casa” – que é mais possível hoje do que jamais antes. O Brasil vive o momento de um imenso boom de formação de novas pessoas desenvolvedoras, devido à ampla disponibilidade de bootcamps e faculdades EAD. Para criarmos um setor de informática sustentável no Brasil, urge à indústria tomar à frente do esforço de capacitá-las.

A própria mentalidade de que é necessário contratar principalmente sêniores vem, frequentemente, de uma presunção de impossibilidade de melhorar simultaneamente os sistemas voltados à educação dos colaboradores e os negócios da empresa. A realidade, entretanto, é que o contexto do qual as pessoas que desenvolvem necessitam para trabalhar não é distinto do contexto do qual qualquer outra área da empresa precisa para operar – isto é, uma noção clara de como funcionam e como devem funcionar os negócios da organização.

Leia Também:  Lei 14.151: (Des)Regulamentação do afastamento presencial das gestantes

Não apenas as pessoas da área de desenvolvimento de software necessitam dessa informação para construir sistemas empresariais, mas elas podem participar ativamente da estruturação do negócio desde os níveis mais fundamentais do conhecimento técnico.

A apresentação desse contexto às pessoas desenvolvedoras e o encorajamento para que documentem e expressem as regras do negócio de forma que faça sentido a partir das atividades diárias de desenvolvimento e operações, constrói não só capacidade de autogestão nos profissionais de menor senioridade, mas também encoraja a empatia em toda a empresa em relação à realidade de tecnologia – e desbloqueia a possibilidade de construirmos sistemas que capacitam nossos colaboradores e potencializam as interações entre pessoas que viabilizam as operações empresariais.

Pedro Castilho é cofundador e CTO da Cumbuca

JORNAL DO VALE – Muito mais que um jornal, desde 1975 – www.jornaldovale.com

Siga nosso Instagram – @jornaldovale_ceres

Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a redação do JORNAL DO VALE, através do WhatsApp (62) 98504-9192

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ARTIGO

Motivos que fazem os negócios fracassarem

Lembre-se: quando algo dá errado, você nunca começa do zero. Você já sabe e adquire experiência para tomar melhores decisões e, com isso, evita cometer erros futuros. Tudo é aprendizado. Cuide do seu negócio, dedique-se, cerque-se de pessoas competentes e comprometidas e tudo dará certo. 

Publicados

em

Quem é empreendedor sabe que não existe cartilha ou fórmula mágica para um negócio dar certo. Porém, quando as práticas administrativas são inadequadas e existe falta de habilidades de gestão, há grande chance de fracasso.

Um dos erros mais frequentes que percebo é a falta de planejamento. Muitos empreendedores não pensam a longo prazo e, com isso, levam seu negócio ao fracasso. Quando você não entende em que situação se encontra, fica mais difícil saber o que tem que mudar para evoluir e alcançar resultados. Planejamento é essencial. Concilie visão de longo prazo com metas concretas. Tenha planejamento de um dia, uma semana e um ano.

Outro equívoco é quando se tem um time ruim. Ter a confiança de uma equipe é importante para a empresa, mas a escolha da equipe certa é crucial. Avalie honestamente as competências e identifique as falhas dentro do seu time. Encontre membros que acreditem em sua missão e complementem seus conhecimentos. Se sua empresa não tiver um bom líder, não tem como ser boa. Seja um bom líder e lidere a equipe para ter resultados extraordinários.

Leia Também:  A importância da saúde física, mental e alimentação

Outro erro comum é quando envolve sociedade. Seu sócio precisa estar com os mesmos pensamentos que você, caso contrário, não dará certo. Escolha bem com quem vai ter uma parceria. Lembre-se que é algo enérgico. Deve existir sintonia e as cabeças devem pensar parecido. Caso contrário, o fracasso baterá na sua porta.

Também é importante estar atento ao atendimento ao cliente e feedback. Se os clientes não tiveram perguntas respondidas ou se estas forem feitas de qualquer jeito ou ainda se eles forem mal atendidos, eles irão buscar a concorrência e ainda vão falar mal do seu negócio com outras pessoas. Nunca ignore seus clientes. Sempre compartilhe o feedback deles com sua equipe e trabalhe para resolver os problemas deles ou os problemas que foram encontrados por eles.

Outro erro grave e que leva ao fracasso é não ter controle financeiro. Não existe empresa que resista a uma gestão ineficiente. É imprescindível colocar todos os gastos e compras em planilhas. Saiba a respeito de movimentações diárias, como valor a pagar e a receber, preços cobrados por fornecedores, estoque, diferenças entre valores fixos e variáveis. Assim, você pode planejar investimentos e fazer planejamentos para o futuro da sua empresa. Fique atento à saúde financeira do seu negócio.

Leia Também:  Os inimigos da Teoria da Evolução

Lembre-se: quando algo dá errado, você nunca começa do zero. Você já sabe e adquire experiência para tomar melhores decisões e, com isso, evita cometer erros futuros. Tudo é aprendizado. Cuide do seu negócio, dedique-se, cerque-se de pessoas competentes e comprometidas e tudo dará certo.

Leonardo Chucrute é Gestor em Educação

JORNAL DO VALE – Muito mais que um jornal, desde 1975 – www.jornaldovale.com

Siga nosso Instagram – @jornaldovale_ceres

Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a redação do JORNAL DO VALE, através do WhatsApp (62) 98504-9192

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA