Fatalidade

Criança de dois anos morre afogada em represa de criação de peixes, em Uruana

Na unidade de saúde, os médicos e enfermeiros tentaram diversas manobras para salvar a vida da criança, mas infelizmente, ela não resistiu. Na propriedade rural, além dos avós, havia outras duas pessoas presentes na ocasião da tragédia.

Publicados

Criança de dois anos morre afogada em represa de criação de peixes, em Uruana.

Nesta sexta-feira (16), a Polícia Militar (PM) para atender uma emergência na Fazenda Pedreira no município de Uruana no Vale do São Patrício. Na ocasião do chamado a pessoa que acionou a PM informou que houve um afogamento envolvendo uma criança de 2 anos em um tanque de peixes.

Os militares ao chegarem no local se depararam com uma cena angustiante, pois a criança estava deitada no chão às margens de uma represa, inconsciente, ao lado de sua avó. A criança não apresentava sinais vitais, com a pupila dilatada, lábios levemente roxos e espuma na boca. Desta forma, a guarnição iniciou os primeiros socorros, incluindo massagem cardíaca, respiração boca a boca e manobra de Heimlich. Apesar da criança ter começado a expelir água dos pulmões durante os primeiros socorros, ela permanecia sem sinais vitais.

Em seguida, os militares conduziram a criança para o Hospital Municipal de Uruana, prestando assistência durante o trajeto.

O marido da avó, foi questionado sobre o que levou ao afogamento e ele disse que a criança estava dormindo enquanto sua esposa arrumava a casa dos patrões. A avó ao ir dirigir até o local onde a criança dormia, visualizou que a mesma não estava mais lá, e chamou pelo marido para que ajudasse a procurá-la.

Leia Também:  Usina Uruaçu faz a doação de cestas básicas para escola

De acordo com a PM, o avô alegou que estava rastelando o terreiro e ao sair para procurar a criança a encontrou boiando na represa, a retirando para fora.

Na unidade de saúde, os médicos e enfermeiros tentaram diversas manobras para salvar a vida da criança, mas infelizmente, ela não resistiu.

Na propriedade rural, além dos avós, havia outras duas pessoas presentes na ocasião da tragédia.

A Polícia Civil (PC) já está investigando o caso.

JORNAL DO VALE – Muito mais que um jornal, desde 1975 – www.jornaldovale.com

Siga nosso Instagram – @jornaldovale_ceres

Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a redação do JORNAL DO VALE, através do WhatsApp (62) 98504-9192

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

CIDADES

Em Goiás, PC erra endereço e arromba casa com armas em punho; Assista

A moradora foi acordada pelos gritos e marretadas e gravou toda a ação, afirmando ainda que teria sido agredida no processo.

Publicados

em

Em Goiás, PC erra endereço e arromba casa com armas em punho. Foto: Reprodução

Na madrugada desta quinta-feira (11), com os gritos de policiais e marretadas arrombando o portão que uma família, foi acordada uma moradora do Bairro Industrial Santo Antônio, em Aparecida de Goiânia, foi acordada.

Na verdade, os agentes da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (DEIC) erraram o endereço em questão, adentrando, de armas em punho, a casa errada.

A moradora, que estava acompanhada do parceiro, gravou toda a situação e alegou, inclusive, ter sido agredida pelos policiais.

Através das imagens, foi registrado o acalorado bate e boca entre os agentes policiais e os residentes, enquanto eles tentam entender toda a situação.

É possível ouvir a mulher reclamar que o filho, ainda bebê, tinha sido acordado pelas autoridades, que, em contrapartida, afirmam que ela própria teria acordado o pequeno, tamanha a gritaria.

Questionados, os agentes afirmaram que estariam apenas cumprindo um mandado de busca e apreensão, no entanto, ao relatarem o nome da pessoa em desfavor no documento, foram informados de que ali não residia ninguém que se encaixasse na descrição.

Leia Também:  Governo de Goiás usa em campanha último áudio de paciente antes de morte por Covid-19; Vídeo

No mesmo instante, eles parecem perceber o ocorrido e começam a, lentamente, se retirar do local.

Através de nota oficial, a PC-GO informou que já está apurando o caso. “A Polícia Civil de Goiás informa que os mandados de prisão e busca e apreensão foram cumpridos dentro da legalidade, conforme deferimento de ordem judicial. E que eventuais supostos abusos cometidos durante a operação já estão sendo investigados pela Superintendência de Correições e Disciplina da PCGO”.

JORNAL DO VALE – Muito mais que um jornal, desde 1975 – www.jornaldovale.com

Siga nosso Instagram – @jornaldovale_ceres

Envie fotos, vídeos, denúncias e reclamações para a redação do JORNAL DO VALE, através do WhatsApp (62) 98504-9192

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA