artigo

Igreja não quer censurar da Netflix

Diferentemente do que foi publicado nos veículos de imprensa, o processo movido pela igreja Templo Planeta do Senhor não quer censurar a plataforma de streaming.

Publicados

O filme francês Lindinhas, lançado no ano passado pela Netflix, e que chamou a atenção inclusive da ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves, foi alvo de uma ação judicial impetrada pela igreja Templo Planeta do Senhor.

No processo, foi solicitado para que o longa dirigido por Maïmouna Doucouré fosse retirado do catálogo da plataforma de streaming. Porém, o juiz Luiz Fernando Rodrigues Guerra não aceitou o pedido e ainda o comparou à censura imposta durante a Ditadura Militar (1964-1985).

Em matérias publicadas em vários sites na internet, trechos da sentença foram divulgados. “Com efeito, a pretensão jurídica da autora [a igreja] é consubstanciada na perseguição de forma de censura judicial a programa de documentário, pretensão que bem se assemelha à censura imposta por tempos mais sombrios de nossa nação”, afirmou o magistrado.

Por outro lado, o advogado e representante da igreja, Anselmo de Melo Ferreira Costa, explica que o processo não tentou censurar a Netflix como os veículos de imprensa estão dizendo: “Tal alegação é extremamente equivocada e viciada pelas situações anteriores que já envolviam a referida plataforma de streaming. Quem assistiu ao filme em debate, ou seja, a produção ‘Lindinhas’, sabe que aquilo está longe de ser entretenimento infanto-juvenil. O referido filme sexualiza crianças, as coloca em uma posição de objeto de sedução, que não deve mesmo ser vista com bons olhos a quem tem um mínimo de zelo pela infância”, reforça.

Leia Também:  O silêncio do conivente

Além disso, Anselmo lembra que a Constituição Brasileira, em seu artigo 227, assegura o direito da criança, “tutelando-a e colocando-a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão. É notório que, a forma como aquelas meninas são expostas na produção da Netflix é totalmente negligente, exploratória, violenta e cruel, o que, sem sombra de dúvidas, influencia no comportamento de quem está assistindo o filme”, destaca o advogado.

Sobre a comparação com a censura imposta durante a Ditadura Militar, o representante da igreja Templo Planeta do Senhor explica que, “de fato, o Brasil viveu anos em um regime ditatorial em que os direitos eram totalmente restritos e, nesse período, a luta por um Estado Democrático foi incessante e quando então, este finalmente foi alcançado e, em 1988 foi aprovada a nossa maior Carta Democrática. Veio com ela a garantia de acesso ao Judiciário para questionar pretensões, ou seja, se um indivíduo se sente lesado, não há nada de errado em buscar junto ao Estado a solução para o seu problema, assim ele está, simplesmente, exercendo seu direito de acesso à Justiça previsto no inciso XXXV do artigo 5ª da Constituição Federal”.

Leia Também:  A força do petróleo!

Ou seja, Anselmo revela que “impedir que a Igreja, na qualidade de uma organização social, que se sentiu lesada moralmente com a situação exposta no filme, busque, de forma individual, junto ao Judiciário a reparação para os referidos danos, é também uma forma de censura quanto à parte contrária (já que garantido tal direito pelo Estado) e, também, por parte de quem está de fora da situação e assim entende que ocorreu”, acrescenta.

“Dizer que se está censurando algo ou alguém é extremamente delicado e tal verbo deve ser utilizado com sensatez e adequação”, completa o advogado.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ARTIGO

A importância da saúde física, mental e alimentação

Publicados

em

Como a alimentação influencia nossa saúde física e mental?  A maneira como a gente se alimenta e a frequência com que a gente se exercita podem influenciar drasticamente nossa saúde mental e física.

Este artigo vai tratar sobre a importância da combinação entre melhorar a alimentação e prática de exercícios físicos.

A prevenção das doenças e promoção da saúde através de bons hábitos, com certeza é melhor do que adoecer devido a maus hábitos e depois correr atrás de tratamento. Gastar com a saúde é barato e gastar com a doença é caro. Tratar a doença é sempre custoso, trabalhoso. Promover saúde é o que é o certo.

Alimentação falha e negligência com o sono são péssimos hábitos.

Cultivar os maus hábitos alimentares desde a infância, é como se a pessoa estivesse durante toda a sua vida se preparando para explodir. Seja através do álcool, refinado, embutidos e industrializados.  Contando com sua saúde e juventude, nosso corpo pode até suportar a sobrecarga tóxica da má alimentação e sedentarismo.  Então, quando chega aos 30 – 40 anos, acumula uma certa toxicidade, vícios alimentares ruins e aí tem um choque pois o organismo começa a falhar e as doenças como infarto, derrame, diabetes, hipertensão, obesidade, dores articulares ocorrem.

Devemos diminuir o uso de alimentos industrializados e utilizar mais alimentos mais naturais. Ter uma qualidade de sono também é importantíssimo. Dormir pelo menos 6 horas por dia e com uma boa respiração noturna. Sem pausas respiratórias (apnéia do sono) ou ronco intenso, pois isso pode causar falta de oxigênio durante o sono.  Sem qualidade de sono, é comum acordar ansioso, agitado e com compulsão alimentar.  Tenha comprometimento do sono. Evite carregar tarefas para casa, dormir tarde.

Leia Também:  Pandemia e extinção de empregos: cabe ao Poder Público indenizar?, por Otavio Romano de Oliveira

A constituição da Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma: “Saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não apenas a mera ausência de doença ou enfermidade”. A saúde mental é uma parte integrante e essencial da saúde.

Se um jovem hoje se olha no espelho e não está satisfeito com o seu corpo e fica triste ou chateado, não é feliz com o que está vendo, com certeza nos seus últimos cinco anos ela tem feito escolhas erradas.

Você pode acordar e escolher entre tomar um café da manhã saudável com frutas, castanhas e praticar exercícios, exercer a gratidão e oração, ou tomar um refrigerante, comer frituras (disco ou coxinha) e acender um cigarro. Cada uma dessas escolhas terá uma consequência.

Como corrigir os maus hábitos? Entender o que está errado, fazer novas escolhas. Ter a paciência de colher seu novo eu, não a curto prazo, mas a médio e longo prazo.

Para quem está disposto a sair do sedentarismo, cuidado!!  Ninguém vira atleta de alto nível de um dia para o outro. Cuidado com lesões musculares, das articulações como joelhos, quadris e coluna lombar. Comece com exercícios menos intensos, como uma caminhada de 30 minutos por dia. Com a melhora do condicionamento físico, vai aumentando a intensidade dos exercícios.

Leia Também:  A força do petróleo!

Não podemos acreditar que comer rápido é normal. Devemos dar atenção ao prato de comida, saborear cada alimento, mastigar lentamente. Durante a refeição, se desconecte do telefone.

Todo mundo sabe o que tem que ser feito para ter mais saúde. O que falta para colocar em prática?  Motivação, determinação e constância.  Praticar pensamentos positivos e ter gratidão.

Encare a mudança de hábitos, como mudança de vícios. Pense em largar o cigarro e começar um novo vício, porém, saudável, como um determinado esporte. A prática de exercício físico também gera prazer como o cigarro. Aumenta endorfinas e serotoninas que dão sensação de prazer e bem-estar.

Na minha especialidade, a otorrinolaringologia, é fato que quem usa em excesso refrigerantes, suco de caixinha, suco em pó, macarrão instantâneo, ou seja, excesso de produtos industrializados, tem maior incidência de rinites e sinusites. O excesso de cafeína, carboidratos, energéticos causam ou pioram a labirintite e o zumbido. Comidas gordurosas, frituras, alimentos condimentados, bebida alcoólica, derivados do tomate, chocolate, refrigerantes, pioram o refluxo laringo faríngeo, causando tosse, rouquidão e pigarro e desconforto na garganta.

Então, vamos lá! Que tal sair da zona de conforto, focar na alimentação e deixar o sedentarismo! Vamos ganhar mais alguns dias de vida saudável!

 

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

VALE SÃO PATRÍCIO

PLANTÃO POLICIAL

ACIDENTE

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA